Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: SOMOS TÃO JOVENS



Sinopse: Brasília, 1973. Renato (Thiago Mendonça) acabou de se mudar com a família para a cidade, vindo do Rio de Janeiro. Na época ele sofria de uma doença óssea rara, a epifisiólise, que o deixou numa cadeira de rodas após passar por uma cirurgia. Obrigado a permanecer em casa, aos poucos ele passou a se interessar por música. Fã do punk rock, Renato começa a se envolver com o cenário musical de Brasília após melhorar dos problemas de saúde. É quando ajuda a fundar a banda Aborto Elétrico e, posteriormente, a Legião Urbana.

Nunca fui fã de carteirinha de Renato Russo e de seu grupo Legião Urbana, mas por eu ser pertencente aos anos 80, e por ter tido uma infância em que eu ouvia muito o radio, sei de décor cada musica dele que fez sucesso durante vários anos. Portanto, assistir a esse pequeno filme de Antonio Carlos Fontoura sobre os primeiros anos de Renato no mundo da musica, é embarcar numa sensação de pura nostalgia e muita saudade. Quem nunca cantarolou musicas de sucesso como Faroeste caboclo atire a primeira pedra.
O filme investiga um pouco a adolescência de Renato, que desde o principio foi alguém que pensava a frente no seu tempo e dava a sua opinião critica com relação a tudo que ele achava errado naquele período. O que não deixa de ser irônico, pois além de ter vivido ainda no período da Ditadura Militar, ele nasceu justamente em Brasília e onde com certeza sofreu represália, muito mais do que foi visto no filme. Thiago Mendonça surpreende numa interpretação perfeita, onde os trejeitos e até mesmo os cacoetes que o músico tinha, consegue fazer com bastante perfeição e profissionalismo.
Mas embora o filme explore um pouco da excentricidade do cantor, assim como os conflitos que ele tinha com a banda, o filme não se aprofunda em passagens (para alguns) polemicas da vida dele, como os últimos anos de sua vida em que carregava o vírus da AIDS e de suas relações amorosas que tinha tanto com homens como também com as mulheres. Mesmo assim, isso não tira o brilho desse filme, que nada mais é do que uma forma de passarmos quase duas horas na frente da tela, para sentirmos uma boa nostalgia e de nos lembrarmos de uma boa época, em que existia musica brasileira de verdade para ser ouvida.  


Me sigam no facebook e twitter.

4 comentários:

Celo Silva disse...

Apesar de ser bem pop, não acho que seja um demérito. Acho o filme divertido.

Marcelo C,M disse...

Como eu disse acima, achei bem nostálgico.

Fernanda Bender disse...

Ainda ouço as músicas do Legião Urbana, e o Renato realmente se tornou um ícone da música brasileira... também, com letras inteligentes onde ele constantemente questiona o sistema e as pessoas, não poderia ser diferente.
Este é um filme que quero olhar com certeza.
http://duasepocas.blogspot.com.br/

Marcelo C,M disse...

Assista Fernanda, não irá se arrepender.