Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: A Dama de Ferro

Sinopse: Antes de se posicionar e adquirir o status de verdadeira dama de ferro na mais alta esfera do poder britânico, Margaret Thatcher (Meryl Streep) teve que enfrentar vários preconceitos na função de primeiro-ministra do Reino Unido em um mundo até então dominado por homens. Durante a recessão econôminica causada pela crise do petróleo no fim da década de 70, a líder política tomou medidas impopulares, visando a recuperação do país. Seu grande teste, entretanto, foi quando o Reino Unido entrou em conflito com a Argentina na conhecida e polêmica Guerra das Malvinas.
É de conhecimento de todos, que Meryl Streep é uma atriz que se transforma, ao interpretar cada personagem que ela incorpora, fazendo dela, uma verdadeira cama leoa e se tornando uma verdadeira recordista de indicações ao Oscar. Sendo assim, fica até mesmo difícil de imaginar outra atriz que siga os mesmos passos, sendo que a única que vi, com uma trajetória semelhante (embora seja cedo dizer isso) é Kate Blanchet.       
Se para muitas atrizes, é complicado chegar ao patamar em que ela chegou, imagine depois de "A Dama de Ferro"! Meryl conseguiu atingiu o seu ápice, mesmo num filme que por vezes passa certas irregularidades. Na trama "A Dama de Ferro", é mostrada a trajetória da Primeira Ministra da Inglaterra, Margaret Thatcher, que esteve no comando do governo britânico de 1979 a 1990. Confesso que não sei muito sobre Thatcher. Só sei que foi uma mulher que ousou lutar pelo seu país em uma época complicada. Devido a sua força e ousadia, ela conseguiu o seu objetivo e ajudou a Inglaterra a prosperar e a se tornar a grande nação.
Mesmo com o pouco conhecimento sobre os fatos verídicos, fica bem claro na tela, que eles tentaram resumir certos fatos e que alguns ficaram de fora. A direção de Phyllida Lloyd também não ajuda, tanto na forma de dirigir como no desenvolvimento da trama, mas quando o filme descamba para mediocridade, tudo é salvo pela presença de Meryl, porque mesmo em filmes ruins (como A Casa dos Espíritos e Rio Selvagem), ela sempre segurou as pontas, colocando certa alma nestes projetos menores.
Logicamente, o filme será somente lembrado, por ter dado o tão adiado terceiro Oscar para atriz, além de ter ganhado um merecido Oscar de melhor maquiagem, no qual fez Meryl ficar idêntica a Tacher, tanto nos tempo quando jovem, como nos seus anos atuais de velhice. 


Me Sigam no Facebook e Twitter: 

Nenhum comentário: