Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 23 de abril de 2013

Cine Especial: Zé do Caixão: 50 anos de terror: Parte 4



Nos 29 e 30/Abril; 02 e 04/Maio eu estarei participando do curso Zé do Caixão: 50 anos de terror, criado pelo Cena Um e ministrado pelo especialista no assunto Carlos Primati. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui, estarei postando um pouco do que eu sei, sobre o melhor representante do gênero do terror do nosso cinema tupiniquim.

O Despertar da Besta / Ritual de Sádicos

Sinopse: Um renomado psiquiatra injeta doses de LSD em quatro voluntários com o objetivo de estudar os efeitos do tóxico sob a influência da imagem de Zé do Caixão. O personagem aparece de maneira diferente nos delírios psicodélicos e multicoloridos de cada um, misturando sexo, perversão, sadismo e misoginia. Interrogado por um grupo de intelectuais o psiquiatra faz uma revelação surpreendente que os obriga a questionar suas convicções.

De todos os seus filmes, O Despertar da Besta foi o mais perseguido e rotulado como maldito de sua filmografia aos olhos da censura do regime militar. Batizado na época de Ritual de Sádicos em 1969 foi rapidamente proibido pelos censores, que não satisfeitos, pretendiam destruir as copias e negativos.  Liberado nos anos 80 foi exibido em festivais e mostras, mas infelizmente não teve lançamento comercial.
Toda essa raiva que o governo da época teve contra o filme, foi devido à abordagem franca sobre o consumo de drogas e sexo desenfreado na época, mas tudo filmado de uma forma bem inventiva, que é bem da característica do diretor.  O primeiro ato do filme, mostra a degradação de civis devido as drogas e sexo desenfreado, que ao mesmo tempo se divide com cenas de depoimento de um médico (Sérgio Hingst), que é colocado na parede por  entrevistadores (entre eles os diretores Carlão Reichenbach e Maurice Capovilla), sob o silencio de Mojica presente, que interpreta a si mesmo. O médico a recém havia lançado um livro que aborda o consumo de drogas (ou “tóchicos”), e apresenta os casos para compreender melhor suas teorias.
Os diálogos com frases como “são os atos anormais de uma juventude sem freio” da impressão que o filme tenderá para a simplória e reducionista abordagem refletida pela citação acima. Contudo, Mojica filma as cenas com um clima carregado e bem próximo do seu terror habitual. Pegamos um exemplo de uma jovem colegial do inicio do filme: ela participa de uma festinha cheia de drogas de um grupo de jovens translocados, para que então no auge da situação, é morta num ato de estupro de um taco de madeira. Em outra seqüência (a mais inventiva delas), vemos uma jovem sendo entrevistada para uma vaga de emprego, para então ser assediada pelo seu futuro patrão, que por vezes, ela enxerga ele como um porco ou um cachorro.
Com esses momentos, é preciso realmente se tirar o chapéu, pois além dessas cenas criativas, a utilização de musica e som, se casa muito bem com as cenas, onde destaco a musica em que é tocada na abertura e no encerramento do filme. Tudo isso, se da uma verdadeira sensação de experimentação, para aqueles que assistem pela primeira vez e que acaba se enquadrando com o lado inventivo do cineasta. Já no segundo ato do filme, o médico explica o seu estudo, que é a utilização da droga LSD num grupo de drogados, a partir do momento que eles focam suas atenções a figura do Zé do Caixão.  
Não deixa de serem bastante curiosas as imagens do programa de TV da época (Quem tem medo da Verdade), no qual o cineasta é interrogado por um júri formado por celebridades daquele período, mas  que por sua vez é defendido  pelo diretor Carlos Manga e absolvido pela quase unanimidade dos componentes. Nestes momentos, Mojica é sempre rotulado pelo seu personagem e destaca sua desilusão como artista nacional. A partir daí, o filme começa a ficar  carregado de um clima de auto-referência, que a partir de então marcará presença em quase toda sua obra: o cineasta faz uso da sua popularidade, pressupondo a presença de Zé do Caixão nas mentes das pessoas, o que levaria o pesquisador a utilizar a figura do personagem  para testar então os drogados.
 E é nas seqüências dos delírios acompanhados pelo médico, no qual cada uma das quatro pessoas da experiência apresenta sua visão e opinião pessoal de Zé do Caixão, onde por sua vez o cineasta abre a sua imaginação por completo na tela, criando seqüências surrealistas e que se distancia da simples realidade, com direito a cemitérios, mulheres seminuas, uma escadaria de corpos humanos e rostos desenhados em bundas. Assim como a própria presença do  Zé do Caixão e tudo embalado em cores e que se acaba criando um verdadeiro contraste com o resto do filme que é em todo preto e branco.
O despertar da besta acaba por então sintetizar sobre o que acontecia naquele período, onde popularização do rock’n’roll, sexo e das drogas, que, apesar da impressão inicial, acabam por não ser satanizadas, quando o médico apresenta como conclusão de seu estudo o fato de não serem elas as responsáveis pela perversidão de seus usuários, mas apenas como fator de liberação de suas frustrações. No saldo geral, O despertar da besta foi um filme corajoso para época, mesmo tendo um moralismo um tanto que disfarçado aqui e ali, mas que isso não foi o suficiente para que os sensores o deixassem em paz. Felizmente o tempo é o melhor juiz para todos. 

Me Sigam no Facebook e Twitter: 

2 comentários:

LEO disse...

Mto bom mesmo...

eu vi baixado (via emule) mas se não me engano já passou no Canal Brasil tbm num festival q fizeram pro zé no ano passado ou retrasado!!!

esse cartaz tbm tá bacana (lembrando as capas da "cripta", rs)!!!

Abs!!

Marcelo C,M disse...

Lembrando os Contos da Cripta, acho que teve uma HQ do Zé dessa forma, mas irei saber disso somente no curso.