Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Cine Especial: 'Hermenegildo' - Cada Um Com a Sua Chernobyl

Sinopse: 'Hermenegildo' acompanha Marco Antônio Villalobos, em 1978, quando ocorreu um dos maiores desastres de nossas praias gaúchas.  


Recentemente o canal norte americano HBO está colhendo os frutos pela sua minissérie "Chernobyl", da qual reconstitui um dos maiores desastres nucleares da história. É claro que, não demorou muito, para alguns detratores surgirem e darem a sua versão mais amena com relação aos fatos, como no caso do próprio governo Russo que não aceitam os seus próprios erros do passado. O documentário média metragem "Hermenegildo" segue uma trilha parecida, mas da qual as opiniões diversas sobre o que, ou quem, provocou o conhecido desastre de nossas praias ficam em atritos já dentro da própria obra.
Dirigido por Daniela Sallet, do documentário "Substantivo Feminino" (2017), o filme acompanha Marco Antônio Villalobos, em 1978, quando começava sua trajetória como repórter da então TV Gaúcha. O jornalista é o fio condutor do documentário, que faz uma investigação sobre o desastre ambiental ocorrido na Praia do Hermenegildo, em Santa Vitória do Palmar, distante mais de 500 quilômetros da capital gaúcha. Na época, a mortandade de inúmeros de mariscos, além de animais mortos encontrados na beira da praia, despertou grande temor nos habitantes na época.
Pegando carona com a nova onda dos documentários investigativos brasileiros recentes, como no caso do ótimo "O Caso do Homem Errado" (2017), de Camila de Moraes, a documentarista Daniela Sallet cria um verdadeiro mosaico de informações, na medida que as investigações de Marco Antônio Villalobos avançam no decorrer do tempo. Com uma edição dinâmica, da qual nos envolve rapidamente, a obra possui inúmeros registros sobre os fatos da época, desde cenas de arquivos, como também jornais impressos e que sintetizam a gravidade da situação daquele período. Além disso, o documentário obteve inúmeros depoimentos e dos quais levantam mais dúvidas do que respostas definitivas.
Curiosamente, é graças aos depoimentos que descobrimos que o caso obteve diversas versões com relação a sua real origem. No oficial, orquestrada pelo governo ditatorial da época, de que foi um fenômeno natural chamado maré vermelha, enquanto a paralela, assinada por técnicos gaúchos e ignorada pelo governo, de que foi uma contaminação química. As diversas opiniões da época foi aumentando na medida que a cidade foi invadida por pessoas de todo o País e jornalistas, tanto nacionais, como também internacionais.
Mas, talvez, o ápice do documentário é quando ele vai percorrendo o litoral no extremo sul do Brasil e chegando ao Uruguai. Daniela Sallet e os demais realizadores nos mostram documentos, como o manifesto de carga do navio Taquari, naufragado sete anos antes na praia uruguaia de Cabo Polônio e onde poderiam estar os produtos causadores da contaminação química.  A obra revela, ainda, que amostras desapareceram, impedindo as análises e busca saber o motivo da contaminação química, identificada por técnicos do Centro de Estudos de Toxicologia, a qual não foi considerada pelo governo.
Quarenta anos depois, muitas perguntas ainda não foram respondidas sobre o que realmente aconteceu nos locais dos acontecimentos e é bem provável que nunca haverá uma conclusão definitiva. Em tempos em que um governo da extrema direita tenta camuflar as suas próprias corrupções através de um jornalismo parcial, além de fake news, naqueles tempos ditatoriais não era muito diferente, infelizmente.  "Hermenegildo" é dinâmico em sua proposta e que fará nascer diversos debates acalorados ao longo de sua história cinematográfica.  

NOTA: O média metragem foi exibido no último dia 18/06/19, as 19h30min, na Casa de Cultura Mario Quintana. Vale lembrar também que ele será exibido no próximo dia 27, em três sessões, na cidade de Santa Vitória do Palmar e no dia 28 terá sessões especiais  nas cidades de Rocha e La Paloma, Uruguai. Lembrando que,  tanto Daniela Sallet como os demais realizadores, pretendem lançar uma versão em longa metragem do documentário em breve. 

Leia também: Substantivo Feminino. 

Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: