Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: 'Compra-me Um Revólver' - O lado Verossímil de um Futuro Apocalítico.

Sinopse:O filme traz uma visão distópica de um México controlado inteiramente por cartéis, no qual as mulheres estão desaparecendo. Uma jovem usa uma máscara para esconder sua identidade e ajudar o pai a cuidar de um campo de beisebol frequentado pelos traficantes. 

Em tempos de um Brasil atual em que se vende a ideia, erroneamente, que liberar porte de armas para o povo irá conter a violência já existente, ao mesmo tempo se cria um pessimismo com relação ao nosso próprio futuro. Futuro esse, aliás, que é sempre retratado em filmes apocalípticos, mas cujas as últimas obras não estão muito distantes de nossa própria realidade. "Compra-me Um Revólver" pode ser uma ficção futurística, mas que assusta pelo seu teor realístico, com altas doses de pessimismo e que nos deixa mentalmente em frangalhos.   
Dirigido pelo mexicano  Julio Hernández Cordón, do filme "Atrás Há Relâmpagos"(2017), o filme conta a história de futuro próximo, onde a jovem Huck (Matilde Hernandez) usa uma máscara para conseguir esconder que é uma menina, pois as mulheres estão desaparecendo gradualmente em sua cidade. Huck ajuda o pai viciado a cuidar de um campo de beisebol abandonado, onde os traficantes se encontram para jogar. O pai tenta protegê-la dos perigos daquela realidade, mas é o grupo de garotos amigos o grande aliado da menina. Juntos, eles vão ter que lutar para superar as dificuldades da vida e derrotar a máfia local. 
Embora a trama se passe em um futuro, o filme está muito mais próximo da realidade vista em nosso dia a dia, principalmente em países como o México que luta contra a violência que sempre nasce devido ao tráfico de drogas. A história abre com letreiros para fazer com que a gente se localize naquele universo, mas, ao meu ver, isso soa como dispensável, pois o horror do realismo já dá conta de todo o recado. Na medida em que a trama avança, pouco importa onde ou quando a trama se passa, mas sim nos preocupamos mais com o bem-estar do pai e da filha.
Matilde Hernandez é a força matriz da obra, já que é através do seu olhar inocente que enxergamos uma realidade distorcida e da qual é somente movida pelo desejo de manter a sua sobrevivência. Uma vez que o horror dessa realidade toma conta do ambiente, enxergamos um olhar infantil transitando entre a loucura e a lucidez, mas jamais abandonando as suas motivações em manter a sua segurança e do seu pai. Se para nós, o clima mórbido da trama toma ares de filme de horror, para os jovens personagens vistos na tela isso se tornou algo banal, ao ponto de vermos uma criança desejar o seu braço decapitado de volta se tornar algo rotineiro para aqueles jovens personagens que convivem com uma insana violência que impregna em seu dia a dia.
"Compra-me Um Revólver" pode ser uma ficção, mas assusta pela sua realidade nua e crua e da qual pode estar muito mais próxima de nós do que a gente imagina.



Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: