Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 19 de março de 2018

Cine Especial: Narrativa Cinematográfica: Extra



 A Chegada

Nesse último final de semana ocorreu na Cinemateca Capitólio de Porto Alegre o curso Narrativa Cinematográfica, criado pelo Cine Um e ministrado pela pesquisadora e professora de história de cinema Fatimarlei Lunardelli. Em dois dias, Fatimarlei nos convidou para embarcarmos nas inúmeras maneiras de se contar uma história na tela do cinema e de como alguns títulos nos pegam desprevenidos na sua maneira de apresentá-las. Curiosamente, títulos clássicos, por exemplo, foram revisitados durante a aula e fazendo a gente se dar conta de como construtivos e a frente dos seus tempos eles foram com relação apresentação de suas respectivas  tramas.
Se títulos memoráveis como Cidadão Kane foram pioneiros na apresentação de sua narrativa, é preciso tirar o chapéu de filmes menores como, por exemplo, o filme noir A Dama do Lago, onde o protagonista se apresenta de uma forma que se quebra a quarta parede já no início da trama e para que logo em seguida a câmera se tornar o seu próprio olhar com relação aos eventos que nos são apresentados no decorrer da obra. Falando em câmera, não tem como deixar de nos esquecermos de títulos do mestre Alfred Hitchcock como Janela Indiscreta, em que a câmera do cineasta, por vezes, nos apresentava situações que nos colocava a frente do protagonista com relação aos eventos que nos eram apresentados. 
 Janela Indiscreta


Outro momento analisado durante atividade foi o fato de alguns títulos terem duas ou mais linhas narrativas num único longa metragem. Se Pulp Fiction foi lembrado de uma forma rápida, Amnésia, As Horas e os recentes A Chegada e Dunkirk foram analisados por nos pegarem desprevenidos em suas linhas narrativas e da maneira com que elas se cruzavam na reta final dos respectivos longas. Uma das alunas, por exemplo, reconheceu como o cineasta Denis Villeneuve foi criativo na adaptação do conto A Chegada para o cinema, já que no livro não há uma grande revelação em seu ato final, mas o cineasta difere esse problema na adaptação, ao colocar as linhas narrativas indo e voltando durante o decorrer da obra e fazendo com que ela nos faça montar um quebra cabeça e pensarmos e repensarmos sobre o que havíamos testemunhado. 
 Amnésia

Embora em tempos atuais, em que cada vez mais se desenvolve tramas das quais tentam nos surpreender, a narrativa clássica ainda é moldada e apresentada para os novos públicos. Fatimarlei destaca então Menina de Ouro, do veterano Clint Eastwood, em que a trama com o seu começo, meio e fim, da qual é apresentado de uma forma familiar, nos surpreende pela inserção de assuntos até mesmo espinhosos que perduram até hoje, mas com que fazem serem aceitos e gerar inúmeros momento de reflexão após o encerramento da sessão.
Novamente um curso criativo, do qual nos faz dar conta que, embora com mais de cem anos de vida, o cinema ainda nos surpreende na construção e apresentação de determinados filmes que são lançados anos após anos.
 Menina de Ouro
 

E que venha o curso sobre o cinema Russo.      

Leia mais sobre o meu especial Narrativa Cinematográfica clicando aqui.

Nenhum comentário: