Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Cine Dica: Mostra IMAGENS DA VERDADE - MEMÓRIA E RESISTÊNCIA NA AMÉRICA LATINA


11 a 16 de setembro de 2012
 Entrada Franca

Dia 11, às 19h - Debate sobre os períodos de resistência e redemocratização no Brasil, Chile e Argentina com UBIRATAN DE SOUZA,  FLÁVIO KOUTZII, RAUL ELWANGER e CARLOS ZANZI GONZÁLES.
Clássico brasileiro é um dos grandes destaques da mostra  

No ano em que o Brasil conseguiu finalmente instalar a sua Comissão da Verdade para investigar os casos de violação dos direitos humanos contra os cidadãos brasileiros durante o período da ditadura militar, o CineBancários em parceria com o Sul21 e o Comitê Carlos de Ré - Da Memória Verdade e Justiça traz sua contribuição ao tema com a mostra Imagens da Verdade - Memória e Resistência na América Latina.
 A mostra conta com o patrocínio do Banrisul, através do financiamento da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e com o apoio do Sintrajufe, Versátil Home Vídeo e Programadora Brasil .
 Ao longo de uma semana, serão mostrados seis títulos que colocam em cena regimes de exceção em três diferentes países da América Latina que estão entre os que mais sofreram com os desmandos da violência de Estado: Argentina, Brasil e Chile. Histórias tristemente comuns, recuperadas pelas lentes de grandes diretores, para que o passado não seja esquecido e a justiça possa enfim se fazer.

PROGRAMAÇÃO:

ARGENTINA

Crônica de uma Fuga (Crónica de una Fuga), de Adrián Caetano (Argentina, 2006, 103 minutos)
Buenos Aires, 1977. Agentes secretos trabalhando para a ditadura militar sequestram Claudio Tamburrini (Rodrigo de la Serna), goleiro de um time da segunda divisão, e o levam para uma casa abandonada, onde funciona uma prisão clandestina conhecida como Mansion Seré. Ali, Claudio enfrenta o inferno de interrogatórios e torturas, sem saber exatamente porque foi detido. Conversando com outros detentos ele descobre que foi delatado por um amigo, participante de um grupo da luta armada, que firmou um pacto para entregar pessoas não envolvidas e, assim, ganhar tempo para que os reais militantes pudessem escapar. Em uma noite de tempestade, Claudio e três outros prisioneiros tentam fugir. Um dos grandes filmes recentes sobre a ditadura militar na Argentina, dirigido pelo mesmo diretor dePizza, Birra y Faso.


O Dia em que Eu Não Nasci (Das Lied in Mir), de Florian Micoud Cossen (Argentina/Alemanha, 2010, 95 minutos)
Ao fazer uma escala em Buenos Aires, a alemã Maria se vê perturbada por uma canção de ninar cantada por uma jovem mulher. Ao contar o fato ao seu pai, descobre que passou os três primeiros anos de sua vida em Buenos Aires, em plena ditadura militar, e que foi adotada por ele. Diante disso, ela resolve sair em busca de seus verdadeiros pais para tentar entender um pouco de seu passado. Neste processo, descobre o quanto sua história pessoal está relacionada à sangrenta história recente da Argentina. Prêmio de melhor filme no Festival de Zurique.


BRASIL

Pra Frente, Brasil, de Roberto Farias (Brasil, 1982, 104 minutos)
Em 1970 o Brasil inteiro torce e vibra com a seleção de futebol no México, enquanto prisioneiros políticos são torturados nos porões da ditadura militar e inocentes são vítimas desta violência. Todos estes acontecimentos são vistos pela ótica de uma família quando um dos seus integrantes (Reginaldo Faria), um pacato trabalhador da classe média, é confundido com um ativista político e "desaparece". Um clássico do cinema brasileiro, Pra Frente, Brasil foi o primeiro filme nacional a enfrentar abertamente a questão da ditadura militar no país, contribuindo decisivamente para o processo de abertura política instaurado na segunda metade dos anos 80.


Nunca Fomos Tão Felizes, de Murilo Salles (Brasil, 1984, 90 minutos)
A história da relação de um filho com seu pai, um homem desconhecido e misterioso (Cláudio Marzo), que vive na clandestinidade em função de seu envolvimento com a guerrilha durante os anos da ditadura militar. Um filme em ritmo de thriller que mobiliza o espectador, esta adaptação do conto Alguma Coisa Urgentemente, do escritor gaúcho João Gilberto Noll é um marco do moderno cinema brasileiro.


CHILE

 A Batalha do Chile (La Batalla de Chile), de Patricio Guzmán (Cuba/Chile/França/Venezuela, 1975-1979, Parte 1, 100 minutos; Parte 2, 90 minutos; Parte 3, 82 minutos)
Considerado um dos melhores e mais completos documentários latino-americanos, A Batalha do Chile é o resultado de seis anos de trabalho do cineasta Patricio Guzmán. Dividido em três partes (A Insurreição da Burguesia, O Golpe Militar e O Poder Popular), o filme cobre um dos períodos mais turbulentos da história do Chile, a partir dos esforços do presidente Salvador Allende em implantar um regime socialista (valendo-se da estrutura democrática) até as brutais consequências do golpe de estado que, em 1974, instaurou a ditadura do general Augusto Pinochet no país.


A Casa dos Espíritos (The House of the Spirits), de Bille August (Portugal/Alemanha/Dinamarca/Estados Unidos, 1993, 145 minutos)
A história do Chile da década de 20 aos anos 70 é contada através da saga da família Trueba, que começa com a união de um homem simples, que fica rico, com uma jovem de poderes paranormais. A saga se desenvolve até esta família ser atingida pelo golpe militar que no início da década de 70 derrubou o presidente Salvador Allende. Superprodução, com elenco estelar (Meryl Streep, Glenn Close, Jeremy Irons, Antonio Banderas, Vanessa Redgrave, Winona Ryder), que adapta para o cinema o best seller da escritora chilena Isabel Allende.

 GRADE DE HORÁRIOS

11 de setembro (terça-feira)
15h – Nunca Fomos Tão Felizes
17h – A Casa dos Espíritos
19h – Debate sobre os períodos de resistência e redemocratização no Brasil, Chile e Argentina com UBIRATAN DE SOUZA,  FLÁVIO KOUTZII, RAUL ELWANGER e CARLOS ZANZI GONZÁLES.

12 de setembro (quarta-feira)
15h – A Batalha do Chile – Parte 2
17h – A Batalha do Chile – Parte 3
19h – Pra Frente, Brasil

13 de setembro (quinta-feira)
15h – O Dia em que Eu Não Nasci
17h – A Batalha do Chile – Parte 1
19h – Crônica de uma Fuga

14 de setembro (sexta-feira)
15h – Crônica de uma Fuga
17h – A Casa dos Espíritos
19h – Nunca Fomos Tão Felizes

15 de setembro (sábado)
15h – A Batalha do Chile – Parte 2
17h – A Batalha do Chile – Parte 3
19h – O Dia em que Eu Não Nasci

16 de setembro (domingo)
15h – Crônica de uma Fuga
17h – Nunca Fomos Tão Felizes
19h – Pra Frente, Brasil

Fonte: CineBancários.


   Me  Sigam no Facebook e Twitter

2 comentários:

renatocinema disse...

PARABÉNS PELA DIVULGAÇÃO.

ASSISTI APENAS PRA FRENTE BRASIL, ANOS ATRÁS.

E ADOREI.

Bússola do Terror disse...

Pra Frente Brasil é uma tragédia brasileira, né? E o pior é que não tem nada de fantasioso nem de impossível na história.