Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de março de 2017

Cine Dica: Era o Hotel Cambridge ganha Sessão de Lançamento no CineBancários

Com direção de Eliane Caffé, Era o Hotel Cambridge entra em cartaz no CineBancários no dia 30 de março, com uma Sessão de Lançamento às 19h30. Após a exibição do filme será realizado um debate que contará com a presença do ator Jose Dumont e Carmen Silva (Frente de Luta por Moradia). O longa narra a trajetória de refugiados recém-chegados ao Brasil que, juntos com trabalhadores sem-teto, ocupam um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Em meio à tensão diária da ameaça do despejo, revelam-se dramas, situações cômicas e diferentes visões de mundo. Desde a sua apresentação no Festival do Rio, em setembro/outubro passados, Hotel Cambridge vem tendo expressiva participação em eventos de cinema no País e no exterior.
A distribuição de senhas será realizada a partir das 19h e a entrada é franca.

O filme ficará em cartaz nas sessões das 15h e 19h. Os ingressos podem ser adquiridos no local ou no site ingressos.com a R$10,00. Estudantes, idosos, pessoas com deficiência, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$5,00. Aceitamos os cartões Vale Cultura do Banrisul, Banricompras, Visa e Mastercard.

FICÇÃO

Era o Hotel Cambridge aborda a questão do movimento de refugiados/imigrante em conexão com a luta de trabalhadores sem-teto que disputam uma moradia digna nascidades do mundo inteiro. O filme é um hibrido de ficção e documental no qual participam atores e personagens reais de uma ocupação no centro de São Paulo. O convívio entre línguas, mundos e culturas diferentes transforma a narrativa em uma rica polifonia de situações tragicômicas. As janelas do edifício se abrem para outros mundos através da web, quando os refugiados se conectam com seus familiares e países de origem deixados para trás.

A preparação do projeto levou dois anos e foi gerido por um coletivo que permitiu transformar todo o edifício (que é zona de conflito real) no set criativo da filmagem. Esse coletivo foi composto por quatro frentes principais: equipe de produção do filme; lideranças da FLM (Frente de Luta pela Moradia); grupo dos refugiados e núcleo de estudantes de arquitetura da Escola da Cidade. Por meio oficinas dentro da ocupação surgiu a matéria prima para o aprimoramento do roteiro e da direção de arte. A ousadia do experimento garantiu autenticidade e força dramática ao filme.

MOVIMENTO

A FLM (Frente de Luta pela Moradia) acolheu e orientou a produção do filme Era o Hotel Cambridge. Constituída por indivíduos com extração nas camadas mais vulneráveis da população, a Frente de Luta pela Moradia tem entre suas principais lideranças mulheres pobres, negras, trabalhadoras e chefes de família, que veem na organização a esperança em dias melhores para si e seus filhos. Carmen Silva Ferreira, atriz do filme, é uma dessas novas lideranças na cidade de São Paulo. Baiana, vítima de violência doméstica, oito filhos, imigrante, ela mesma foi uma sem-teto. Na luta pela reforma urbana, constituiu vários oásis de solidariedade e respeito em São Paulo, uma cidade acostumada a excluir os mais pobres, os mais fracos, os diferentes. Assim são os prédios hoje ocupados pelos sem-teto organizados na FLM.
Antes imóveis mortos (mortos pela especulação imobiliária, diga-se), esqueletos de concreto e ferro inúteis na paisagem urbana, focos da criminalidade, da doença e do desespero, esses edifícios transformaram-se em generosa experiência coletiva de acolhimento sem discriminação.
O convívio respeitoso que vemos entre os moradores, a proteção às crianças, aos idosos, aos deficientes, o cuidado com seu futuro, para não falar da limpeza esmerada das áreas comuns, tudo isso reforça em nós a idéia de que, ali, entre os pobres, encontra-se uma nova forma de vida e de luta social –mais feminina, mais gentil, mais solidária.
São Paulo merece o amor e a dignidade humana que vemos prevalecer no trato entre os moradores desses imóveis onde quem fala mais alto é a voz da esperança em uma cidade mais justa e gentil. É disso, estamos certos, que o Brasil e o mundo precisam.

OS REFUGIADOS

O filme Era o Hotel Cambridge representa o universo do refugio em sua dimensão humana, intimista e diferente dos preconceitos com os quais ele é percebido pelo imaginário dominante. A trama os situa em pé de igualdade com brasileiros que também vivem em situações limites. A presença deles transforma profundamente a geografia restrita do edifício, pois trazem consigo fortes referências sensoriais, afetivas, ideológicas e linguísticas. No interior da ocupação o convívio entre línguas, mundos e culturas diferentes exibe um rico território de situações tragicômicas. Espaços reais e virtuais se mesclam na ficção para uma experiência com a narrativa cinematográfica cuja importância é aproximar o espectador da figura do refugiado.

ARQUITETURA, EDUCAÇÃO E CINEMA

O que definiu a ambiência do filme não foi somente a série de demandas do roteiro, mas também as demandas dessa comunidade que temporariamente habita o edifício Cambridge. A diretora de arte, Carla Caffé, juntamente com professores e estudantes de arquitetura da Escola da Cidade, trabalhou os cenários para que terminadas as filmagens, com a da saída da equipe do filme, os espaços permanecem equipados para promover o encontro, para empoderar a comunidade. Essa experiência possibilitou não somente a extensão da educação para fora de seus padrões tradicionais de ensino, como também ampliou o diálogo entre arquitetura e cinema.

SOBRE A DIRETORA

Seu primeiro longa metragem Kenoma (1998) alcançou reconhecimento internacional e foi exibido em diversos festivais pelo mundo. Seus filmes seguintes Narradores de Javé (2002) e O Sol do Meio Dia (2009) seguiram o mesmo caminho. Na televisão, Eliane dirigiu minisséries e documentários com um viés experimental, além de trabalhar na coordenação de coletivos audiovisuais em zonas de conflito no interior do Brasil.

AURORA FILMES

É uma produtora audiovisual que desenvolve projetos para o cinema e televisão no Brasil e no exterior. Foi fundada em 2006 pelos produtores Rui Pires e André Montenegro, que possuem em seus currículos mais de 40 obras entre longas-metragens e séries. A Aurora Filmes produziu a série A Grande Viagem e os longas-metragens Tudo por Amor ao Cinema, Entre Vales, Estamos Juntos, Reflexões de um Liqüidificador e A Via Láctea. Atualmente a produtora finaliza os filmes Era o Hotel Cambridge e A Comédia Divina.

TU VAIS VOIR

Fundada em 2001 é uma produtora francesa que produz filmes nacionais e de coproduções internacionais. Um de seus maiores sucessos é o filme Diários de Motocicleta, de Walter Salles. A produtora possui sólidos vínculos com coprodutores de diversos países europeus, assim como na América Latina e Israel.

FICHA TÉCNICA

2016 / Brasil / Drama / 90 min
Direção: Eliane Caffé
Produção: Aurora Filmes
Coprodução: Tu Vas Voir
Distribuição: Vitrine Filmes


GRADE DE HORÁRIOS

30 de março (quinta-feira)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h30 – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

31 de março (sexta-feira)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

01 de abril (sábado)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

02 de abril (domingo)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

04 de abril (terça-feira)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

05 de abril (quarta-feira)
15h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
17h – Sessão Vitrine: O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues
19h – Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

Nenhum comentário: