Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de março de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Era o Hotel Cambridge



Sinopse: Refugiados recém-chegados ao Brasil dividem com um grupo de sem-tetos um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas.

Cada vez mais percebo que os cineastas brasileiros pegaram gosto pelo cinema que transita entre o documentário e ficção. Filmes como Fome, por exemplos, são vindos de um cinema experimental, do qual se extrai dele uma analise mais límpida e crua de nossa realidade e sem a maquiagem plástica que, por vezes, empalidece outros títulos brasileiros que tentam vender uma visão não oficial do Brasil do qual vivemos. No filme Era o Hotel Cambridge, a ficção e documentário se misturam e formando um mosaico que sintetiza tudo que há de bom e ruim em nosso país nesse momento.
Dirigido pela cineasta Eliane Caffé (Narradores de Javé) a trama retrata o dia a dia do movimento FLM (Frente de Luta pela Moradia) que ajuda abrigar um grupo sem teto e refugiados de outros países num velho edifício abandonado. Além de assistirmos o dia a dia de alguns personagens que moram na ocupação, acompanhamos também a aflição de muitos, pois eles receberam a noticia que precisam se retirar do local por ordem do governo. Segue então a união e luta dessas pessoas perante o inevitável e tentando de todas as formas não cederem perante a opressão.
Uma vez apresentado o cenário dos eventos que irão acontecer no decorrer do filme, a câmera de Caffé segue andando pelos corredores do prédio, como uma espécie de registro documental e para então termos a chance de fazermos uma analise sobre o que acontece nessa ocupação. Uma vez que os moradores reais dividem espaço com atores em cena, se apresenta então inúmeras subtramas, mas das quais cada um passa uma verossimilhança convidativa e da qual a gente se identifica com ela, mesmo para aqueles que nunca tenham passado numa situação parecida. Nada é forçado, mas sim convidativo, como se a câmera de Caffé fosse os nossos olhos, para então adentrarmos todos juntos nesse mundo pouco explorado pelos principais meios de comunicação.
No elenco, José Dumont, Suely Franco e Paulo Américo estão ótimos em seus respectivos papeis, bem como os amadores saídos de oficinas com moradores, bem como Carmem Lucia, líder do MSTC, sendo ela mesma na trama. Aliás, Lucia é que realmente rouba a cena do filme, pois ela é a principal voz da daquela comunidade, da qual necessita de uma força para seguirem em frente e não desistir perante os obstáculos que virão a seguir. É de se impressionar, por exemplo, a cena em que ela conduz inúmeros moradores para o prédio antes da policia chegar, sendo uma sequência da qual ficamos nos perguntando se ela é fictícia ou verídica, já que não é muito diferente do que ela já enfrentou em sua cruzada em defesa dessas pessoas.
E como se isso já não bastasse, o ato final nos reserva pura tensão, já que ele começa com um determinado personagem principal lendo os comentários intolerantes pela internet contra as ocupações, para logo depois testemunharmos a policia de São Paulo armada até os dentes e indo de encontro contra os moradores. O filme não poupa críticas contra o sistema, do qual cada vez mais se vende ao mundo capitalista e fazendo do socialista uma espécie de inimigo número do estado para ser abatido.  Devido a isso, temos cenas aterradoras de policiais disparando bombas de gás contra pessoas desarmadas e correndo com as suas crianças de colo para não serem feridas.
Essa sequência é desde já o ápice do filme, já que ela é uma síntese da imagem da força policial opressora, da qual é comandada pelo estado da direita atual inconsequente e que não mede esforços para colocar pessoas necessitadas para debaixo do tapete. Uma cena corriqueira, da qual vivemos assistindo nos principais meios de comunicação, mas nunca testemunhamos o desespero daqueles que se sentem acuados e não sabem o que fazer quando percebem que estão lhe tirando o direito de viver abaixo de um teto. A cena da qual mostra pessoas correndo de andar e andar para fugir das bombas de gás, ou até mesmo das balas de borracha, é momentos do qual não deve nada se for comparado qualquer mero filme de ficção catástrofe.
Com cenas finais esperançosas, das quais mostram as bandeiras do movimento FLM nos inúmeros prédios ocupados na cidade de São Paulo, Era o Hotel Cambridge é um filme sobre a resistência  do Brasil de hoje, da qual não merece ser calada, mas sim ouvida e  refletida.  




Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: