Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Cine Dica: Em Cartaz: Era Uma Vez em Nova York


Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.


Embora não muito conhecido pelo publico geral, James Gray é um dos poucos casos do cinema da Hollywood atual que não se entrega facilmente em fazer filmes para massa, mas sim vai por um lado mais autoral. De Donos da Noite para Amantes, Gray já demonstrava total preocupação, não somente para contar uma boa historia como também criar algo plasticamente belo. Era Uma Vez em Nova York é mais ou menos isso: edição de arte e fotografia (me lembrando de O Poderoso Chefão 2) bem requintada, aliada por uma trama envolvente.
O épico de Gray conta a história do imigrante em busca do sonho americano, mas que no fim se depara com a realidade crua, para não dizer um pesadelo. Para tanto, conta com uma Marion Cotillard (Ferrugem e Osso) que nos convence do inicio ao fim que é uma polonesa e ao mesmo tempo passando um desespero contido e dando lugar para uma força e fé que a faz ir em frente. Porém, quem brilha realmente é Joaquin Phoenix (A Vila), como o cafetão que se apaixona por ela, mas que ao mesmo tempo a usa para obter certo lucro. Seus momentos em que o seu personagem age de uma forma imprevisível em muitos momentos da trama são de longe os melhores momentos do filme.
Para completar temos Emil, interpretado por Jeremy Renner (Vingadores), um mágico ilusionista de personalidade gentil, que passa certa esperança para a protagonista e ao lado de Bruno, parece representar os dois lado da mesma moeda com relação ao que Ewa busca. Um representa a dura realidade de um imigrante, que precisa comer o pão que o diabo amassou para sobreviver, enquanto Emil representa a esperança vinda do horizonte e o desejo principal de Ewa de ser feliz. O filme resume o fato de uma realidade crua de uma cidade que se diz o lugar das oportunidades, mas que prevalece o seu lado decadente, onde as pessoas não são boas e nem más, mas que por vezes colocam pra fora o pior do seu ser ao tentar sobreviver.
A já citada fotografia é algo que nos encanta, com tons pastel, que por vezes sintetizam uma época plasticamente dourada e nos brinda com cenas que mais parecem pinturas. Há planos fechados e esta combinação força a ideia de claustrofobia vivida pelos personagens, e talvez este seja o intuito. Ao fim, depois de tantas cenas em ruas fechadas, pouca natureza e bastante prédio, ver o mar é algo que nos faz respirar, nos dá fôlego. O último plano em especial é muito bonito e representa muito bem isso.
Com uma belíssima reconstituição de época digna de indicação ao Oscar, Era Uma Vez Em Nova York faz jus ao titulo em português, pois os sonhos podem até não se realizar no lugar que se dizia o caminho da prosperidade, mas isso não significa que os personagens não devam mais seguir em frente com os seus objetivos e ideais que acredita em seu intimo.   



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: