Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 65 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 24 de março de 2017

Cine Dicas: Estréias do final de semana (24/03/17)



 Fragmentado
Sinopse:O psicopata Kevin (James McAvoy) tem nada menos que 23 personalidades. Um dia, ele sequestra três garotas. No cativeiro, Kevin começa a atormentá-las com seu comportamento instável. Para o terror das jovens, a pior dessas personalidades, conhecida como The Beast, ganha vida.

 
Imprevistos de uma Noite em Paris

Sinopse:Um produtor de teatro está em apuros com a peça A Mulher e o Macaco, que está prestes a estrear. Está tudo dando errado e durante uma noite ele precisa correr contra o tempo para arranjar dinheiro para pagar o salário atrasado da equipe e ainda encontrar um macaco de verdade para participar da peça.
 
Paro quando quero

Sinopse: Um grupo de investigadores universitários desempregados decide produzir e comercializar a melhor smart drug do mercado, transformando-se na gangue traficante mais improvável da cidade.Pietro recruta no seu grupo todos os seus amigos desempregados: excelentes acadêmicos, latinistas, antropólogos etc. O objetivo é fazer dinheiro e restituir a cada um deles um mínimo de dignidade. Mas as coisas começam a tomar um outro rumo.
 
Power Rangers

Sinopse: Cinco estudantes encontram moedas numa caverna que lhe deixam cada um de uma cor. Não demora muito para descobrirem que adquiriram superpoderes, se transformando em Power Rangers, uma legião de guerreiros. Agora, os jovens precisam unir suas forças para enfrentar a temida Rita Repulsa (Elizabeth Banks).

T2 Trainspotting
Sinopse: Renton (Ewan McGregor) era apenas um jovem tentando deixar o vício em heroína para trás. Vinte anos depois, ele se torna dono de uma boate em Amsterdã. Já seus amigos Sick Boy (Jonny Lee Miller) , Begbie (Robert Carlyle) e Spud (Ewen Bremner) não andam com tanta sorte assim e o mundo do crime os tenta cada vez mais.

Travessia
 
Sinopse:Desentendimentos levaram Roberto (Chico Diaz) a se distanciar de seu filho único, Júlio (Caio Castro), que tem em Marina (Camila Camargo) o seu grande apoio. Todos buscam novos caminhos, movidos por seus desejos, mas Júlio sofre profundamente o falecimento da mulher. Um acidente inusitado que se abate sobre Júlio pode fazer com que eles se unam novamente. Mas será que estão preparados para esse reencontro?



Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Cine Dica: Curso Trilogia Godfather

Curso
INSCRIÇÕES ABERTAS



Apresentação

No final dos anos 1960, a efervescência cultural e social da América provocou mudanças nos temas, na forma de produção e nas próprias influências sofridas pelos filmes produzidos nos cinema norte-americano, no que foi o início da chamada Nova Hollywood. Um dos filmes mais celebrados desse período, tanto pelos resultados criativos como pelo impacto social e cultural obtido foi O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972) baseado no best-seller de Mario Puzo, que marcou a história do cinema e constituiu-se ao longo dos 18 anos seguintes, em uma trilogia.

De uma obra inicialmente destinada a se tornar um mero produto de segunda classe, a adaptação encontrou, no jovem Francis Ford Coppola, um surpreendente artista disposto defender suas ideias a ponto de transformar uma adaptação problemática em um filme referencial. Coppola manteve a base da história de Puzo, mas ampliou um livro problemático, usando de recursos da linguagem cinematográfica, até torná-lo a epítome dos filmes de gângster e, talvez, do próprio cinema norte-americano contemporâneo.
Sempre lembrado pelos fãs por cenas emblemáticas, frases absorvidas pela cultura popular e histórias de bastidores, os três filmes também dividem opiniões na busca pelo "ponto alto" da trilogia. Um mergulho que vá além dos elementos já conhecidos e discutidos normalmente relacionados à pré-produção e filmagens vai revelar que os três filmes na verdade devem ser compreendidos como uma só obra. Assim, identificamos seu grande tema de fundo e a forma como os elementos da linguagem cinematográfica podem ser compreendidos, através da análise fílmica, para ampliar a compreensão da trilogia como um todo.


Objetivos

O Curso Trilogia Godfather – Tradição, Família & Poder, ministrado por Fábio Rockenbachvai oferecer uma visão baseada na Análise Fílmica da trilogia O Poderoso Chefão, estabelecendo como recursos da linguagem audiovisual determinam a compreensão dos três filmes e suas relações, a partir do olhar sobre elementos da mise-en-scène, das propriedades discursivas da câmera, da montagem e de paralelos narrativos estabelecidos ao longo dos filmes.

A partir da análise de diferentes códigos fílmicos e não-fílmicos, o curso analisará a construção narrativa, os paralelos estabelecidos ao longo da trilogia, as alegorias construídas a partir do cenário, do figurino, dos arcos dramáticos, da trilha e dos principais temas em torno dos quais se constrói a tragédia de Michael Corleone e da mais conhecida família mafiosa da cultura popular.


Público alvo
Esta atividade se destina a qualquer interessado.
Não é necessário nenhum pré-requisito de formação e/ou atuação profissional.


Conteúdos

Aula 1

- Preparando o olhar
a) Introdução sobre elementos discursivos e códigos audiovisuais;
b)As propriedades de discurso da câmera, encenação, mise-en-scéne, som e a importância de sua compreensão para a interpretação e o sentido do filme através da análise fílmica.

- O Poderoso Chefão
a) Do livro para as telas: o impacto do filme na cultura popular e a importância de Coppola para a transposição;
b) Adaptar para o cinema, mais do que transpor: livro x filme;
c) A compreensão da série como um só filme - uma visão em construção.

- Estrutura narrativa dos três filmes

- Trama e sub-trama
a) A rotina de uma família mafiosa siciliana vista de dentro;
b) A tragédia de Michael e a eterna comparação com o pai;
c) Paralelos narrativos estabelecendo o tema principal.

Aula 2

- A religião e seu papel na tragédia de Michael Corleone

- O papel feminino na trama

- Montagem linear e paralela construindo significados

- Rimas visuais

- Análise de cenas
a) A terra da liberdade;
b) Composição e hierarquia;
c) Identificação;
d) Enquadramento e discurso;
e) Alegoria, citação e discurso visual;
f) O som como discurso.


Ministrante: Fábio Rockenbach
Jornalista, e especialista em Cinema e Linguagem Audiovisual e mestre em recepção literária. Foi editor cultural do grupo Diário da Manhã (Passo Fundo) de 2007 a 2010. Professor da Faculdade de Artes e Comunicação da UPF (Universidade de Passo Fundo), nos cursos de Jornalismo, Publicidade e Artes Visuais, onde leciona a cadeira de Estilo e Processos Cinematográficos. É coordenador do projeto de extensão Ponto de Cinema, fundador e coordenador do Núcleo de Estudos em Cinema da mesma universidade e analista audiovisual na Revista Moviement. Coautor do livro "Poder e Sociedade no Castelo de Cartas" em que analisa o uso de recursos da linguagem audiovisual na série House of Cards, da Netflix.

Curso
Trilogia Godfather: Tradição, Família & Poder
de Fábio Rockenbach

Datas: 08 e 09 / Abril (sábado e domingo)

Horário: 14h às 17h

Duração: 2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local: Cinemateca Capitólio
(Rua Demétrio Ribeiro 1085 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)

InvestimentoR$ 85,00
* À Vista (p/depósito bancário): R$ 80,00 (desc. 6%)

Formas de pagamento: Depósito bancário / Cartão de Crédito (PagSeguro)

Material: Certificado de participação e Apostila (arquivo em PDF)

Inscrições

Informações
cineum@cineum.com.br / Fone: (51) 99320-2714

Realização
Cine UM Produtora Cultural

Patrocínio
Editora Intrínseca
Back in Black
Cine Victória
B&B Games

Apoio
Cinemateca Capitólio

quinta-feira, 23 de março de 2017

Cine Especial: Literatura Policial no Cinema: FINAL

Nos dias 25 e 26 de março eu estarei participando do curso Literatura Policial no Cinema, criado pelo Cine Um e ministrado pelo crítico de cinema César Almeida. Enquanto atividade não chega, por aqui eu irei fazer uma pequena investigação sobre os principais clássicos envolvidos nesse gênero cinematográfico. 

 

Os Infiltrados (2006)



Sinopse: A polícia trava uma verdadeira guerra contra o crime organizado em Boston. Billy Costigan (Leonardo DiCaprio), um jovem policial, recebe a missão de se infiltrar na máfia, mais especificamente no grupo comandado por Frank Costello (Jack Nicholson). Aos poucos Billy conquista sua confiança, ao mesmo tempo em que Colin Sullivan (Matt Damon), um criminoso que foi infiltrado na polícia como informante de Costello, também ascende dentro da corporação. Tanto Billy quanto Colin sentem-se aflitos devido à vida dupla que levam, tendo a obrigação de sempre obter informações. Porém quando a máfia e a polícia descobrem que entre eles há um espião, a vida de ambos passa a correr perigo.


Na primeira vez que vi Os Infiltrados (numa sessão inesquecível), fiquei me perguntando por que o cineasta não trabalhou antes com Jack Nicholson, pois o seu personagem Costellho está entre os melhores desempenhos da carreira do ator. Claro que muitos vão dizer que ele já fez personagens melhores (como em Um Estranho no Ninho), ou até alguns dizendo que, Jack Nicholson sempre faz um personagem parecido, se comparados as suas atuações anteriores. Mas não há como negar que, sempre quando ele surge em cena, ele domina a tela, graças ao seu tom sarcástico e psicótico.
A produção em si, é um dos melhores jogos de gato e rato do cinema recente, onde ninguém é confiável. Sendo assim, tanto o personagem de Dicaprio (policial infiltrado na gangue), como de Matt Damon (informante de Costello, infiltrado na policia), passam para o espectador todo o peso que sentem devido ao seu serviço, onde a cada momento, podem levar um tiro na cabeça (literalmente). O filme também é lembrado pelo ótimo desempenho de praticamente todos do elenco, como no caso Mark Wahlberg (indicado ao Oscar) e Martin Sheen, que exercem momentos fundamentais e peças chaves durante a trama. O ato final reserva momentos imprevisíveis para história, em que deixa o espectador de queixo caído, principalmente para aquele pouco familiarizado ao cinema de Scorsese, mas isso foi essencial, para o sucesso do filme e pela (finalmente) consagração do cineasta no Oscar, onde produção levou os prêmios  de melhor filme e melhor diretor.   


 

DRIVE (2012)



Sinopse: Ryan Gosling interpreta neste filme um piloto profissional que trabalha em cenas de perseguição de carros em Hollywood. Além disso, ele usa sua habilidade e precisão no volante como motorista em assaltos. Dentro do seu mundo solitário ele conhece Irene (Carrey Mulligan), cujo marido sairá da prisão em poucos dias. Disposto a ajudar essa família a pagar uma antiga dívida, ele se dividirá entre usar todas as suas habilidades para salva-lá ou embarcar em uma fulminante paixão.


De novo, a trama de Drive não tem nada, mas a forma que o diretor Colas Winding Refn (Guerreiro Silencioso) dirige, faz com que a história nos soe fresca e contagiante. Há claros elementos que nos lembram outros filmes como Taxi Drive, Carga Explosiva e até mesmo Os Brutos também amam. Porém, Winding faz a diferença ao usar câmera para capturar a cada momento os sentimentos dos seus personagens, sendo que consegue puxar para fora todo o peso que os personagens carregam durante a história, em especial do motorista. Ryan Gosling (Namorados para Sempre) faz aqui o personagem da sua vida, onde ele passa uma carga de sentimentos múltiplos na tela, onde por vezes, só temos uma idéia exata de quais suas intenções, quando conhece Irene (Carrey Mulligan). A partir daí, sabemos que o personagem busca um pouco de paz consigo mesmo, para então. quem sabe, possa se livrar de certos serviços que usa com o seu carro.
Mas a partir do momento em que o marido de Irene surge, já temos um palco armado para a queda de cada um dos personagens no decorrer do filme. Para não soar familiar (embora aconteça realmente) Winding Refn faz de cada sequência crucial, um momento em que a imagem (com uma bela câmera lenta) se misture com os sentimentos que rola na cabeça dos personagens, em especial do motorista. Momentos, como a famosa cena do elevador, ou quando o protagonista usa uma mascara para ir à caça de um determinado personagem, são momentos em que uma direção segura e a competência do elenco fazem a diferença. É interessante também como o diretor foca determinados detalhes que, embora banais para uns, possam ser uma pista do que está por vir, como o desenho de um escorpião na jaqueta do motorista, sendo que ela representa toda a ambiguidade do personagem.

Saído consagrado em Cannes (como o premio de melhor direção) e com uma trilha sonora que crava na mente de quem assiste, Drive é um daqueles casos raros do cinema atual, onde todas as peças estão lugar, para então funcionar de forma redondinha e ser aceito positivamente ao longo do tempo de sua exibição. Pode ter sido esnobado no Oscar, mas ganhou o premio principal, que é o reconhecimento gradual ao longo do tempo, mesmo num espaço tão curto de tempo.


Inscrições para o curso você clique aqui.
 
Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Cine Dica: Em Cartaz: A Bela e a Fera (2017)



Sinopse: Bela (Emma Watson) vive num vilarejo com o pai, que é capturado pela Fera. Desesperada, a jovem se oferece para ser prisioneira da Fera no lugar do pai, que teve um mal-entendido com o ser horrendo. Bela se isola, mas aos poucos vai percebendo que por trás da assustadora criatura há alguém de coração e alma de príncipe.
A primeira versão do conto de fadas A Bela e a Fera (1991) lançado pela Disney foi um sucesso arrebatador, tanto que arrecadou mais de R$ 100 milhões (um recorde para uma animação naquele tempo) e conseguindo o feito de se tornar o primeiro longa metragem de animação a concorrer ao Oscar de melhor filme. O sucesso foi tão gigantesco, que a Disney acabou levando o conto para ser apresentado na Broadway e fazendo da história um enorme sucesso também nos palcos. Agora, 26 anos depois, esse mundialmente conhecido conto de fadas retorna em uma nova versão com atores, onde claramente se vê, tanto elementos da clássica animação, como também no que deu certo na peça da Broadway e nascendo então um verdadeiro espetáculo para os olhos.
A história é mesma da qual todos nós conhecemos: jovem camponesa chamada Bela (Emma Watson) é a mais bela e inteligente do vilarejo onde mora, mas pouco compreendida por aqueles que não conseguem entende-la. Após o seu pai (Kevin Kline) se perder na floresta, ele acaba se refugiando em um grande castelo encantado, mas se tornando rapidamente prisioneiro de uma criatura horrenda que auto se intitula a Fera (Dan Stevens). Bela acaba salvando o seu pai, mas tendo que ficar no lugar dele e se tornando prisioneira do castelo. Gradualmente, tanto a Fera como a Bela, começam a criar um relacionamento e do qual mudará a vida de ambos para sempre 
Para os fãs do longa animado, o filme é bastante fiel ao clássico, pois a produção praticamente possui as mesmas passagens da história da qual todos nós conhecemos. Contudo, se percebe que há sempre um acréscimo dentro da história aqui e ali, mas não para que a trama seja estendida, mas sim para que os personagens sejam mais aprofundados se for comparados as suas versões anteriores.  O início do filme, por exemplo, dá mais detalhes sobre a origem da Fera, do por que ele ter sido tão egoísta quando jovem e Bela ganha uma mãe cujo seu desaparecimento é revelado numa passagem até então inédita para o conto.
Mas se por um lado as passagens são fieis e melhoradas para essa nova versão, por outro, o elenco responsável para dar vida aos personagens fica um pouco devendo. Por mais que Emma Watson se esforce como Bela, por exemplo, me dá a impressão que, quando ela se apresenta na trama cantando, ela está meio nervosa, não se soltando e atrapalhando assim a sua apresentação no início do filme. Porém, seu desempenho melhora um pouco no decorrer do filme, principalmente quando começa a contracenar com a Fera e nos convencendo que a jovem pode sim se apaixonar pela criatura.
Contudo, a imagem da Fera em si é um tanto que desapontadora, pois mesmo com os efeitos visuais de ponta atualmente, os criadores não conseguiram criar uma expressividade genuína para o personagem e se tornando inferior se comparada com a animação. O mesmo vale para os personagens que são objetos vivos dentro do castelo que, ao invés de possuírem expressões quase humanas, elas simplesmente quase não são vistas quando eles se apresentam em cena e somente a gente repara que o bule de chá tem lábios e olhos, por exemplo, quando a câmera a foca mais de perto. Isso acaba sendo ainda mais desapontador quando nos damos conta que os personagens ganharam vozes de pessoas talentosas (como de Ewan McGregor e Emma Thompson), cujo seus talentos acabam sendo um tanto que desperdiçados e que poderiam ser facilmente substituídos por outros sem que a gente percebesse.
Felizmente a ala dos vilões compensa a falta de melhores interpretações do longa metragem, já que  Luke Evans e Josh Gad dão um show em cena e se tornando até mesmo melhores que as suas contra partes da animação. Evans, por exemplo, nos assombra com tamanha semelhança que possui com o divertido e famigerado Gaston e fazendo que tenhamos tanto repulsa como também desejo que o seu personagem surja cada vez mais na trama. Mas a surpresa mesmo fica por conta Josh Gad como personagem LeFou que, se na versão animada o seu personagem era apenas bobo e puxa saco de Gaston, aqui ele ganha mais profundidade graças ao talento do ator e fazendo do momento musical da taverna se tornar um dos momentos mais divertidos do longa.
Aliás, os números musicais do filme é que dá alma a produção e fazendo a gente se esquecer das falhas que eu citei acima. Com uma bela fotografia e edição de arte caprichada, os números musicais são praticamente os mesmos que nós já conhecemos pelo longa metragem original, mas moldados de uma forma tão rica e cheia de detalhes, que nos passa a sensação de que estamos presenciando esses momentos pela primeira vez e enchendo os nossos olhos de luzes e cores acalorados. A famosa cena da valsa protagonizada pelo casal central, por exemplo, é sem sombra de dúvida um dos momentos técnicos mais belos vistos nesse ano.
Embora com os seus defeitos, A Bela e a Fera de 2017 é um belo filme para ser visto e revisto por pessoas de todas as idades e fazer a gente mergulhar num universo cheio de detalhes. 




Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram