Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 64 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: LION / A Tartaruga Vermelha



Lion - Uma Jornada para Casa



Sinopse: O menino indiano Saroo Munshi se perdeu da família aos 5 anos e passa a viver nas ruas de Calcutá, na Índia. Preocupada com a situação da criança, uma australiana (Nicole Kidman) decide adotá-lo. Os anos passam e quando Saroo (Dev Patel) está prestes a entrar na universidade, ele decide ir atrás de sua família biológica usando o Google Earth.

Baseado em autobiografia de Saroo Brierley, o filme conta sua história a partir de momentos antes do grande e angustiante ponto de virada do jovem protagonista, quando ele se perde de seu venerado irmão mais velho Guddu (Abhishek Bharate) em uma estação de trem e não consegue mais voltar para casa. Há ecos de Quem Quer Ser um Milionário? aqui, sem dúvidas, mas somente porque Dev Patel é a estrela dos dois e porque ambos lidam com crianças desfavorecidas na Índia. Mas as semelhanças param aí, já que a pegada do roteiro de Luke Davies (Life – Um Retrato de James Dean) é menos fabulesca e esperançosa neste primeiro terço da fita. A câmera de Davis faz bom uso do trabalho do roteirista ao funcionar como um olhar verdadeiro sobre as mazelas das milhares de crianças que todos os anos se separam dos pais por lá, lidando ao mesmo tempo com a impressionante diversidade cultural e lingüística desse multifacetado país e, claro, a maldade e a bondade humanas, com o jovem e simpaticíssimo Sunny Pawar cativando corações com seu misto de inocência e inteligência que já revela, em sua tenra idade, o potencial de um grande ator.
Algumas cenas são comoventes e exploram com muita eficiência toda a emoção que transborda, principalmente nos diálogos entre mãe e filho, méritos também para as boas atuações de Kidman e Patel nesses momentos.  É um filme que fala sobre família, sofrimento, redescoberta e uma busca constante em encontrar respostas para se seguir em frente.


 

A Tartaruga Vermelha



Sinopse: Após um acidente, um homem fica perdido numa ilha deserta. Aos poucos, ele tenta se adaptar à nova e solitária rotina. Ele constrói uma balsa para escapar de lá, mas sempre é impedido por uma tartaruga vermelha. Mas depois, o homerm entende o motivo para isso acontecer.

Primeiro longa de animação de Michael Dudok de Wit, coproduzido pelo Studio Ghibli. Premiado no Festival de Cannes de 2016 e indicado ao Annie Awards 2017, o filme é um dos fortes candidatos ao Oscar de Melhor Animação de 2017 e sem dúvidas um dos melhores do gênero do ano. A primeira cena do filme revela um sobrevivente de um naufrágio em alto-mar, sob forte chuva. As ondas o levam a uma ilha completamente deserta, onde se recupera e prepara uma jangada para seguir um novo rumo. Em sua partida, uma imensa tartaruga vermelha o surpreende e destrói sua embarcação improvisada. Isolado na ilha, o homem presencia o improvável e conhece uma criatura mágica, com quem compartilha o resto de sua vida. 
Partindo de trajetórias peculiares de seres misteriosos, Michael Dudok de Wit, que assina o roteiro junto a Pascale Ferran, desenvolve uma fábula sobre a fragilidade e efemeridade da vida. O filme faz uma meditação sobre a necessidade do amor para reconhecer aquilo que é realmente essencial. Em tempos de extrema materialidade, aqui a essência é a força que se sobrepõe.



Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Cine Dica: Curso sobre Curso Ettore Scola

Primeiro curso inédito de 2017


Apresentação

Paixão e política, amor e história, humor e humanismo, comédia e drama. A obra do cineasta italiano Ettore Scola combina todos esses elementos e se distingue na história do cinema pelo humanismo. Nascido em 1931 Scola era um adolescente quando decidiu fazer cinema ao presenciar, nas ruas de Roma, Vittorio de Sica filmando Ladrões de Bicicleta. Influenciado pelo Neorrealismo e com extraordinária desenvoltura como escritor, integrou-se à nascente indústria da commedia all’italianano pós-guerra, colaborando em mais de 50 roteiros antes da estreia como diretor, em 1964.


Ao longo de cinco décadas construiu uma filmografia de mais de 40 títulos que valoriza a experiência do ser humano em contextos históricos em filmes como Um Dia Muito Especial (1977), com Marcello Mastroianni e Sofia Loren e a obra-prima Nós que Nos Amávamos Tanto (1974), ambos vencedores na categoria melhor filme no Festival de Cannes.


Mesmo mantendo-se na tradição do cinema popular italiano Ettore Scola foi criativo e sofisticado na linguagem de filmes como O Baile (1983) e A Família (1987). Em permanente diálogo com o grande público, o cineasta, ao falecer em janeiro de 2016, aos 84 anos, deixou uma obra autoral em que a crítica se faz pelo conteúdo, na melhor tradição do cinema humanista e realista.

  
Objetivos

O Curso Ettore Scola: Um Cineasta Muito Especial, ministrado por Fatimarlei Lunardelli, tem por objetivo abordar a obra do cineasta italiano falecido em 2016, aos 84 anos. A partir do contexto da cinematografia italiana no pós-guerra, serão apresentados os elementos que constituem a estética do diretor, marcada pelo humor e o humanismo. Influenciado pelo Neorrealismo, formado no ambiente criativo dacommedia all’italiana, construiu uma obra com destaque para a experiência humana das pessoas comuns nos contextos históricos. Foi roteirista de mais de 50 filmes antes da estreia como diretor em 1964 e assinou mais de 40 títulos, algumas obras definitivas da história do cinema, cujos trechos serão apresentados em aula.


Conteúdo programático

Aula 1
- Biografia: origem, formação, entrada no cinema;
- Contexto: inserção na indústria do cinema italiano no pós-guerra;
- Visão da filmografia em perspectiva histórica: as fases do cineasta.


Aula 2
- Características que fazem de Ettore Scola um autor do cinema;
 - Marcas da estética scoliana: os personagens, o fundo histórico e a concentração narrativa;
- Humor e humanismo na criação de obras-primas.


Ministrante: Fatimarlei Lunardelli

Pesquisadora e professora nas áreas de Análise, Teoria, Crítica e História do Cinema. Integrante da ABRACCINE e ACCIRS, entidades representativas da crítica cinematográfica brasileira e do Rio Grande do Sul. Já ministrou o curso "Federico Fellini: O Maestro" e "Análise e Interpretação de Filmes" pela Cine UM.


Curso
Ettore Scola: Um Cineasta Muito Especial
de Fatimarlei Lunardelli


Datas: 11 e 12 / Março (sábado e domingo)

Horário: 9h30 às 12h30

Duração: 2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo
(Rua dos Andradas, 1223 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)

Investimento: 
R$ 85,00
* À Vista (p/depósito bancário): R$ 80,00 (desc. 6%)

Formas de pagamento: Depósito bancário / Cartão de Crédito (PagSeguro)

Material: Certificado de participação e Apostila (arquivo em PDF)

Informações
cineum@cineum.com.br / Fone: (51) 99320-2714


Realização

Patrocínio
B&B Games

Apoio

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Cine Dica:Em Cartaz: A Cidade Onde Envelheço



Sinopse:A portuguesa Tereza tem 25 anos e consegue um trabalho temporário de seis meses na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela chega ao Brasil com a certeza que não retornará à Lisboa e quer escrever um novo capítulo em sua vida.


Muitos que forem assistir a esse filme talvez esperem algo surpreendente, mas o que irão assistir é apenas sobre um reencontro, sobre amadurecimento e mudanças de rumo entre duas amigas de longa data. Dirigido pela estreante Marília Rocha, acompanhamos a chegada da portuguesa Tereza (Elizabete Francisca Santos), vinda de Lisboa e que se hospeda no apartamento de sua melhor amiga, a também portuguesa Francisca (Francisca Manuel). Enquanto Tereza é extrovertida e cheia de vida, Francisca demonstra ser uma pessoa reservada, com medo de até mesmo se relacionar com outras pessoas, mas que gradualmente, vai mudando o seu modo de pensar com a presença da amiga.
O filme não lhe dá muitos desafios para que a gente faça uma autorreflexão, mas sim com que nos identifiquemos com as duas protagonistas de uma forma simples e sem exigir muito da gente. Gradualmente, as duas personagens vão aprendendo com a realidade pessoal uma da outra e fazendo com que ambas criem escolhas das quais possam trilhar novos caminhos. A chegada de Tereza, por exemplo, faz com que Francisca volte a ter saudades de coisas que antes ficaram esquecidas e fazendo se dar conta de que sua individualidade possa não ser o suficiente para se completar no mundo do qual vive.
As duas atrizes estão bem em cena, sendo que a química de ambas juntas se torna a força matriz do filme como um todo. Porém, não esperem muitas reviravoltas, tão pouco ações imprevisíveis vindas de ambas as personagens, mas sim escolhas humanas das quais elas terão que arcar com as consequências de uma forma adulta e coerente. Querendo ou não, as personagens se dão conta que o tempo passa, mesmo quando o espírito grita pelo desejo da vida eterna, mas o corpo em si mostra o cansaço e dando sinal a elas para se criar então algo novo. 
A Cidade Onde Envelheço é um filme sem muitas ambições, mas passa uma pequena mensagem sobre os significados de irmos em frente ou fincarmos novamente em nossas próprias raízes.  




Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram