Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 59 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros e musica erudita mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Constantine ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: ÁGUAS RASAS



Sinopse:Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar logo uma maneira de sair da água.

O clássico Tubarão de 1975, mexeu tanto com os alicerces do cinema americano naquele tempo, que não demorou muito para que houvesse continuações e imitações uma pior do que a outra ao longo dos anos. Nos anos 90 e 2000 não foi muito diferente e tivemos inúmeras outras pérolas bem beirando ao trash, como no caso do inacreditável Tornado de Tubarões. Quando parecia que o subgênero cairia no esquecimento ou no ridículo total, eis que surge Águas Rasas, um pequeno, mas eficiente filme de suspense.
Dirigido pelo espanhol Jaume Collet-Serra (A Órfã) acompanhamos a viagem de Nancy (Blake Lively) para uma praia paradisíaca onde sua mãe já falecida esteve lá um dia. Ao chegar ao local, ela começa a curtir as ondas perigosas que o mar lhe trás. Porém, um tubarão branco começa a transformar o dia da garota num verdadeiro inferno e faz com que ela fique ilhada numa pedra e distante da beira da praia.
É basicamente isso o filme, onde tudo se concentra na presença de sua protagonista e as suas motivações que a levam aquele lugar para tirar umas férias e que acaba dando tudo errado. Talvez alguns até se incomodem do pequeno drama inserido na trama, por exemplo, de ela ter perdido a mãe na luta contra o câncer e que pode soar um tanto que artificial demais em alguns momentos. Porém, isso serve para humanizar e simpatizarmos com a personagem, pois só colocá-la na água e encarar a fera, talvez isso não fosse o suficiente para torcemos por ela em sobreviver até o final.
O genial do filme está na construção do cenário de terror que irá dominar aquele paraíso. Gradualmente a personagem se dá conta que não está sozinha num momento de calmaria e é ai que ela precisa agir para sobreviver. Com a perna mordida, e poucos recursos de sobrevivência, Nancy usa os conhecimentos que possui para agir contra o tempo, pois por alguma razão (magia de cinema?) o tubarão jamais sai de perto onde ela se encontra. Tem se então um verdadeiro cruzamento entre 127 horas com Tubarão e dessa mistura se cria um verdadeiro duelo de ser humano contra a natureza implacável.
O cineasta foi também habilidoso nas montagens de cena, onde em um único momento presenciamos três quadros em um, para assim então termos uma total plenitude do ponto dos acontecimentos. O ápice desses momentos é quando a protagonista calcula com o seu relógio  a aproximação e afastamento do tubarão enquanto ela encontra uma maneira de obter recursos para sobreviver, desde em pegar um pedaço de prancha, como também uma câmera digital boiando na água. São momentos como esse em que a montagem e ângulos fora do padrão que fazem do filme tão envolvente.
O filme somente peca um pouco em seu ato final, onde a protagonista fará de tudo para sobreviver, nem que para isso quebre certas leis da realidade do lado de cá. Claro que estamos falando de um filme de suspense com umas pitadas de ação, mas ao mesmo tempo sempre exigimos certo grau de verossimilhança nas cenas apresentadas de determinados filmes. Os minutos finais só não são ruins, pois existem coisas piores no mundo cinematográfico, como os finais medonhos das continuações de Tubarão que ganham de disparado em termos de ruindade. 
Apesar dos pesares, Águas rasas é eficiente em entreter e fazer com que pulemos das cadeiras em momentos chaves. Um exemplo de pequeno filme, mas que tem muito a oferecer em pouco mais de uma hora de sessão.  



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Cine Dica: "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, no CineBancários

O CineBancários exibirá um dos filmes brasileiros mais aguardados do ano. “Aquarius”, do premiado diretor Kleber Mendonça Filho, estreia no dia 1º de setembro. O longa-metragem ficará em cartaz nas três sessões diárias (15h, 17h30 e 20h).
“Aquarius” foi ovacionado na sua primeira exibição no Brasil e concorreu à Palma de Ouro do 69º Festival de Cinema de Cannes, um dos prêmios mais cobiçados do circuito de cinema. O filme ganhou grande repercurssão no festival de cinema francês e no mundo quando os atores e o diretor da obra realizaram um protesto, durante a sessão de gala, contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, chamando a atenção da mídia internacional para a situação política do Brasil.
 Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$10,00. Estudantes, idosos, pessoas com deficiência, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$5,00. Aceitamos os cartões Vale Cultura do Banrisul, Banricompras, Visa e Mastercard.
 
AQUARIUS
Clara (interpretada por Sonia Braga) mora de frente para o mar no Aquarius, último prédio de estilo antigo da Av. Boa Viagem, no Recife. Jornalista aposentada e escritora, viúva com três filhos adultos e dona de um aconchegante apartamento repleto de discos e livros, ela irá enfrentar as investidas de uma construtora que tem outros planos para aquele terreno: demolir o Aquarius e dar lugar a um novo empreendimento.
"Aquarius" teve sua estreia mundial na França, como parte da seleção oficial competitiva do Festival de Cannes e ganhou o prêmio de melhor filme no Festival de Cinema de Sydney. O longa também participou do Festival de Karlovy Vary, na República Tcheca, do Festival Internacional de Cinema da Nova Zelândia, do Festival Internacional de Cinema de Melbourne; do Festival de Sarajevo, na Bósnia, e acaba de ser selecionado para o Festival de Cinema de Nova York.
Em Cannes, "Aquarius" ficou também marcado pelo protesto contra o impeachment de Dilma Rousseff que o diretor e o elenco fizeram no tapete vermelho. "Um golpe ocorreu no Brasil", "Resistiremos" e "Brasil não é mais uma democracia" eram alguns dos cartazes que o cineasta e sua equipe seguravam no tapete vermelho, antes de voltar a se manifestar ao grito "Fora!" na sala do Grande Teatro Lumiere, minutos antes da projeção.
 Além disso, o filme agradou a crítica, tendo sido aplaudido por vários minutos após o fim da sessão. O jornal britânico "Daily Telegraph" deu o seguinte título à resenha: "'Aquarius' vai fazer você querer morar no Brasil". Ainda no festival francês, a atuação de Sonia Braga no papel de uma mulher que se recusa a deixar de viver do modo como deseja, recebeu muitos elogios.



"'Aquarius' é uma meditação perspicaz sobre a transitoriedade desnecessária de um local e como o espaço físico suprime nossa identidade"
Jay Weissberg, da revista "Variety"

"O filme não termina da maneira esperada e talvez nem termine de fato. É um retrato de densa observação e o retrato soberbamente interpretado de uma mulher de uma certa idade."
Peter Bradshaw, do The Guardian

"Braga foi uma escolha perfeita para interpretar alguém presa ao passado (especialmente a uma coleção de LP de hits da músicas brasileiras e internacionais) e a um desejo de se manter corporalmente ativa"
Jordan Mintzer, do Hollywood Reporter
 
 
KLEBER MENDONÇA FILHO
Kleber Mendonça Filho nasceu no Recife, em 1968. Formado em jornalismo pela UniversidadeFederal de Pernambuco, tem um trabalho abrangente como crítico e responsável pelo setor de cinema da Fundação Joaquim Nabuco já há 18 anos. Escreveu para o Jornal do Commercio, no Recife, seu site CinemaScópio, Revistas Continente, Cinética e o jornal Folha de S. Paulo. É também diretor artístico do Janela Internacional de Cinema do Recife, que terá sua 9ª edição em novembro 2016. Como realizador, migrou do vídeo nos anos 90, quando experimentou com ficção, documentário e videoclipes para o digital e o 35mm na década de 2000, seus filmes receberam mais de 120 prêmios no Brasil e no exterior. Sua primeira experiência no longa metragem é o documentário Crítico (2008), realizado ao longo de nove anos. O Som ao Redor (2012) foi seu primeiro longa-metragem de ficção, exibido em mais de 100 festivais internacionais, lançado comercialmente em 14 países, o filme foi o representante brasileiro no Oscar 2014 e considerado “Um dos 10 Melhores Filmes do ano” pelo jornal The New York Times.

SONIA BRAGA
 A atriz Sonia Braga é um ícone do Cinema. Teve seu primeiro sucesso internacional com Dona Flor e Seus Dois Maridos (Bruno Barreto, 1976), que vendeu mais de 11 milhões de ingressos no país, um recorde histórico. Sucessos equivalentes na televisão com as novelas Gabriela (1975) e Dancing’ Days (1978) confirmaram sua popularidade fenomenal, seguida de outros sucessos de bilheteria com seu nome no topo das marquises dos cinemas em A Dama do Lotação (Neville D’Almeida, 1978) e Eu Te Amo (Arnaldo Jabor, 1981). Teve participação marcante no vencedor do Oscar O Beijo da Mulher Aranha (Hector Babenco, 1984) e participou de filmes em Hollywood como Luar Sobre Parador (Paul Mazursky, 1988) e Rebelião em Milagro (Robert Redford, 1988). Sonia Braga foi indicada para três Globos de Ouro e um prêmio Emmy. Seus trabalhos mais recentes na televisão incluem Alias, American Family e a série da Netflix Luke Cage.

FICHA TÉCNICA
AQUARIUS
2016 / Brasil – França / Ficção / 141 minutos
Diretor e roteirista: Kleber Mendonça Filho
Elenco: Sonia Braga, Humberto Carrão, Maeve Jinkings,
Irandhir Santos e Carla Ribas
Produtora: Emile Lesclaux
Produtores: Said Ben Said e Michel Merkt
Coprodutor: Walter Sales
Produtor Associado: Carlos Diegues
Produtora Executiva: Dora Amorin
Direção de Fotografia: Pedro Soteiro e Fabricio Tadeu
Direção de Arte: Juliano Dornelles e Thales Junqueira
Edição: Eduardo Serrano
Edição e Mixagem: Ricardo Cutz
Som Direto: Nicolas Hallet
1º Assistente de Direção: Milena Times
Produtores Executivos: Tiago Melo e Kika Latache
Casting: Marcelo Caetano
Preparação de Elenco: Amanda Gabriel e Leonardo Lacca
Maquiagem: Tayce Vale
Figurino: Rita Azevedo

GRADE DE HORÁRIOS
30 de agosto (terça-feira)
15h – A Morte de J.P. Cuenca, de João Paulo Cuenca
17h - São Paulo em Hi-Fi, de Lufe Steffen
19h - A Morte de J.P. Cuenca, de João Paulo Cuenca

31 de agosto (quarta-feira)
15h – A Morte de J.P. Cuenca, de João Paulo Cuenca
17h - São Paulo em Hi-Fi, de Lufe Steffen
19h - A Morte de J.P. Cuenca, de João Paulo Cuenca

1º de setembro (quinta-feira)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

2 de setembro (sexta-feira)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

3 de setembro (sábado)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

4 de setembro (domingo)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

6 de setembro (terça-feira)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

7 de setembro (quarta-feira)
15h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
17h30 – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
20h – Aquarius, de Kleber Mendonça Filho

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: CAFÉ SOCIETY



Sinopse: Nos anos 1930, James (Jesse Eisenberg) sai de uma cidade do interior rumo a Los Angeles com o sonho de seguir carreira na indústria cinematográfica em Hollywood. Lá ele acaba se apaixonando por Theresa (Kristen Stewart) e se deixa contagiar pelo clima de ‘café society’ da época.


Não há pretensão no universo dos filmes recentes de Woody Allen, mas nem por isso deixa de serem incomuns as suas obras das quais ele lança. Café Society mostra um Allen agiu no que irá mostrar, mas ao mesmo tempo disposto a trabalhar com novidades, pois esse filme é o seu primeiro em formato digital. Isso faz com que se destaque a  bela fotografia de Vittorio Storaro, já vencedor pela categoria em filmes como Apocalypse Now e O Último Imperador. 
Para quem conhece de cor a filmografia do cineasta, Café Society mostra todas as características e marcas registradas que já foram vistas em seus filmes, mas sempre nos lançando com um novo frescor para os nossos olhos. Pode parecer algo repetitivo em alguns momentos, mas cabe ressaltar que conseguimos enxergar em suas obras recentes uma forma do cineasta escancarar os seus próprios aprendizados que teve ao longo dessas décadas de trabalho no cinema. Esse seu último filme me parece um cruzamento entre o passado e seu presente atual e não se intimidando em colocar na tela os seus erros e acertos e dando vida a eles através dos seus personagens que criou.
A trama se destaca ao apresentar todo o glamour do universo das celebridades dos anos 30, onde a edição de arte e figurino molda aquele período visto na tela como um todo. Contudo, o casal central vivido Jesse Eisenberg e Kristen Stewart deixa um pouco a desejar em alguns momentos, pois a química vista entre eles realmente não empolga em momentos dos quais deveria empolgar. Se Jesse Eisenberg se sai bem como uma espécie de jovem Allen, Kristen Stewart novamente apresenta uma atuação econômica e que ainda não me fez convencer que há uma versatilidade dentro dela.
Felizmente a ala de coadjuvantes salva o filme, principalmente quando Eisenberg contracena com eles. Steve Carell se sai muito bem em cena, principalmente pelo fato do seu personagem transitar entre a comédia e o drama, sendo que esse último o astro provou ter talento de sobra. Ao interpretar um produtor de cinema, Carell poderia cair na vala comum ao criar um personagem detestável. Contudo, sentimos simpatia por ele e nos convence que os seus sentimentos vistos em cena, embora confusos às vezes, soam verdadeiros.
Mas, como eu havia salientado acima, o destaque vai mesmo para a bela fotografia de Vittorio Storaro, do qual torcemos que seja lembrado na próxima premiação do Oscar. Por ser um retrato dos anos 30, estamos diante de um período que sempre foi romanceado pelos livros de história ao destacar o cinema americano. Com tons pastel e luzes douradas, as imagens transmitem uma fábrica de sonhos da cidade do cinema, mas não escondendo também um lado obscuro das engrenagens daquela fabrica de contar histórias.
Ao som de Jazz, enxergamos um Woody Allen do começo ao fim, mas maduro e aberto as novas possibilidades que o cinema de hoje tem a oferecer. Porém, jamais deixando de lado a sua essência e seu amor por filmar. Mesmo quando não é genial, Allen tem a proeza de nos fazer rir e nos emocionar com o seu mundo neurótico, da possibilidades do que é se apaixonar e viver a vida em uma sociedade tão glamorosa e passageira quanto um bom cappuccino.




Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Cine Dica: FILMES DE BERTOLUCCI E SAURA EM EXIBIÇÃO NA CINEMATECA CAPITÓLIO



A partir de 30 de agosto, a Cinemateca Capitólio exibe Assédio (L'assedio, 1999, 93 minutos) e Tango (1998, 115 minutos), dois emblemáticos filmes lançados na década de 1990 por Bernardo Bertolucci e Carlos Saura, nomes consagrados do cinema moderno europeu. O sucesso de público Ai Weiwei: Sem Perdão, dirigido por Alison Klayman, segue em cartaz. O valor do ingresso é R$ 10,00.
Cinemateca Capitólio é um equipamento da Secretaria da Cultura de Porto Alegre. O projeto de restauração e de ocupação da Cinemateca Capitólio foi patrocinado pela PetrobrasBanco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES Ministério da Cultura. O projeto também contou com recursos da Prefeitura de Porto Alegre, proprietária do prédio, e realização da Fundação CinemaRS –FUNDACINE.

FILMES
 Assédio
(L'assedio, Itália-Reino Unido, 1999, 93 minutos)
Direção: Bernardo Bertolucci
Elenco: Thandie Newton, David Thewlis, Claudio Santamaria
 Entre as antiguidades que integram a mansão herdada de uma tia, o Sr. Kinsky (David Thewlis) compõe sua música e se esconde atrás do brilhante verniz de seu piano. Até que chega a sua casa Shandurai (Thandie Newton), fugida do regime ditatorial de um governo africano. Ela passa a trabalhar em sua casa como empregada e uma relação intensa começa.
 Tango
(Tango, Argentina-Espanha, 1998, 115 minutos)
Direção: Carlos Saura
Elenco: Miguel Angel Sola, Mia Maestro, Juan Luis Galiardo

Mario Suarez (Miguel Ángel Sola), famoso autor e diretor teatral, está em crise. Abandonado pela mulher, refugia-se nos ensaios de um espetáculo que prepara sobre o tango. Angelo Larroca (Juan Luis Galiardo), o mafioso produtor e também bailarino frustrado, sugere a Mario que dê o papel principal a sua protegida (Mía Maestro). Impressionado com o real talento e a beleza da jovem, ele se torna seu amante.
 Ai Weiwei: Sem Perdão
(Ai Weiwei: Never Sorry, 2013, Estados Unidos, 90 minutos)
Direção: Alison Klayman
Elenco: Ai Weiwei, Chen Danqing, Ying Gao
Distribuição: Bretz Filmes
 Ai Weiwei é um artista contemporâneo, que combina em seu trabalho as novas tecnologias e as mensagens políticas engajadas. Preso pelas autoridades chinesas em 3 de abril de 2011, mas liberado dia 22 de junho, ele ainda está proibido de deixar o território nacional. Este documentário acompanha a trajetória política e artística deste símbolo da liberdade de expressão na China.

 GRADE DE HORÁRIOS
30 de agosto a 4 de setembro de 2016
30 de agosto (terça)
16h – Ai Weiwei: Sem Perdão
18h – Assédio
20h – Tango

 31 de agosto (quarta)
16h – Ai Weiwei: Sem Perdão
18h – Assédio
20h – Tango

1 de setembro (quinta)
16h – Ai Weiwei: Sem Perdão
18h – Assédio
20h – Tango

 2 de setembro (sexta)
16h – Ai Weiwei: Sem Perdão
18h – Assédio
20h – Tango

3 de setembro (sábado)
16h – Ai Weiwei: Sem Perdão
18h – Assédio
20h – Tango

 4 de setembro (domingo)
17h – CineFloyd
19h – CineFloyd