Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Cine Dica: Streaming: 'L.O.C.A. -Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor'

Sinopse: Em uma das reuniões da L.O.C.A., a Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor, Manoela, Elena e Rebeca acabam se conhecendo melhor quase por acidente e percebem que possuem mais em comum do que esperavam: as três sofreram grandes decepções amorosas e resolvem se juntar para uma grande vingança. 

Com o encerramento da retomada do cinema brasileiro a partir do filme "Cidade de Deus" (2002) houve uma enxurrada de comédias despretensiosas e com único intuito de entreter as plateias. Porém, na minha visão particular, muitas dessas comédias não sobreviveram ao teste do tempo, pois não basta somente fazer a gente rir, como também nos dizer para que foi lançada a piada da vez. "L.O.C.A. -Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor" (2021) ao menos usa o humor pastelão para fazer uma crítica acida sobre a guerra dos sexos e que hoje se encontra bem diferente se formos comparar em outros tempos.

Dirigido por Cláudia Jouvin, o filme conta a história de três mulheres, que enquanto participam de uma das reuniões da L.O.C.A, a Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor, Manoela (Mariana Ximenes), Elena (Debora Lamm) e Rebeca (Roberta Rodrigues) acabam se conhecendo melhor e percebem que possuem mais em comum do que esperavam.

É engraçado que comédias brasileiras como essa parece pertencerem a uma outra realidade, como se estivessem dentro de uma bolha e não estando presente na realidade dos últimos vinte anos do país. Tudo é muito colorido, cuja a fotografia de cores quentes sintetizam uma realidade em que tudo pode ser resolvido, mesmo em situações que beiram ao surrealismo. Curiosamente, os personagens surpreendem em quase nunca calarem a boca e sempre lançando diversas frases de efeito que até nos fazem rir e molduradas por uma edição frenética que torna tudo mais ágil e quase nunca cansativo.

O que colabora e conquista a nossa atenção, talvez, nem seja a trama, já que ela é uma versão até mesmo melhorada da última novela que eu vi na vida que foi "Quatro por Quatro" (1993). O que salva mesmo é o seu elenco feminino, principalmente o trio principal que conquista a nossa simpatia mesmo quando algumas delas quase dão o braço a torcer para homem que não vale a pena. Manoela (Mariana Ximenes) transita entre o bom senso para o senso do ridículo ao sofrer por macho, mas que dá volta por cima ao enxergar que o mundo não gira somente em sua volta e prestando mais atenção em outras situações semelhantes através de suas amigas. Débora Lamm, por exemplo, surpreende com a sua personagem Elena, cuja a sua personalidade enigmática lhe torna alguém até mesmo engraçada, mas não menos assustadora.

Tirando alguns personagens caricatos aqui e ali, o filme acaba nos divertindo e passando uma pequena lição de moral para mulheres que ainda hoje fazem de tudo para manter o macho em casa, mesmo sabendo que ele não passa de um canalha. Se algumas não gostam de tratar sobre esse assunto com seriedade, ao menos tentem com humor pastelão e do qual o mesmo lhe convida a curtir uma historinha boba, mas não menos reflexiva. Em tempos que a realidade está cada vez mais complexa, "L.O.C.A. -Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor" vem unicamente para nos desencalhar um pouco de toda essa lambança brasileira.

Onde Assistir:  Telecine Premium

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: