Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Cine Dica: Em Cartaz: 'Jungle Cruise - A Maldição Nos Confins Da Selva'

Sinopse: Os confins da selva da Amazónia escondem um segredo bem guardado que pode mudar o mundo... Descobre já a nova aventura da Disney com Dwayne Johnson e Emily Blunt! 'Jungle Cruise - A Maldição Nos Confins da Selva' estreia nos cinemas este verão. 

A toda poderosa, e por vezes pretensiosa, Disney não tem o que reclamar hoje em dia, já que atualmente ela é proprietária das maiores franquias que geram bilhões ao estúdio, desde o universo do MCU como também "Star Wars". Porém, talvez, desde o encerramento da franquia "Piratas do Caribe" que o estúdio não tem uma franquia milionária que pode realmente dizer que é sua."Jungle Cruise  - A Maldição Nos Confins Da Selva" talvez venha para mudar esse quadro, já que é uma aventura divertida, despretensiosa e para não levar a sério em hipótese alguma.

Dirigido por  Jaume Collet-Serra, "Jungle Cruise" gira ao redor do malandro e brincalhão Frank Wolff (Dwayne Johnson), capitão do barco La Guilla. Ele é contratado pela Dra. Lily Houghton (Emily Blunt) e seu irmão McGregor (Jack Whitehall) para levá-los em uma missão pelas densas florestas amazônicas com a intenção de encontrar uma misteriosa árvore com poderes de cura que poderá mudar para sempre o futuro da medicina. No caminho, eles viverão inúmeros perigos, enfrentando animais selvagens e até mesmo forças sobrenaturais.

De novidade o filme não tem nada, mas para os amantes da velha e boa aventura o filme é um prato cheio em todos os sentidos. Claramente os realizadores buscaram os mesmos elementos de sucesso da franquia "Piratas do Caribe", mas para cinéfilo de olhar atento irá perceber que o filme bebe também da fonte de outros clássicos dentro do gênero, tanto da franquia "Indiana Jones" iniciada em 1981, como também até mesmo do clássico "Uma Aventura na África" (1951). E se em alguns momentos o filme também te lembrar o divertido "A Múmia" (1999) não se surpreenda.

Tecnicamente o filme é uma grande super produção, com direito ao uso de efeitos visuais de ponta, mas também aproveitando das velhas técnicas de cinema e que remete como se fazia os filmes de aventura de antigamente. Porém, é preciso assistir ao filme de mente aberta, principalmente para nós brasileiros, já que aventura se passa na Amazônia e para os historiadores mais sérios o filme pode parecer uma verdadeira blasfêmia, principalmente da maneira como é retratado uma determinada tribo indígena. É a forma estereotipada que os gringos nos enxergam e por conta disso nunca haverá remédio.

Mas o coração do filme fica por conta da atuação dos seus interpretes, já que estão mais do que a vontade em seus respectivos papeis.  Emily Blunt é um dos grandes talentos dessa nova geração, mas provando também que tem fibra em um papel que exige força física e nisso ela não decepciona. Agora,  Dwayne Johnson tem me surpreendido cada vez mais nos filmes que atua.

Astros de filmes de ação, na maioria das vezes dispensáveis, o ator parece que conseguiu um certo equilíbrio em filmes de aventura e fantasia desde que ingressou na franquia "Jumanji" (2017). Aqui ele é uma verdadeira metralhadora com a língua, com o direito de lançar piadas uma atrás da outra e provando ter uma verdadeira veia cômica. O seu personagem, aliás, parece uma mistura de Charlie Allnut de "Uma Aventura na África" com Rick O'Connell de "A Múmia", mas ao mesmo tempo obtendo a sua luz própria.

De resto não tem muito o que dizer, principalmente com relação aos vilões que aparecem na trama, como no caso do alemão Príncipe Joachin, interpretado pelo talentoso Jesse Plemons, mas aqui sendo reduzido a um personagem megalomaníaco e parecendo que saiu dos filmes antigos em que os vilões eram sempre caricatos. O final é aquele de sempre, com muita aventura, efeitos visuais em abundância e aqueles minutos finais que nos dá a entender que haverá uma eventual sequência para, enfim, gerar uma nova franquia.

"Jungle Cruise - A Maldição Nos Confins Da Selva" é uma boa aventura em todos os sentidos, fazendo referências aos filmes clássicos do gênero e nos convidando para duas horas bem despretensiosas.   


Nota: O filme também se encontra em locação pelo Disney +

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: