Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Cine Dica: Em Cartaz: 'O Escândalo' - Por detrás das cortinas

Sinopse: O gigante do telejornalismo e antigo CEO da Fox News, Roger Ailes, tem seu poder questionado e sua carreira derrubada quando um grupo de mulheres o acusam de assédio sexual no ambiente de trabalho.

A mídia molda os seus lideres políticos para adquirir com isso algum beneficio próprio, mas sem nunca pensar o que virá em seu devido tempo. Em meio a essas engrenagens há sempre os poderosos que se acham os donos da palavra e acham que podem fazer o que bem entenderem através de uma boa lábia. Embora curto, "O Escândalo" coloca mais fogo na fogueira em um dos maiores escandalos da mídia conservadora e sensacionalista americana.
Dirigido por Jay Roach, o mesmo diretor do filme "Trumbo: Lista Negra" (2015), o filme conta a história real do  gigante do telejornalismo e antigo CEO da Fox News, Roger Ailes (John Lithgow) que tem o seu poder questionado e sua carreira derrubada quando um grupo de mulheres o acusam de assédio sexual no ambiente de trabalho. Ao mesmo tempo estão ocorrendo as eleições que podem dar a vítoria de Donald Trump para se tornar o novo presidente dos EUA. O jogo está feito, mas a que preço?
Com uma edição agiu nos primeiros minutos, onde a jornalista Megyn, intepretada por Charlize Theron, apresenta as entranhas do jornalismo, temos então uma noção do verdadeiro circo que é na forma de como manipular a opnião pública e fazendo de pessoas como Donald Trump chegar a um poder do qual jamais poderia alcançar. A Fox Nesws, por exemplo, não é muito diferente da nossa Record, controlada por conservadores que se dizem a serviço de Deus e da família, quando na verdade tudo não passa de uma grande hipocrisia. É nesse cenário que os principios das pessoas são postos a prova e dos quais são testados no limite do bom senso.
Acima de tudo, o filme chega em uma hora em que a própria Hollywood se viu pega em meio a vários escandalos sexuais e tocar na ferida através dos filmes nada mais é do que exorcisar os seus próprios demónios antes que seja tarde demais. Com isso temos três mulheres com personalidades fortes que, embora com posicionamento politicos distintos, se veem na mesma situação e da qual precisam se ajudar mesmo que de forma indireta. O primeiro trailer já dava pistas sobre isso, mas reservando o lado mais cru sobre o assunto.
Como o tema é espinhoso, não bastava somente uma boa direção, como também um elenco de peso. Charlize Theron, Nicole Kidman e Margot Robbie estão ótimas em seus respectivos papeis, sendo que a última interpreta uma personagem ficticia, mas que sintetiza cenas reveladoras de toda a dor e humilhação que muitas mulheres devem ter passado nas mãos de Roger Alles. Esse, aliás, é interpretado com intesidade pelo ator John Lithgow e fazendo com que sintamos repulsa pela sua figura de forma imediata.
Acima de tudo, é um filme que fala sobre o que nos atrai para o poder e até que ponto podemos nos vender. Trabalhamos para o sistema, mas não significa que venderemos a nossa pessoa para somente subirmos alguns degraus durante a vida. Em tempos em que somos forçados a trabalhar em um cenário tomado pela extrema direita ao redor do mundo, nunca é demais lutarmos para defendermos a nossa pessoa e ajudar a pessoa próxima que foi abusada.
Vencedor do Oscar de melhor maquiagem deste ano, "O Escândalo" é apenas a ponta de um grande iceberg, onnde muitas mulheres são abusadas por detrás das cortinas, mas cabe as mesmas colocarem um ponto final nessa angústia. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: