Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Cine Especial: Horror Britânico - Uma Orgia de Sangue e Pavor: FINAL



O curso é amanhã e, portanto gostaria de encerrar essas postagens especiais destacando esse filme abaixo que, para mim, pode ser considerado como obra prima do gênero de horror britânico. Estejam todos comigo nessa atividade amanhã e boas sessões de cinema para todos.     

 O Homem de Palha (1973)



Sinopse:O policial Neil Howie (Edward Woodward) chega à ilha de Summerisle, na Escócia, para investigar o desaparecimento de uma jovem. Logo ele descobre que os habitantes não estão nem um pouco dispostos a colaborar. A tensão e o mistério aumentam ainda mais quando ele conhece o Lord Summerisle (Christopher Lee), um poderoso fazendeiro que lidera uma estranha seita pagã.

Este é um filme incomum, mas bastante interessante, um misto de policial e terror. Após um começo relativamente lento, O Homem de Palha fica cada vez mais intrincado e culmina num final que, hoje talvez soe previsível, mas corajoso para o seu tempo. O filme toca em pontos nem sempre fáceis de serem discutidos: religião, moralismo  como ponto principal o roteiro do dramaturgo Anthony Shaffer, que teve a idéia de escrever um longa diferente dos filmes de terror feitos na época pela produtora inglesa Hammer, que usava artifícios clássicos com sombras, portas fechando sozinhas e barulhos estranhos para assustar. 
Ao invés disso, acertou em cheio no roteiro, criando uma história bem diferente. Um documentário (The Wicker Man Enigma) realizado em 2001 fala da produção, e das dificuldades sofridas pela mesma. Christopher Lee celebra O Homem de Palha como o ponto alto de sua carreira, queixando-se da pouca divulgação - e subseqüente repercussão baixa - do longa-metragem. Este provocativo filme de Robin Hardy, porém, segue cultuada por uma legião de fãs e críticos que o consideram uma obra prima do moderno cinema de horror. Uma coisa é certa, é muito difícil ficar indiferente ao filme.
Falar mais sobre a obra seria estragar as inúmeras surpresas das quais elas contem e de seu final surpreendente.

Leia também: Partes 1, 2 e 3

Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: