Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Cine Especial: O 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos



8º) Cidade de Deus (2002)



Sinopse: Buscapé (Alexandre Rodrigues) é um jovem pobre, negro e muito sensível, que cresce em um universo de muita violência. Buscapé vive na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos da cidade. Amedrontado com a possibilidade de se tornar um bandido, Buscapé acaba sendo salvo de seu destino por causa de seu talento como fotógrafo, o qual permite que siga carreira na profissão. É através de seu olhar atrás da câmera que Buscapé analisa o dia-a-dia da favela onde vive, onde a violência aparenta ser infinita.


Fernando Meirelles ganhou um reconhecimento merecido nesta obra prima do cinema nacional de 2002, sobre um retrato forte que, mostra aspectos tristes, mas verídicos das trajetórias percorridas por jovens das favelas urbanas. Há certo virtuosismo técnico, compensado pela verdade na atuação de um elenco orientado pela co-diretora Kátia Lund. Meirelles surpreende o espectador, em não somente recriar três épocas onde se passa a historia, como também criar um belo jogo de imagens com a montagem, em que a trama vai e vem sem menor aviso, mas que flui de tal maneira que não atrapalha em nenhum momento o entendimento de quem assiste.
Sucesso no exterior, foi finalista no Balta (Oscar Inglês) de melhor filme estrangeiro, perdido pelo Espanhol Fale Com Ela, mas ganhou na categoria de melhor montagem de Paulo Bezende, derrotando filmes famosos como O Senhor dos Anéis: As Duas Torres e O Pianista. Mas o reconhecimento veio no Oscar de 2004, onde o filme ganhou 4 indicações ao Oscar, incluindo melhor diretor (Meirelles) e melhor roteiro adaptado, mas que infelizmente perdeu todos, perante ao fim da trilogia dos Senhor dos Anéis. Mas isso não impediu, que dez anos depois que, o filme entrasse facilmente na lista dos 100 melhores filmes de todos os tempos, ao lado de pesos como Laranja Mecânica e os Bons Companheiros.  


 

9º) O Pagador de Promessas (1962)



Sinopse: Zé do Burro (Leonardo Villar) e sua mulher Rosa (Glória Menezes) vivem em uma pequena propriedade a 42 quilômetros de Salvador. Um dia, o burro de estimação de Zé atingido por um raio e ele acaba indo a um terreiro de candomblé, onde faz uma promessa a Santa Bárbara para salvar o animal. Com o restabelecimento do bicho, Zé põe-se a cumprir a promessa e doa metade de seu sítio, para depois começar uma caminhada rumo a Salvador, carregando nas costas uma imensa cruz de madeira. Mas a via crucis de Zé ainda se torna mais angustiante ao ver sua mulher se engraçar com o cafetão Bonitão (Geraldo Del Rey) e ao encontrar a resistência ferrenha do padre Olavo (Dionísio Azevedo) a negar-lhe a entrada em sua igreja, pela razão de Zé haver feito sua promessa em um terreiro de macumba.


Crítica aos políticos (pré-ditadura militar), a igreja católica, a policia e á imprensa. A peça de Dias Gomes recebe um tratamento dramático que mantém viva a força dos personagens e a discussão sobre á influencia da religião na sociedade. Interpretações inesquecíveis e sinceras do casal central. Tanto Leonardo Villar como Gloria Menezes estão ótimos em seus respectivos papeis, assim como Dionísio Azevedo, que passa a todo o momento, uma representação hostil e atrasada da igreja católica.
Anos mais tarde, a peça ganharia uma mini-série para a TV, transmitida pela Rede Globo, mas nada que se compare ao resultado final desse filme e de como ele mexeu com os sentimentos das pessoas na época. Palma de Ouro no Festival de Cannes e finalista ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Curiosidade: Após o recebimento do prêmio em Cannes, o diretor e a equipe do filme que viajou até o Festival foi recebida com um desfile público em carro aberto, ao desembarcar no Brasil.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+ 

Nenhum comentário: