Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Cine Dica: Em Blu-Ray, DVD, Netflix e locação via TV a Cabo: MAKING A MURDERER



Sinopse: O documentário conta a história de Steven Avery. Após ter passado 18 anos preso por um crime que não cometeu, ele consegue a liberdade devido a um exame de DNA que prova sua inocência. A história vira notícia e, quando está prestes a ganhar uma gigantesca indenização pelo Estado, Avery se torna o principal suspeito do assassinato da fotógrafa e jornalista Teresa Halbach. Em dez episódios, a série acompanha a investigação, o julgamento e todas as contradições que giram em torno do caso


Uma vez política e mídia aliadas, para ambas usufruírem de benefícios uma da outra, acaba gerando monstros que, se alimentam através da audiência, lucros e obter o controle da verdadeira informação. Não importa os verdadeiros fatos, o que importa é quem se beneficiará com a mentira que, por vezes, está mais do que explicita em nossa frente. Na mais nova sensação da Netflix, a série documental  Making a Murderer  desvenda os fatos, mentiras e até que ponto a justiça de um estado  pode controlar e transformar a vida de uma pessoa num inferno.
O americano Steven Avery estava preso há 18 anos por um crime que na realidade não cometeu. Após os exames de DNA que comprovou sua inocência, Steven foi solto e aguardando uma indenização milionária vinda do estado. Mais eis que, em 2005, ele novamente é preso, acusado de ter assassinado, queimado e enterrado os restos de uma repórter no seu quintal.
Sabendo da história, diretoras e roteiristas Moira Demos e Laura Ricciardi decidem acompanhar as investigações e indo mais a fundo no caso. Mal sabiam elas que o caso viraria uma enorme cebola, onde cada descascada revelaria um novo quadro dos fatos que ocorreram na realidade. A cada nova pista investigada pelo estado, se aumentava ainda mais a possibilidade de que o próprio estava armando para que Steven Avery fosse condenado à prisão perpetua.
Ao longo de dez episódios, ficamos conhecendo familiares, namorada, amigos, e advogados de Steven, sendo esses últimos verdadeiros profissionais da área e que tentam de todos os meios inocentá-lo. A situação se complica no momento em que entra em cena o sobrinho de Steven que, também acaba sendo acusado, e suspeito de tê-lo ajudado no crime. Porém, a partir do momento em que o sobrinho é preso, se percebe de que há algo de podre no ar.
Com inúmeras horas fartas de vídeos e depoimentos, as cineastas, por exemplo, encontram um vídeo em que mostram detetives interrogando o sobrinho de Steven. Porém, claramente se percebe que eles não tentam puxar a verdade dele, mas sim induzindo para que ele disse-se que realmente participou do suposto crime. Claramente se nota que o sobrinho tem certo problema de cognitivo (falta de atenção, associação, memória ou raciocínio) e acaba então se tornando uma presa fácil.
Esse é um pequeno exemplo de muitos que são mostrados no decorrer dos episódios em que, não só mostram a manipulação da justiça no caso, como também é mostrado de uma forma explicita os inúmeros furos encontrados na investigação. Porém, com ambição e mídia como aliadas, o estado dá inúmeros dribles no julgamento para que Steven e seu sobrinho sejam condenados pelo crime, cuja sua real natureza se encontra, por vezes, obscura e deixando aqueles que assistem desse lado da tela frustrados pela tamanha possibilidade de manipulação. Quando a série documental estreou na grade da Netflix, ela não havia chamado muita atenção, mas gradativamente ela foi conquistando inúmeros telespectadores e se tornando hoje a série mais assistida do momento. 
Claro que o sucesso rendeu aparição de inimigos já declarados contra a série. O xerife de Manitowoc, por exemplo, se declarou insatisfeito com o documentário, dizendo que ele não cumpre o papel de contar as histórias em ordem cronológica e tira coisas de contexto. Já o promotor do caso, Ken Kratz, declarou que não há duvidas de que a série foi feita para gerar revolta popular a favor de Avery, chamando atenção para o fato de que as acusações de falsificação de evidências são absurdas, ao passo que o documentário deixa de mostrar algumas provas que foram vitais para a conclusão do caso.
Curiosamente, o mesmo promotor Ken Kratz recebeu inúmeras acusações de inúmeras garotas de programa, cujas acusações vão desde espancamento e estupro. O mesmo acabou tendo a vida política quase arruinada e tendo que se tratar do vicio com relação ao sexo. Ou seja, um promotor com status duvidoso, mas que aliado ao estado fez de tudo para condenar Steven Avery e se promover logicamente na política. 
Quem assiste a série documental, e após terminá-la, fica entre a dúvida e a frustração, com a possibilidade de ter um inocente atrás das grades e de nos sentirmos impotentes perante uma justiça corrupta e diante de um circo da mídia que, não liga na possibilidade da inocência ou culpa da pessoa, desde que ela crie um verdadeiro show para audiência. O documentário, portanto, cumpre essa proposta de plantar essa dúvida e cabe cada um de nós em sermos os verdadeiros jurados, de um caso que pode ter sido manipulado desde o princípio. 




Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: