Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: STEVE JOBS


Sinopse: Cinebiografia conta a história do empresário Steve Jobs (Michael Fassbender), gênio da informática que fabricou os primeiros computadores pessoais na garagem de sua casa e que mais tarde fundou a Apple com seu amigo Steve Wozniak (Seth Rogen), em 1976.

 
No filme A Rede Social, de David Fincher, o criador de uma das redes sociais mais populares do mundo, se apresentava como um ser que não media esforços para conseguir os seus objetivos, nem que para isso perdesse amigos e aliados ao longo do caminho. Ali se percebe um gênio fora do normal, mas que, por vezes, se esquece do que nos faz humanos. Igualmente também visto como um Deus da informativa, Steve Jobs sempre foi endeusado dessa maneira pela imprensa, mas aqui vemos um Jobs humano, ou seja, nada de anjo ou demônio, mas sim um ser com pensamentos e idéias a frente do tempo, mas que lhe faltava alguma peça no seu peito.
Dirigido por Danny Boyle (Quem quer ser um milionário?) o filme não se concentra no começo, meio e fim da vida e obra de Steve Jobs, mas sim em três apresentações, em épocas diferentes, em que ele lança os seus principais inventos da Apple e que revolucionariam a informática. O filme se divide em três atos: 1984, 1988 e 1998, onde cada ano é apresentado uma parte da trama principal, da qual vemos o protagonista mudando gradualmente e questionando os seus próprios atos, mas nunca deixando baixar á guarda por completo. 
Se formos simplificar o filme, a trama gira em torno na difícil relação pai e filha, do qual essa última tenta conseguir atenção afetiva de um homem que vive somente do trabalho. Logicamente que isso é um artifício que já foi usado a exaustão no cinema americano, mas aqui funciona, pois para cairmos nesse universo do quais números, dinheiro, negócios e o universo da informática dominam, era necessário um toque humano para adentrarmos facilmente nessa realidade. Uma vez o cinéfilo conquistado, graças a essa velha formula, consegue então aceitar numa boa a verdadeira montanha russa que Jobs enfrenta no decorrer das décadas, em que amigos, aliados e inimigos tentam a todo momento derrubá-lo, em meio a negócios, processos e traições que rolam a torto e a direito. 
Como muitos sabem, Danny Boyle gosta de criar um verdadeiro vídeo clipe na suas montagens de cena e aqui não é diferente. A trama que, poderia soar complicada, acaba se tornando elegante graças ao ritmo que o cineasta injeta nas cenas e fazem delas um verdadeiro balé, seja nos cortes rápidos, seja nos planos sequências que são muito bem vindo aos nossos olhos. Porém, o cineasta falha um pouco ao injetar uma trilha sonora, cuja ela está ali para se casar com as cenas, sendo algo que, até mesmo nos remete o filme A Rede Social, mas aqui isso acaba soando meio que repetitivo.
Mas isso é meio que passado a despercebido, uma vez que o elenco principal rouba a cena principalmente através da interpretação fantasmagórica de Michael Fassbender (Shame) como Steven Jobs. Mais do que meramente caracterizado, Fassbender encarna um Jobs do qual poderia realmente ter sido no mundo real, que vai desde o egocêntrico, pretensioso, calculista, arrogante e inescrupuloso. Porém, o astro faz com que todas essas personalidades sejam gradualmente contestadas por nós, pois lá no fundo temos fé que ele vai baixar a sua guarda, mesmo quando ele não sede em reconhecer os esforços dos seus colegas de trabalho, numa cena da qual facilmente poderíamos tachá-lo como a vilania em pessoa.
Essa nossa fé em surgir um Jobs mais humano e menos arrogante é personificado em sua assistente pessoal Joanna Hoffman que, mesmo que indiretamente, acaba se envolvendo emocionalmente na vida pessoal de Jobs. Kate Winslet dá um show novamente de interpretação, onde ela simplesmente desaparece e dando lugar a Hoffman. Acredite, pois nos primeiros minutos de projeção, você não irá saber onde Winslet está. Não é a toa que nas últimas premiações ela tem sido a grande vencedora e tendo se tornado uma forte concorrente ao Oscar de atriz coadjuvante.
Curto, pretensioso, mas ao mesmo tempo, nenhum pouco ambicioso, Steven Jobs não é um filme que irá mudar a vida de ninguém, mas que com certeza somente irá jogar uma luz sobre quem poderia ter sido protagonista realmente. Um gênio, porém com as suas falhas, mas diferente das suas maquinas que criava, talvez ali houvesse um ser humano que buscava silenciosamente a sua própria humanidade, por vezes perdida.

Me sigam no Facebook, twitter e Google+  

Nenhum comentário: