Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Cine Especial:MARIO BAVA:Maestro do Macabro:Parte 2



Nos dias 10 e 11 de Outubro,  eu estarei no Cine Capitólio,  participando do curso Mario Bava: Maestro do Macabro, criado pelo Cine Um e ministrado pelo doutor em Literatura Inglesa pela Universidade de São Paulo, com especialização em romance gótico, Fernando Brito. Enquanto atividade não chega, irei falar dos principais filmes desse diretor que foi fonte de influência para inúmeros outros diretores como Francis Ford Coppola e Tim Burton. 



As Três Máscaras do Terror (1963)

Sinopse: Nesta obra inesquecível, Mario Bava nos brinda com seu talento em três pequenos clássicos do cinema de horror.
 
Clássico do terror italiano que influenciou as temáticas e o nome da banda britânica Black Sabbath. O longa une dois ícones do gênero: o diretor Mario Bava e o ator Boris Karloff, conhecido mundialmente por sua atuação em Frankenstein de 1931. As Três Máscaras do Terror é um filme de episódios. O primeiro, O Telefone, é uma típica história de suspense, onde Bava cria grande tensão utilizando o ambiente claustrofóbico de um pequeno apartamento. O Wurdalak é o segundo, baseado em uma lenda do folclore russo adaptada pelo escritor Aleksei Tolstoy. Os Wurdalaks são vampiros que sugam o sangue apenas daqueles que amam. O longa é finalizado com o episódio A Gota D’água, um aterrorizante conto envolvendo uma enfermeira gananciosa e uma velha paranormal recém falecida. Destaque para a emblemática caracterização de maquiagem, algo inovador e medonho para os padrões da época. Um filme onde Mario Bava mostra toda sua genialidade utilizando jogos de luz e sombra, cores vivas e enquadramentos minuciosos, garantindo uma sofisticação visual única.
De brinde, é muito divertido da maneira como o filme é finalizado, onde Boris Karloff surge para falar com a gente e enxergamos aonde realmente ele está naquele momento. 
 

Planeta dos Vampiros (1965) 

Sinopse: A trama gira em torno da luta pela sobrevivência dos tripulantes de duas naves que acabam caindo em um planeta insólito e tem que lutar contra uma espécie de parasita invisível capaz de controlar mentalmente os humanos.
 
Estilosa ficção de horror dirigida por Mario Bava em 1965 com atuação da brasileira Norma Bengell (1935-2013), atriz que alcançou sucesso internacional com sua atuação no filme O Pagador de Promessas (1962), filme premiado com a Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1962. Após o prestígio alcançado Norma recebeu então convites para atuar em produções italianas, sendo uma delas este Planeta dos Vampiros, ficção que inspirou nada mais nada menos do que o Alien (1979) de Ridley Scott. O melhor do filme é a atmosfera de tensão criada, além do figurino estiloso e o cenário sombrio. Belo filme, um clássico da ficção de horror. 


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: