Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: RENOIR


Sinopse: Côte d'Azur, 1915. Pierre-Auguste Renoir (Michel Bouquet) é atormentado pela morte da esposa, as dores da artrite e a preocupação com o filho Jean (Vincent Rottiers), que luta na Primeira Guerra Mundial. Eis que surge em sua vida Andrée (Christa Theret), uma jovem bela e radiante que desperta no pintor uma inesperada energia. Rejuvenescido, Renoir a torna sua musa. Quando Jean retorna à casa do pai para se recuperar de um grave ferimento na perna, ele se envolve com Andrée e a torna também sua musa, mas de um sonho ainda distante: o de fazer cinema.

Existem filmes em que efeitos visuais, trilha, ou até mesmo o som acabam roubando a cena do filme e deixando a trama em segundo plano. Contudo, é algo raro de se ver uma parte técnica que serviu tão bem, para sintetizar o universo do protagonista e a bela fotografia apresentada no filme Renoir casa-se muito bem com o possível olhar que o famoso pintor (aqui interpretado pelo ator Michel Bouquet) tinha com relação ao mundo que vivia. Cada cena que surge na tela é uma obra de arte, onde representa muito bem a opinião do pintor numa parte do filme, que jamais usava tinta preta, pois preferia colocar nas telas um mundo agradável e alegre no qual ele enxergava.
Diferente do que muitos imaginam não se trata de uma reconstituição de toda a vida do pintor, mas sim uma parte dela, onde mais precisamente explora a sua relação que ele teve com o seu filho Jean Renoir (Vincent Rottiers), que naquela altura do campeonato, estava mais interessado em servir a pátria do seu país na primeira guerra mundial, do que ser um cineasta de grande prestigio que viria se tornar, gerando clássicos como A Grande Ilusão e A Regra do Jogo. Embora em nenhum momento o filme explore os primeiros passos dele como cineasta, como tão pouco a criação desses filmes citados, a trama vai mais há fundo, no momento que surge na vida do pintor e filho, a jovem modelo e aspirante em ser atriz Andrée (Christa Theret), que se torna a musa do pintor e possível paixão do futuro cineasta. Curiosamente, é a partir da ambição de Andrée em querer ser uma atriz de cinema, que irá começar há surgir nos pensamentos de Jean à idéia de querer filmar, mas a trama se envereda para o inicio desse relacionamento, para a inevitável instabilidade devido às ambições de Andrée.
A interpretação do trio principal é digno de nota, mesmo quando a beleza das imagens por vezes rouba a cena: Michel Bouquet é sem sombra de duvida a alma do filme, ao representar um Renoir em fim de vida, mas que jamais deixa para traz o seu amor pela profissão. Já Christa Theret por pouco não se torna apenas um objeto de decoração nas cenas, já que sua beleza (principalmente quando posa para o pintor) acaba por na maioria das vezes sobrepondo a sua interpretação. Contudo, o seu desempenho melhora e muito quando contracena com Vincent Rottiers, formando uma química em cena perfeita e fazendo surgir inúmeras camadas de interpretação com relação às verdadeiras identidades de seus personagens em relação ao mundo em que eles vivem.
Embora longo em alguns momentos, o filme nos encanta por ser uma declaração de amor para aqueles que amam as pinturas e ao mesmo tempo um pequeno exemplo sobre a força de vontade das pessoas com relação à sua busca pessoal em encontrar um lugar no mundo em que se vive. 

Me sigam no facebook e twitter. 

2 comentários:

Bússola do Terror disse...

Nossa! Só pela forma como você descreveu o visual das cenas já fiquei curioso pra ver.

Marcelo Castro Moraes disse...

Então mate a curiosidade meu amigo.