Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Cine Clássicos: TRON UMA ODISSÉIA ELETRONICA

COM A CHEGADA DE TRON: O LEGADO NOS CINEMAS, RELEMBRAMOS DO PRIMEIRO FILME QUE SE TORNOU CULT NOS ANOS 80  
SINOPSE: Kevin Flynn (Jeff Bridges) é um jovem engenheiro de softwares que trabalham na ENCOM. Sua maior diversão, e também seu trabalho, é elaborar novos jogos de videogame. Kevin sonha em fundar sua própria companhia, mas seus projetos são roubados por Ed Dillinger (David Warner), que os apresenta como se fossem seus. Como resultado, Dillinger é promovido enquanto Kevin precisa abrir uma casa de jogos, com os poucos que lhe restaram. Decidido a provar que foi roubado, Kevin resolve entrar no sistema da ENCOM através de um programa chamado CLU, por ele criado. É quando descobre que Dillinger criou Tron (Bruce Boxleitner), um programa destinado a proteger o Programa de Controle Mestre, que gerencia todo o sistema da ENCOM.

Pode se disser que esse foi o irmão mais velho (bem mais velho) de Matrix. Tron foi uma produção de 1982 com o sobrenome Disney, que segue a tradição de sempre inovar as linguagens cinematográficas existentes. Neste caso os estúdios Disney investiram num novo e promissor ramo da animação, a computação gráfica. Este filme foi o primeiro a usar cenas animadas totalmente feitas por computadores.
Quando Flynn (JEFF BRIDGES) invade a tela principal de seu ex-chefe para provar que foi trapaceado por outro executivo, acaba se envolvendo numa aventura ainda maior. Transformado por um poder, junta-se aos gladiadores computadorizados num jogo mortal e tem que enfrentar Tron (BRUCE BOXLEITNER), um programa especializado em segurança.Juntos, enfrentam a última batalha com o MPC para decidir o destinos dos mundos real e virtual.
Na época, foi comentado que nas filmagens foram usados trechos com "até 3 minutos inteiramente feitos por computadores"!!!. Isto pode parecer muito pouco diante dos atuais filmes totalmente retocados ou até totalmente animados por computadores, mas estes poucos minutos foram os primeiros passos para o futuro da computação gráfica. Foi necessária a criação de novas técnicas para se obter um bom produto e pelo resultado final podemos ver que eles conseguiram um ótimo filme, mesmo com os "rudimentares" equipamentos que dispunham.
Outro ponto em destaque são as soluções gráficas e os argumentos da história. Os argumentos não se prenderam às tecnologias da época, o que faria com que o filme ficasse desatualizado, pelo contrário o filme continua bem atual. Muito poucas modificações seriam necessárias para um "remake", entretanto a Internet é o único ponto que falta na história. As soluções gráficas são belas e não tentam prever um "falso futuro" o que normalmente dá a aparência de um filme antigo ou inverossímil, ao contrario, são atuais, o que dá um impressão de realidade.
O enredo é muito bom, principalmente a analogia que é feita entre as crenças religiosas humanas e as "crenças nos usuários" dos programas que combatem o "Master Control Program". Este filme foi o precursor de outros, que exploram a idéia de "vida digital", tais como: o "Passageiro do Futuro", "Estranhos Prazeres" "Nirvana" e é claro Matrix. Atualmente a Disney está planejando fazer uma continuação, será que está sequencia será tão renovadora quando a anterior? Só o tempo dirá

Nenhum comentário: