Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Cine Dica: Cine Dica: Streaming: 'Sweet Tooth - 1ª Temporada'

Sinopse: A trama é centrada em Gus (Christian Convery), um menino-cervo que vive uma década em segurança em sua casa na floresta. ... Ao passar dos limites de sua cerca, logo o menino descobre que a jornada à frente é mais difícil e perigosa do que imaginava. 

O maior erro de uma adaptação cinematográfica, ou série de tv, de uma HQ ou livro é tentar ser sempre fiel a sua fonte, quando na verdade isso pode causar a perda de sua própria identidade. "O Código Da Vinci" (2006) talvez seja o exemplo genuíno que fidelidade ao extremo pode sim gerar uma adaptação medíocre e não sabendo responder para que veio ao mundo. Felizmente "Sweet Tooth" (2021) não sofre desse mal, ao ser fiel a essência de sua fonte original, mas caminhando de forma independente e até mesmo surpreendendo aqueles que  já leram a HQ.

Produzido por Robert Downey Junior, a série é baseada na elogiada HQ escrita e ilustrada pelo escritor canadense Jeff Lemire, cuja a trama se passa em um mundo pós-pandêmico, onde híbridos entre humanos e animais começaram a nascer. O protagonista Gus, ou Bico Doce (Sweet Tooth), é metade humano, metade cervo, e embarca em uma aventura nesse novo e hostil mundo ao lado do Sr Jepperd (Nonso Anozie).

Em um primeiro momento, os fãs mais ferrenhos podem estranhar o visual da série, já que ela se difere e muito do visual mais sujo e cru criado por Jeff Lemire e sendo apresentado como algo mais colorido e esperançoso. Porém, essa estranheza logo passa no momento em que nos damos conta que a trama é a mesma, porém, menos violenta do que foi vista nas HQ. A violência acontece sim, mas não de uma forma explicita, mas sim tendo consequências e das quais se tornam muito mais chocantes do que qualquer sangue sendo espirrado na tela.

Nos primeiros capítulos vemos o pequeno Gus, aos poucos, dar um passo de cada vez para descobrir, não somente as suas raízes, como também explorar o mundo do qual ele ainda desconhece. A partir do momento que surge Jepperd é que o filme ganha o seu verdadeiro coração pulsante, que é a união desses dois e o início de uma jornada cheia de descobertas. Vale destacar o bom desempenho de Nonso Anozie como Jepperd e cuja sua interpretação e visual acabam se tornando até mesmo superiores de sua fonte original.

Curiosamente, as subtramas são jogadas na tela sem aviso algum, mas logo vamos entendendo que esses personagens que protagonizam elas se tornarão peças fundamentais para o desenvolvimento da jornada de Gus e do qual o mesmo terá que enfrentar trágicas revelações. Falando nisso, é curioso destacar que as verdadeiras raízes de Gus são logo reveladas nesta primeira temporada, sendo que nas HQ isso algo que aconteceu mais para frente. Porém, a série termina exatamente como terminou o primeiro arco de sua fonte original e fazendo a gente esperar com ansiedade pela próxima temporada.

Vale salientar que a série vem justamente em um momento em que o mundo todo vive de uma terrível pandemia e a trama toca exatamente nesta situação. Portanto, tanto nas HQ como na série Gus é uma espécie de entidade pura, sempre pensando para frente, positivamente e quase nunca se desanimando mesmo perante os horrores que estão lhe esperando. Talvez, futuramente, o personagem seja lembrado como uma força de vontade perante as adversidades destes tempos nebulosos que nunca acabam e que nunca é demais ser um pouco esperançoso.

"Sweet Tooth" é uma agradável surpresa, que irá agradar tantos fãs da HQ, como também para aqueles que buscam algo original e que sintetize um pouco esses tempos em que vivemos. 

Onde Assistir: Netflix. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: