Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Cine Dica: "Sinfonia da Necrópole" estreia no CineBancários

No dia 14 de abril, o CineBancários estreia o premiado filme brasileiro “Sinfonia da Necrópole”, o primeiro escrito e dirigido pela cineasta Juliana Rojas. O longa-metragem percorreu o mundo através de festivais e ganhou prêmios importantes, como Melhor Filme escolhido pelo júri do 42º Festival de Cinema de Gramado e Melhor Filme da Competição Latino-americana da Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica (FIPRESCI) do 29º Festival Internacional de Cinema de Mar Del Plata, na Argentina.  
“Sinfonia da Necrópole” será exibido às 15h, 17h e 19h, de terças a domingos. Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$10,00. Estudantes, idosos, pessoas com deficiência, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$5,00.
 SINOPSE:
“Sinfonia da Necrópole” se passa na cidade de São Paulo, onde a rotina do aprendiz de coveiro Deodato muda quando uma nova funcionária chega ao cemitério. Juntos, eles devem fazer o recadastramento dos túmulos abandonados, mas estranhos eventos fazem o aprendiz questionar as implicações de mudar a estrutura do cemitério.
Toda essa trama se desenvolve a partir de números musicais. As letras das canções foram escritas pela própria Juliana Rojas, algumas em parceria com Ramiro Murillo, que também assina a produção musical, coreografia e arranjos das canções e Marco Dutra, co-diretor de vários filmes realizados por Juliana e também responsável pelas composições de “Sinfonia da Necrópole”.
O filme tem fotografia de Flora Dias, a direção de arte de Fernando Zuccolotto e o desenho de som de Daniel Turini e Fernando Henna (premiados no Festival de Paulínia 2011 por seu trabalho no longa-metragem “Trabalhar Cansa”). O elenco é composto por atores do teatro paulistano. Eduardo Gomes (Deodato), ator formado pela EAD - ECA/USP, atuou em montagens da Cia Livre de Teatro e Pessoal do Faroeste e Luciana Paes (Jaqueline), faz parte da Cia. Hiato e foi indicada para o prêmio Shell 2013, pelo monólogo "Ficção #3. Dentre os coadjuvantes, estão atores que trabalharam com a Cia do Latão, Cia São Jorge de Variedades e o CPT de Antunes Filho.


SINFONIA DA NECRÓPOLE”
 Um sinônimo para “Cemitério” é a palavra “Necrópole”, que significa “Cidade dos Mortos”. É um local que carrega uma forte carga simbólica, embora faça parte da cidade, é uma área onde subentende-se que não está sob o nosso domínio, estamos lá como visitantes, para venerar aqueles que se foram. Estar lá nos transporta a reflexões existenciais mas também nos evidencia a brutalidade da matéria, a decomposição da carne.
Os cemitérios possuem, em medidas iguais, elementos assustadores e uma atmosfera pacífica. Por abrigarem sepulturas de diversas épocas, também permitem que se entenda muito sobre a história e a estrutura de classes de uma sociedade. O crescimento populacional torna necessária a expansão desses cemitérios e a presença de uma equipe de funcionários que dê conta do fluxo de óbitos e sepultamentos.     
É do interesse pelas particularidades dessa vida prática da necrópole que nasceu a ideia desse filme. “Sinfonia da Necrópole” busca desenvolver uma crônica bem-humorada sobre essa cidade dentro da cidade. Revela o cotidiano de uma outra cidade (o cemitério) dentro da cidade (no caso, São Paulo), sem deixar de explorar o potencial de fantasia que o cemitério ocupa no imaginário do público.
A escolha de uma história de amor entre personagens pouco convencionais – um aprendiz de coveiro em crise de carreira e uma burocrata do serviço funerário – também surge como possibilidade de explorar as relações humanas dentro de um lugar sem vida.
O uso das canções entra como um elemento de distanciamento na história – cada canção serve para narrar um aspecto diferente desse microcosmos, nos revela os interesses e inquietações de um grupo diferente de personagens. A escolha pelo registro de filme musical também transporta o espectador para uma experiência lúdica – a partir do momento em que se aceita esse elemento anti-naturalista de narrativa, torna-se aceitável também o uso de elementos sobrenaturais.
As letras das músicas foram escritas pela própria diretora, algumas em parceria com Ramiro Murillo, que também assina a produção musical, coreografia e arranjos das canções e Marco Dutra, co-diretor de vários filmes realizados por Juliana e também responsável pelas composições de “Sinfonia da Necrópole”.

FESTIVAIS:
- IV Paulínia Film Festival – Brazil (2014);
- 42º Festival de Cinema de Gramado – Brazil (2014);
- 1º Farol – Festival Internacional de Fortaleza – Brazil (2014);
- Indie Festival BH – Brazil (2014);
- 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – Brazil (2014);
- VII Janela Internacional de Cinema – Brazil (2014);
- X Panorama Internacional Coisa de Cinema – Brazil (2014);
- VI Semana dos Realizadores – Brazil (2014);
- 29º Festival Internacional de Cine de Mar Del Plata – Argentina (2014);
- 7º Maranhão na Tela – Brazil (2015);
- 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes – Brazil (2015);
- 38º Göteborg Film Festival – Suécia (2015);
- 20º Vilnius Film Festival – Lithuania (2015);
- 33º Festival Cinematográfico Internacional del Uruguay – Uruguay (2015);
- Brasil! Une histoire du cinéma brésilien, La Cinémathèque Française – France (2015);
- 22º Festival de Cinema de Vitória – Brazil (2015);
- FICCA – Festival Internacional de Cinema do Caeté – Brazil (2015);

PRÊMIOS:
- (Best Soundtrack) Melhor Trilha Sonora no IV Paulínia Film Festival (2014);
- (Best Feature Film by Critic’s Jury) Melhor Longa-Metragem pelo Júri da Crítica no 42º Festival de Cinema de Gramado (2014);
- (Best Film – FIPRESCI) Melhor Filme da Competição Latino-americana da Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica – FIPRESCI – 29º Festival Internacional de Cine de Mar Del Plata – Argentina (2014);
- (Best Feature Film and Best Film for Interpretation Cast) Melhor Filme de Longa-Metragem e Melhor Interpretação para o Elenco no 22º Festival de Cinema de Vitória – Brazil (2015);
- (Best Script Feature Film) Prêmio de Melhor Roteiro no Geo Saizescu International Film Festival Romania (2015);

FICHA TÉCNICA:
SINFONIA DA NECRÓPOLE
Brasil | 94 min. | COR | 2014
Direção e Roteiro: Juliana Rojas
Elenco: Eduardo Gomes, Luciana Paes, Hugo Villavicenzio, Paulo Jordão,
Germano Melo, Luís Mármora, Adriana Mendonça, Antônio
Veloso e Augusto Pompeo
Produção Executiva: Max Eluard
Direção de Fotografia: Flora Dias
Direção de Arte: Fernando Zuccolotto
Canções: Marco Dutra e Juliana Rojas
com a colaboração de Ramiro Murillo e Natalia Mallo
Arranjos, Coreografia, Direção e Produção Musical: Ramiro Murillo
Preparadora Vocal: Cecilia Spyer
Produção de Elenco: Alice Wolfenson
Montagem: Manoela Ziggiatti
Som Direto: Gabriela Cunha
Desenho de Som: Daniel Turini e Fernando Henna
Mixagem: Paulo Gama
Efeitos, Pós-Produção e Finalização: Quanta Post
Produtores Associados: Filmes do Caixote, Moving Track, D-Cine e Sara Silveira
Apoio: PROAC, Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e TV Cultura
Produção: Avoa Filmes
Distribuição: Vitrine Filmes
Classificação indicativa: 12 anos

GRADE DE HORÁRIOS:
7 de abril (quinta-feira)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

8 de abril (sexta-feira)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

9 de abril (sábado)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

10 de abril (domingo)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

12 de abril (terça-feira)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

13 de abril (quarta-feira)
15h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
17h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba
19h – Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

14 de abril (quinta-feira)
15h – Sessão especial: Festival infantil
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

15 de abril (sexta-feira)
15h – Sessão especial: Festival infantil
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

16 de abril (sábado)
15h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

17 de abril (domingo)
15h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

19 de abril (terça-feira)
15h – Sessão Especial: Festival Infantil
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

20 de abril (quarta-feira)
15h – Sessão Especial: Festival Infantil
17h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas
19h – Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$10,00. Estudantes, idosos, pessoas com deficiência, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$5,00.

Nenhum comentário: