Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Cine Especial: Blaxploitation – O Cinema Negro Americano dos Anos 70: Parte 3



Nos dias 23 e 24 de abril, estarei participando do mais novo curso do Cine Um, intitulado Blaxploitation – O Cinema Negro Americano dos Anos 70, que será ministrado pelo escritor e critico de cinema César Almeida que, por sua vez, já ministrou outros cursos como Mestres & Dragões: A Era de Ouro das Artes Marciais no Cinema e Sam Peckinpah – Rebelde Implacável. 
Enquanto os dias da atividade não chegam, irei postar por aqui sobre os melhores filmes desse subgênero que, posteriormente, influenciou futuros cineastas como Spike Lee e Quentin Tarantino.

BLÁCULA



Sinopse: Um decorador de interiores compra um caixão do príncipe africano Manuwalde mordido pelo Conde Drácula séculos atrás e o traz para Los Angeles, em 1972. Dois colecionadores de antiguidades abrem o caixão e libertam Blácula na cidade. O vampiro encontra Tina, que é a reencarnação de sua esposa Luva, e passa a fazer de tudo para conquistá-la. Um amigo de Tina, Dr.Gordon, descobre que Blacula é um vampiro e resolve caçá-lo.

Em Blácula o tema do vampirismo ficou perfeito ao se misturar com os ícones da cultura negra e foi uma excelente integração alcançada pela produtora, Warner Brothers. A ideia de um representante negro, entre os vampiros foi criada pelo diretor William Craim e o roteiro escrito por Joan Torres e Raymond Koening e quase todas as partes deste filme foram rodadas em Watts, gueto negro da periferia da cidade de los Angeles, exatamente em locais onde já houveram muitos problemas de origem racial e não faltou precaução nesta produção. 
O ator principal William Marshall, possuía uma poderosa presença devido a sua estatura alta, ombros largos e vasto repertório de atuação em peças de Shakespeare, o que elevou a ter  boa dignidade ao interpretar o vilão e conseguir introduzir um personagem como esse até então inédito no universo do subgênero blaxploitation. O filme segue um bom roteiro de terror, aliás muito bom para a época em que foi produzido e exibido, explorando bem a agitada e badalada vida noturna dos guetos negros das grandes cidades norte-americanas e a trilha sonora (composta por Wally Homes) mistura bem o ritmo soul com a atmosfera noturna do terror, deixando visível a idéia central da película, que era mesmo mostrar a cultura e a consciência negra destes bairros poucos conhecidos no mundo.
Embora com criticas mistas, o filme foi um sucesso de bilheteria e rendendo sequências, mas sem o mesmo impacto. 


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

2 comentários:

Bússola do Terror disse...

Não cheguei a assistir esse filme do início ao fim, mas já vi algumas cenas dele aí pela rede.

Marcelo Castro Moraes disse...

Assista Bússola