Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Cine Dica: Sala P.F. Gastal abre o ano com mostra de cultuado documentarista cambojano Entrada

SALA P.F. GASTAL EXIBE MOSTRA DO CINEASTA CAMBOJANO RITHY PANH 

A Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) inicia os trabalhos em 2014 com uma seleção de três obras do importante cineasta cambojano Rithy Panh, concorrente ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro deste ano com seu novo longa-metragem, A Imagem que Falta (2013). A mostra A história em movimento: o documentário de Rithy Panh, realizada em parceria com a Embaixada da França, a Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e o Institut Français, exibe entre os dias 6 e 9 de março Bophana, uma Tragédia Cambojana (1996), A Terra das Almas Errantes (1999) e Papel não Embrulha Brasas (2007).

Levado para um campo de trabalhos forçados pelo Khmer Vermelho aos 15 anos, Rithy Panh conseguiu fugir do Camboja e buscou asilo na França, onde estudou cinema no IDHEC, o Institut des Hautes Etudes Cinématographiques de Paris. Mais conhecido pelos documentários sobre as diversas violências vividas em seu país de origem, como o cultuado S21 - A máquina de morte do Khmer Vermelho (2002), o cineasta também assinou filmes de ficção e outros que apresentam um hibridismo narrativo. A história em movimento: o documentário de Rithy Panh exibe três obras documentais de momentos diferentes da trajetória do cineasta.

Nos filmes, Panh revela a necessidade de encontrar os vestígios do passado cambojano nas histórias de diferentes personagens – herdeiros, sobreviventes ou vítimas do horror que assombrou o país nos anos em que o Khmer Vermelho esteve no governo. As vidas de prostitutas, famílias errantes e amantes apaixonados são investigadas com uma atenção minuciosa e uma rara sensibilidade. Mesmo interessado em radiografar o elemento histórico, Panh jamais abandona o que existe de íntimo e singular em seus personagens. Reverenciada pela crítica como uma das mais importantes da produção atual, a obra do cambojano segue pouco vista no Brasil, restrita a exibições esporádicas em festivais e retrospectivas. Com exibições em DVD, a mostra A história em movimento: o documentário de Rithy Panh oferece aos cinéfilos porto-alegrenses a oportunidade de conhecer um pouco mais da filmografia desse nome incontornável do cinema contemporâneo.

  
GRADE DE PROGRAMAÇÃO
6 a 9 de março de 2013

Bophana, uma Tragédia Cambojana (Bophana, une tragedie Cambodgienne), de Rithy Panh. França/Camboja, 1996, 60 minutos

Sobreviventes de um imenso genocídio, as famílias do Camboja cruzam as trincheiras no meio de minas anti-terrestres para fazerem passar uma rede de fibra ótica. Da fronteira tailandesa até a fronteira vietnamita, esse povo errante atravessará o país, como também sua história. A trincheira efetivamente encontra a presença de milhões de mortos sem sepulturas, com efeito, um espelho que lembra ao mesmo tempo as guerras que de súbito ocorreram no Camboja e a realidade econômica se confronta a este povo. Enquanto trabalham, esses homens e mulheres exprimem suas angústias face a uma violência econômica cotidiana e o desejo de reatar com uma cultura ancestral laminada pelos anos de guerra. Rithy Panh ergue o retrato humano e sensível desses homens e mulheres, que mostram o contraste entre toda a falta de que sofrem essas mulheres e as “auto-estradas da informação” que ligam um mundo subdesenvolvido. Exibição em DVD com legendas em espanhol

 A Terra das Almas Errantes (La Terre des âmes errantes), de Rithy Panh. França, 1999, 100 minutos

Neste documentário realizado como uma pesquisa, Rithy Panh retorna aos anos sombrios do regime Khmer Vermelho no Camboja. Ele segue a narrativa do destino trágico e verdadeiro de um jovem casal de intelectuais que será aprisionado e executado no centro de detenção S21: Bophana e seu marido. Revoltado pela corrupção do regime Sihanouk, o marido de Bophana se reúne com os "maquisards" comunistas. Separados, os dois amantes escrevem numerosas cartas de amor um para o outro. Reencontrando-se antes da queda de Phnom-Penh, a felicidade de ambos dura pouco. Denunciados, detidos, torturados e coagidos com mentiras, o casal é executado em 1976. A partir das correspondências, fotos e textos encontrados à cerca do caso no S21, Rithy Panh encaminha sua pesquisa e percorre a narrativa emblemática da história trágica de todo um povo. Exibição em DVD com legendas em espanhol.

Papel não Embrulha Brasas (Le Papier ne pas peut envelopper la braise), de Rithy Panh. França, 2007, 86 minutos

O cineasta cambojano acompanha o processo de exclusão social de uma prostituta, que sente-se impedida de voltar à cidade natal por medo de que os habitantes saibam o que ela fazia para sobreviver em Phnom Penh. Neste contexto, a decadência do corpo iguala-se a uma espécie de morte civil. Exibição em DVD com legendas em português.

GRADE DE HORÁRIOS
6 a 9 de março de 2013
  

6 de março (quinta-feira)
17:00 – A Terra das Almas Errantes
19:00 – Papel não Embrulha Brasas

7 de março (sexta-feira)
15:00 – Papel não Embrulha Brasas
17:00 – A Terra das Almas Errantes
19:00 – Bophana, uma tragédia cambojana

8 de março (sábado)
15:00 – A Terra das Almas Errantes
17:00 – Bophana, uma tragédia cambojana
19:00 – Sessão Aurora (Louca Paixão, de Paul Verhoeven)

9 de março (domingo)
15:00 – Papel não Embrulha Brasas
17:00 – A Terra das Almas Errantes
19:00 – Bophana, uma tragédia cambojana

Nenhum comentário: