Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Cine Especial: LUTO: Michael Clarke Duncan (1957 – 2012)

A primeira vez que eu vi, foi na superprodução Armageddon, e mesmo sendo coadjuvante, ele se destacou não só pelo tamanho e força, mas por passar uma doçura incomum. Esses dotes foram suficientes, para conseguir o papel que o consagraria em A Espera de um Milagre(veja a baixo), mas que infelizmente não foi o suficiente para que ele ganhasse mais papeis que explorassem outras facetas como ator. Duncan se foi, mas sempre nos lembraremos com carinho, daquele grandão milagroso que passava esperança para todos.        

À Espera de um Milagre

Sinopse: 1935, no corredor da morte de uma prisão sulista. Paul Edgecomb (Tom Hanks) é o chefe de guarda da prisão, que tem John Coffey (Michael Clarke Duncan) como um de seus prisioneiros. Aos poucos, desenvolve-se entre eles uma relação incomum, baseada na descoberta de que o prisioneiro possui um dom mágico que é, ao mesmo tempo, misterioso e milagroso.

Frank Darabont  pegou gosto em fazer filmes baseados nas obras de  Stephen King, pois além desse, ele produziu e dirigiu Um Sonho de Liberdade e o impressionante Nevoeiro. Aqui, o gênero fantástico do escritor, se mistura com uma historia de prisão incomum, onde se explora o caráter dos personagens e até onde se pode saber a verdadeira natureza de cada um deles. Paul Edgecomb (Tom Hanks, ótimo como sempre) se depara com um terrível dilema, que é cumprir o seu dever, e levar um dia ao corredor da morte, John Coffey (Michael Clarke Duncan), que surpreendentemente,  passa uma bondade incomum (mesmo com um tamanho e força que intimide) e por possuir dons de cura.
Sendo um filme de prisão, encontramos os típicos elementos básicos, como um carcereiro que não vale nada e elementos que fazem agente se simpatizar com cada um dos prisioneiros.  O que rouba cena (fora a interpretação estupenda de Duncan) é a presença de um simpático ratinho, que irá acabar se tornando peça chave indispensável da trama. Na época de lançamento, o filme acabou não ganhando o merecido reconhecimento (mesmo sendo indicado a 4 Oscar), mas acabou ganhando prestigio, conforme os anos foram passando. Atualmente, está na lista das melhores adaptações das obras de Stephen King para o cinema. 



 Me  Sigam no Facebook e Twitter

Nenhum comentário: