Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de abril de 2021

Cine Especial: Oscar 2021: 'White Eye'

Sinopse: Nas ruas de Israel, um homem encontra sua bicicleta que havia sido roubada, descobrindo que agora ela pertence a um imigrante. 

O clássico "Ladrões de Bicicletas" (1948) retratava um homem e seu filho em busca de sua bicicleta roubada e sendo que o veículo era o único meio de trabalho que sustentava a sua família. O filme é um retrato de uma Itália ainda abatida após a Segunda Guerra Mundial e que sintetiza o desespero de um povo em busca de sobrevivência através do pouco que tinha em mãos. Assim como o clássico Italiano, o curta israelense “White Eye”(2021) gira também em torno de uma bicicleta, mas cujo os desdobramentos da trama fazem a gente repensar o quanto estamos perdendo a nossa própria humanidade nos dias de hoje.

Com direção assinada por Tomer Shushan, “White Eye” foi um dos vencedores da seção de curtas no último SXSW. A premissa é simples: um homem perde sua bicicleta e a descobre em posse de outra pessoa, o que a leva a acreditar que o veículo foi roubado. Porém, reaver a bicicleta irá desencadear eventos irreversíveis.

Embora com meros vinte minutos o diretor Tomer Shushan surpreende pela sua segurança com uso da câmera, já que a trama é toda construída sem nenhum corte, ou seja, em plano-sequência bem criativo e que não deve em nada a longas recentes como no caso de "1917" (2020). É curioso, por exemplo, alguns detalhes que são vistos ao fundo do cenário principal, desde um grupo de amigos conversando, como também uma prostituta da qual achamos por um momento que irá participar da história. São elementos que nos chama atenção, mas que não interferem na trama principal, pois esses personagens secundários podem ser unicamente uma representação do mundo seguindo em frente enquanto os eventos que giram em torno da bicicleta acontecem.

A trama, diga-se de passagem, é uma síntese do mundo contemporâneo atual, cada vez mais preso ao sistema cheio de regras com relação aos imigrantes e revelando o lado desumano de cada um dos seus países. O protagonista, por sua vez, percebe logo em seguida que está perdendo a sua dignidade unicamente por querer reaver a sua bicicleta, mas é através do possível infrator que ele irá descobrir um outro mundo que estava por detrás das cortinas. Ao final, a bicicleta se torna um mero objeto obsoleto, enquanto vidas tentam sobreviver a todo custo, mesmo que na surdina e distante dos olhares da justiça hipócrita, burocrática e corrupta.

Indicado ao prêmio de melhor Curta Metragem no próximo Oscar, "White Eye" fala sobre egoísmo e a falta de amparo pelo próximo em tempos nebulosos.  


Nota: Curta visto online na 30ª edição do Festival Curta Cinema, em março de 2021. 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: