Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Cine Dica: Durante a Quarentena Assista: 'Crimes de Família'

Sinopse: Alicia (Cecilia Roth) é uma mãe que se encontra desesperada para fazer com que seu filho Daniel (Benjamín Amadeo), acusado de tentar matar a ex-mulher, não seja preso. Durante o processo, Alicia acaba descobrindo algo que mudaria o rumo de sua vida para pior. 

Tanto "Casa Grande" (2014) como "A Que Horas Ela Volta?" (2015) foram filmes brasileiros que melhor souberam levar para as telas o real papel entre patrões e empregados em território nacional e que em alguns casos, infelizmente, não é das mais amistosas. Além de colocar na mesa o lado hipócrita desse quadro, há também questões muito mais espinhosas e que, aos poucos, o cinema novamente nos revela e para assim obtermos uma boa dose de reflexão.  Eis que então chega o filme argentino "Crimes de Família" e que nos mostra que horror vindo de dentro da própria casa pode sim ser combatido, desde que o bom senso fale mais alto.

Dirigido por Sebastián Schindel, o filme acompanha Alicia, interpretada pela atriz Cecilia Roth do filme "Dor e Glória" (2019), uma mãe que se encontra desesperada para fazer com que seu filho Daniel (Benjamín Amadeo), acusado de tentar matar a ex-mulher, não seja preso. Durante o processo, Alicia enfrentará algo também vindo de sua empregada e gerando desdobramentos imprevisíveis dentro de sua vida.

De forma muito bem dirigida, onde destaco apresentação dos personagens principais através de retratos no início do filme, Sebastián Schindel cria duas linhas narrativas, mas das quais ambas envolvem os mesmos personagens. Na medida em que a trama avança, logo estas duas linhas se entrechocam e revelando do porquê aqueles personagens terem chegado até aquele ponto. As revelações são surpreendentes, muito embora não se revele a real face de determinados personagens de imediato, mas sim de forma gradual e para que assim possamos julgá-los melhor.

Neste último caso, isso é sintetizado pela presença da protagonista Alicia, da qual podemos em um primeiro momento julgá-la de forma precipitada, pois no primeiro ato da trama ela age pelo coração e quase nunca pela razão. Porém, aos poucos, ela percebe que sua realidade em volta existia somente uma camada fina que a separava da real verdade que estava bem a sua frente, mas da qual ela ignorava devido aos laços de sangue. Cecilia Roth dá um verdadeiro show de interpretação, pois a sua personagem é alguém que vive em volta de recursos, mas não os suficientes para comprarem os seus princípios e nos surpreendendo ao vermos a mesma amadurecendo com relação a isso.

O filme nos lança em um debate sobre até que ponto podemos proteger os nossos entes queridos e reconhecer que os mesmos precisam sim serem julgados pelos seus atos. Ao mesmo tempo, o filme retrata o lado cru do estado contra os empregados domésticos, assim como a justiça é, por vezes, ineficaz para ajudar mulheres que precisam serem ouvidas contra a tirania e a insanidade vinda do próprio homem. O filme, portanto, toca em diversas feridas, mas que também nos mostra como elas podem serem cicatrizadas.

"Crimes de Família" é um retrato de um caso policial, mas que pode muito bem representar diversos pelo mundo a fora, mas que ainda não nos damos conta. 

Onde Assistir: Netflix  


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: