Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: MARESIA



Sinopse:O perito em arte Gaspar Dias (Júlio Andrade) é obcecado pelo trabalho do pintor Emilio Vega. Certo dia, ele encontra Inácio Cabrera, que diz ter conhecido o ídolo de Gaspar. No entanto, o perito tem dúvidas e busca mais informações.
Na mágica sempre há um truque, mas que dificilmente a pessoa comum percebe, pois ela está mais interessada na surpresa e não na forma da qual ela é criada. O desaparecimento do mágico é então a façanha mais surpreendente, pois após o número, o que assiste observa o chão ou acima para ver de que forma ele conseguiu tamanha façanha. Embora Maresia não trate desse assunto, acompanhamos os motivos que levaram o desaparecimento do pintor Emilio Vega que, num passe de mágica, desaparece nas águas de uma praia, mas toda mágica há o seu truque.
Dirigido por Marcos Guttmann acompanhamos a trama em duas linhas distintas. Na primeira, acompanhamos o perito em arte Gaspar Dias (Júlio Andrade), que vive em busca das artes de Emilio Vega, um grande pintor que vivia na região e que suas artes podem estar espalhadas em diversos lugares. Já á segunda linha da história acompanhamos o dia a dia do próprio Emilio Vega (também interpretado por Júlio Andrade), que vive de pintar quadros com relação à paisagem do qual vive, mas que ao mesmo tempo enfrenta os seus demônios interiores.
Embora num primeiro momento a história possa parecer simples, é na direção de Guttmann que se encontra o coração da obra, já que ele não nos apresenta uma direção convencional, mas sim de uma forma pessoal e que faça com que a gente presta atenção em cada cena, como se fosse um número de magia. O presente e o passado trocam de lugar durante a projeção sem prévio aviso e fazendo com que montemos mentalmente um quebra cabeça, principalmente com relação a cada um dos personagens apresentados nela. Se você desviar o olhar, irá perceber que perdeu então o fio da meada e daí começa a se perguntar quem é quem no presente e quem é a sua contra parte em histórias passadas.
Claro que um filme com uma proposta como essa somente funcionária também graças a um ótimo elenco, ao começar por Júlio Andrade: versátil e dono de uma presença forte, Andrade simplesmente some na pele, tanto do personagem Gaspar, como do próprio pintor Vega, sendo que esse último o interprete simplesmente some de cena e dando lugar exclusivamente ao personagem, que mais parece uma entidade da natureza pronta para explodir e que vai contra a realidade de sua volta. Porém, não há como negar que a presença de Pietro Mario que, ao interpretar o misterioso personagem Inácio Cabrera, crie então um elo, do qual envolve tanto ele, como Gaspar Dias e o enigmático Vega do passado.
Claro que a pessoa mais atenta irá desvendar o mistério que envolve esses três (?) personagens. Mas até lá, Marcos Guttmann foi habilidoso ao criar elementos dos quais a gente interpretasse como certos, quando na realidade eles estavam somente ali para obscurecer o óbvio. Quando o passado e o presente finalmente se encontram numa simbólica cena num prédio abandonado, tudo então faz sentido, mesmo quando ela soa meio que inverossímil. 
Embora curto, Maresia é um filme que possui tantos elementos simbólicos, que faz com que tenhamos sempre desejo de  revisitá-lo.   



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: