Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: O FILHO ETERNO



Sinopse: O casal Roberto (Marcos Veras) e Cláudia (Débora Falabella) aguarda ansiosamente pela chegada de seu primeiro bebê. Roberto, que é escritor, vê a chegada do filho com esperança e como um ponto de partida para uma mudança completa de vida. Mas toda a áurea de alegria dos pais é transformada em incerteza e medo com a descoberta de que Fabrício, o bebê, é portador da Síndrome de Down. A insatisfação e a vergonha tomam conta do pai, que terá de enfrentar muitos desafios para encontrar o verdadeiro significado da paternidade.

Filmes brasileiros recentes como, por exemplo, Pequeno Segredo, é criado plasticamente para nos emocionar, mas que não vai muito além. Independente do gênero, o filme é predestinado a criar uma reação em nós, mas ao mesmo tempo deixar uma mensagem nas entrelinhas, como se fosse uma mensagem dentro de uma garrafa e para que então fosse decifrada com o passar do tempo. O Filho Eterno é uma obra que nos conduz a emoção, mas que soa previsível e com o tempo dispensável.
Dirigido por Paulo Machline (do bom Trinta), o filme começa com o casal Roberto (Marcos Veras) e Cláudia (Débora Falabella) indo para o hospital para darem a luz ao seu primeiro filho e em plena decisão da Copa do Mundo de 1982. A criança nasce, mas logo são avisados que o pequeno bebê é portador da Síndrome de Down. Imediatamente Roberto fica sem chão e perde até mesmo o gosto de assistir futebol.
A trama em si possui começo, meio e fim, onde ela é dividida em capítulos e que cada uma começa com uma decisão de Copa do Mundo como pano de fundo. O futebol em si acaba meio que sendo ignorado pelo protagonista, já que ele entra num longo período de não conseguir aceitar o fato que o seu filho Fabrício (Pedro Vinícius) sofrer de Síndrome de Down, mesmo quando ele tenta administrar essa situação ao lado de sua esposa. No decorrer da trama, Roberto passa por fases desse percurso, do qual faz com que fiquemos com raiva dele, mas que ao mesmo tempo compreendemos o peso que ele sente.
É o típico personagem que o público irá gostar ou odiar pelas suas ações, mas também muito se deve isso graças ao bom desempenho do ator Marcos Veras. Com pouco menos de uma hora de projeção, o ator passa toda uma camada de interpretação com relação ao seu personagem que, transita em tentar praticar o bem para cuidar do seu filho, mas ao mesmo tempo com o desejo de largar tudo e abraçar uma nova vida ao lado de uma nova mulher (Uyara Torrente, ótima). Embora soe, por vezes, exagerado esse calvário, Veras se sai muito bem ao dizer através de sua interpretação que seu personagem é apenas humano, cheio de falhas, mas que aprenderá com o tempo com os seus próprios erros.
Contudo, Débora Falabella é que acaba roubando a cena, mesmo quando ela dava sinais de que sua personagem seria apenas uma coadjuvante. Quando a gente, por exemplo, acha que sua Cláudia leva até mesmo tudo muito na esportiva, sua personagem se entrega ao desabafo quando vê o seu marido numa total fase de mesquinharia. É um momento singelo, forte e que sintetiza todo amor que sua personagem tem pelo seu filho. 
Infelizmente quando Roberto começa a demonstrar interesse e amor por Fabrício, é numa situação, cuja solução é uma das mais previsíveis e já vistas muito bem em outros filmes.  Isso causa uma sensação de artificialidade e até mesmo fazendo nos dar conta que os seus realizadores se esforçam para a gente ter que se emocionar nesse momento chave da trama. E se isso soa um tanto que artificial, o retorno do interesse de Roberto pelo futebol só não é pior porque, tanto o interprete Marcos Veras como também  o pequeno interprete Pedro Vinícius se esforçam para que a sequência final se encerre com certa dignidade e se case com a proposta inicial do prólogo da trama. 
O Filho Eterno pode até valer o ingresso, mas que infelizmente fica a sensação após a sessão que nos foi passado algo meio insípido.
 



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: