Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: HOMEM FORMIGA



Sinopse: Dr. Hank Pym (Michael Douglas), o inventor da fórmula/ traje que permite o encolhimento, anos depois da descoberta, precisa impedir que seu ex-pupilo Darren Cross (Corey Stoll), consiga replicar o feito e vender a tecnologia para uma organização do mal. Depois de sair da cadeia, o trambiqueiro Scott Lang (Paul Rudd) está disposto a reconquistar o respeito da ex-mulher, Maggie (Judy Greer) e, principalmente, da filha. Com dificuldades de arrumar um emprego honesto, ele aceita praticar um último golpe. O que ele não sabia era que tudo não passava de um plano do Dr. Pym que, depois de anos observando o hábil ladrão, o escolhe para vestir o traje do Homem-Formiga.


Muitos reclamam que a Marvel somente usa a velha fórmula de sucesso de sempre (aventura com toques de humor) desde o seu primeiro Homem De Ferro (2008), mas que pelo visto tem dado muito certo. Na realidade o estúdio bem que ousa em arriscar algo de novo, principalmente no caso de levar para o cinema personagens desconhecidos pelo público em geral, como foi no caso de Guardiões das Galáxias do ano passado e rendeu um grande sucesso. Agora, adaptar um personagem como o Homem Formiga que, embora tenha sido membro fundador dos Vingadores, sempre foi um personagem que sozinho nunca conseguiu segurar uma HQ solo e sem duvida esse poderia ser o primeiro grande tiro no pé do estúdio.
Poderia, porque a Marvel acerta novamente, mesmo com as jaz conhecidas diferenças criativas que o estúdio teve com o diretor Edgar Wright (Todo Mundo Quase Morto) e contratando em seu lugar o diretor de comédias Peyton Reed (Sim Senhor!). A troca não poderia deixar de ser mais do que acertada, pois Reed respeitou a visão original que Wright tinha com relação ao universo do personagem e preservou muito daquilo que ele havia criado: filme de aventura familiar com boas doses de humor certeiro.
O filme resgata um pouco daquele clima de filme de aventura ao estilo “sessão da tarde”, sendo que, não é a toa que a trama começa justamente nos anos 80, época mais dourada para esse gênero. O filme já dá entender que é também conectado ao universo já estabelecido da Marvel no cinema, mas que felizmente, isso se torna um mero detalhe no decorrer do filme e não lhe exige que você seja obrigado a assistir o que já passou no cinema (diferente do que aconteceu no último Vingadores). Aliás, é preciso dar uma salva de palmas para os técnicos de efeitos visuais, ao apresentar um Michael Douglas rejuvenescido e idêntico o da época de quando ele ganhou um Oscar pelo filme Wall Street.
Voltando ao presente, descobrimos que o Dr. Hank Pym (Douglas) tenta a todo o custo em fazer com que o seu invento de encolhimento não caia nas mãos do ambicioso e ex-pupilo Darren Cross (Corey Stoll). Para isso, recorre ajuda a sua filha Hope Van Dyne (Evangeline Lilly) e a um ex- presidiário Scott Lang (Paul Rudd), especialista em roubos, mas que procura uma forma de se redimir e voltar a rever a sua filha. A reunião do trio se cria mais do que uma aliança, mas uma forma de resolver os problemas familiares que cada um deles tem.
É ai que vem o grande charme desse filme, pois a ação, pelo menos na primeira uma hora da trama, é deixada um pouco de lado, para dar espaço às típicas histórias de conflitos entre pais e filhos que, embora previsíveis, aqui funcionam como uma beleza e se casam muito bem com as cenas de humor, que por sinal são muitas. É muito divertido ver o velho Homem formiga ensinando passo a passo o seu sucessor, desde a maneira melhor de usar a sua roupa especial (a cena da fechadura é hilária), como também saber controlar e pedir ajuda as inúmeras formigas que existem.  Neste ponto, os efeitos especiais são fantásticos, mostrando inúmeros detalhes desse mundo diminutivo e nos brindando então com um novo olhar desse universo estabelecido do estúdio.
Em termos de ação, o filme não deixa nada a desejar, mesmo não tendo a mesma escala de grandiosidade de filmes como Vingadores. As cenas que vemos o protagonista aumentando, diminuindo e enfrentando os vilões são dinâmicas e se casando muito bem com uma montagem de cenas frenéticas. Difícil dizer qual é a melhor sequência, mas aquela cena em que o herói e vilão (Jaqueta Amarela) se enfrentam em meio aos brinquedos de um quarto, para se encaminhar para momentos imprevisíveis, serve somente para provar o quão longe o personagem pode chegar dentro do cinema, desde que seja muito bem dirigido.
Com pistas que dão a entender que o personagem irá futuramente se interagir cada vez mais com os personagens já estabelecidos do universo cinematográfico da Marvel, Homem Formiga é uma prova que aventuras de super heróis no cinema podem ser tanto descompromissadas, como também ricas em detalhes dos quais nós meros mortais não enxergamos ao olho nu.  


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: