Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: A TEORIA DE TUDO



Sinopse: Baseado na biografia de Stephen Hawking, o filme mostra como o jovem astrofísico (Eddie Redmayne) fez descobertas importantes sobre o tempo, além de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge Jane Wide (Felicity Jones) e a descoberta de uma doença motora degenerativa quando tinha apenas 21 anos.


Em 2001, foi lançado o filme Uma Mente Brilhante, que retratava a vida do gênio matemático John Forbes Nash que, embora tenha revolucionado a teoria de jogos, sofria de esquizofrenia. Mesmo com esse problema, Nash seguiu em frente e veria os seus feitos darem frutos ao ganhar o prêmio Nobel em 1994. Claro que, uma história como essa nas mãos do cinema americano, sempre ocorre do roteiro ser mais convidativo (no caso de Nash no cinema, foi descartado a possibilidade dele ter sido gay) para assim ter o seu público.
Isso ocorre exatamente em Teoria de Tudo, em que retrata os primeiros anos em que o gênio Stephen Jawking (Eddie Redmayne) se destacou com as suas incríveis teorias sobre os buracos negros e a origem do universo, mas que infelizmente começou a sofrer de uma doença motora degenerativa quando tinha apenas 21 anos. Claro que somente isso não seria o suficiente para conquistar o público e, portanto o filme não se aprofunda como um todo sobre carreira de Jawking, mas sim no seu relacionamento com a sua mulher Jane Wide (Felicity Jones) que, mesmo com todos os problemas do seu companheiro, decidiu abraçar o que realmente sentia por ele. Tem-se então o palco formado para conquistar o cinéfilo que assiste, onde vemos o protagonista superar as suas limitações, se tornando um símbolo de superação e ganhando apoio de seu amor.
Ou seja, é um filme que os membros da academia adoram premiar, mas como o tempo é implacável, por vezes acaba se tornando um típico filme lacrimoso da Sessão da Tarde. Porém, A Teoria de Tudo não cai exatamente nesta típica armadilha e isso muito se deve ao elenco, em especial a Eddie Redmayne: dava pouco crédito a esse jovem ator quando o conheci no filme Sete Dias com Marilyn, mas aqui, ele simplesmente desaparece, dando lugar a imagem de Stephen Jawking e mesmo não pronunciando uma palavra sequer quando protagonista se encontra no seu pior momento com relação à doença, nos enxergamos todo o esforço que ele quer passar para nós através dos seus olhos expressivos. 
O desempenho de Redmayne, porém, somente tem êxito por completo graças a presença da atriz Felicity Jones que, ao interpretar a esposa do astrofísico, nos faz como se estivéssemos ao seu lado e sentir todas as dores, frustrações e forças que ela tenta trazer para fora, para então conseguir contornar todos os obstáculos que terá de travar. Claro que o olho mais atento irá perceber certa semelhança de sua personagem com a da esposa de John Nash de Uma Mente Brilhante, que foi interpretada por Jennifer Connelly. Porém Felicity Jones faz a diferença: a cena em que a sua personagem tenta fazer com que Stephen tente se comunicar através com as piscadas dos olhos é extremamente tocante.
Voltando a forma que o filme foi produzido para conquistar uma fatia do público, lamento com relação ao fato de não terem retratado um Stephen Hawking como um ateu ferrenho, pois a sua área não há espaço (segundo ele) para um ditador celestial. Embora eu seja católico, admiro pessoas que batem de peito aberto e se mantém fiéis com relação ao mundo em que vive e mesmo ele não crendo em Deus, não iria deixar de respeitar menos a imagem desse incrível gênio. Mas o filme foi pensado para ser visto pela massa e o Stephen Hawking visto aqui, é um homem que vive da lógica, mas que sabe criar determinadas linhas subliminares, fazendo com que a gente acredite que, ele respeita no que as pessoas acreditam, principalmente no que sua esposa acredita.
Com um belo documentário no currículo (O Equilibrista), James Marsh criou o filme A Teoria de Tudo para agradar a todos, sejam pessoas céticas ou religiosas. O que faltou talvez para o cineasta fosse coragem, em apresentar ao público em geral, um Stephen Hawking totalmente livre dos laços com relação a crenças religiosas, mas que independente disso, ganharia de qualquer forma o nosso respeito, graças a sua força, determinação e pela proeza de ter criado o seu próprio milagre.  



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: