Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de março de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: HITCHCOCK



Sinopse: Adaptação do livro "Alfred Hitchcock And The Making Of Psycho". Retrata os bastidores do clássico do suspense Psicose (1960), com foco no romance entre o diretor Alfred Hitchcock (Anthony Hopkins) e sua esposa e parceira Alma Reville (Helen Mirren).

Se hoje curtimos certos filmes, em que o primeiro nome que vem à mente é do próprio diretor, muito se deve isso a Alfred Hitchcock, pois ele é considerado um dos primeiros autores na direção, no qual colocava sua visão pessoal de fazer filmes na tela do cinema. Sua filmografia é vasta, na maioria positiva e que fez escola: Brian de Palma (Dublê de Corpo, Vestida para Matar) é talvez o melhor exemplo e o mais bem lembrado de todos, pois o seu modo de filmar lembra bastante os métodos de filmagens mestre do suspense. Atualmente, o diretor é mais conhecido do que nunca, mesmo depois de mais de trinta anos após sua morte e, portanto era questão de tempo que houvesse um filme que retrate (em parte) a sua vida.
Baseado no livro "Alfred Hitchcock And The Making Of Psycho", o filme explora um pouco os bastidores das filmagens, daquele que seria um dos seus maiores sucessos (Psicose), mas diferente do que muitos imaginam, o filme se concentra mais na relação do cineasta com a sua esposa Alma Reville (Helen Mirren, competente como sempre). Se por um lado isso possa parecer um tanto que frustrante, do roteiro não se concentrar no dia a dia das filmagens, por outro somos brindados pelo bom desempenho do casal: Anthony Hopkins cada vez melhor, depois do seu retorno da aposentadoria e aqui finalmente parece se afastar da imagem do seu mais famoso personagem (Hannibal Lecter). Hopkins interpreta com elegância esse ícone da sétima arte, onde até mesmo imita os trejeitos que ele possuía, embora o nariz empinado incessante do ator tenha me incomodado um pouco, assim como a sua maquiagem pesada, que visivelmente lhe incomodava.
Mas é Helen Mirren que da o show de interpretação e honra com justiça uma peça chave do sucesso do cineasta que foi Alma Revile. Sem ela, Hitchcock talvez não tenha tido o mesmo sucesso que teve, pois Alma dava as suas sugestões certeiras, tanto no roteiro como na montagem e Mirren passa essa sensação de que ela foi realmente à muleta de ajuda do diretor. Com isso, o roteiro mostra essa parceria em desequilíbrio, no momento em que Alma decide ajudar na criação de um roteiro para outro roteirista, despertando então um ciúme escondido do cineasta, que ao mesmo tempo começa a enfrentar os seus demônios interiores. Falando neste ultimo, é um momento em que o filme aproveita, mas logo vai sendo esquecido, sendo que muitos se perguntam para onde foi parar.
Em vez de terem se concentrado em algo que seria dispensável em seguida, deveriam então ter explorado mais os coadjuvantes, sendo que a maioria deles está muito bem: Scarlett Johansson surpreende pela caracterização perfeita de Janet Lee, assim como James D'Arcy, uma reencarnação perfeita de Anthony Perkins, numa cena que sintetiza muito bem o do porque de Hitchcock ter escolhido ele para um personagem tão complexo. Os poucos momentos que esses personagens secundários surgem em meio à retratação das filmagens do filme, são dignos de nota (a reconstituição de como foi à filmagem do chuveiro é perfeita) e que nos faz lamentar mais ainda pelo fato da produção não ter se concentrado nestes momentos. Curto, redondinho e com um final que nos brinda com uma cena deliciosa, onde o cineasta se diverte e se satisfaz com o resultado final de sua cria, mas que ao mesmo tempo, a trama termina de um modo bem previsível e com um verdadeiro clima de final de novela. Se não fosse por esses altos e baixos, o filme faria jus à imagem do mestre do suspense, mas no final das contas é uma pequena homenagem e sem muitas pretensões. 

Me Sigam no Facebook e Twitter: 

Nenhum comentário: