Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Cine Dicas: Em Blu-Ray - DVD – VOD (19/07/17)



Fragmentado
 Leia a minha crítica já publicada clicando aqui.


 A Longa Caminhada de Billy Lynn



Sinopse: O jovem Billy Lynn (Joe Alwyn) tem apenas 19 anos e parte para a Guerra do Iraque, onde integra um esquadrão que se safa de um conflito que dura poucos minutos. A ação é toda registrada pelos noticiários e nos Estados Unidos eles são considerados heróis. De quebra o grupo ganha uma homenagem no badalado intervalo de um jogo no estádio do time de futebol americano Dallas Cowboys.
Ang Lee disse uma vez o que mais lhe chamou atenção no livro de Ben Fountain, do qual deu origem a esse filme, foram dois elementos: De um lado a Guerra do Iraque e do outro o contraste com a celebração pródiga do “Made in America”, organizada para os soldados. “De um lado, é a realidade, a guerra, e do outro, é a celebração, que tão pouco tem a ver com o conflito real”, afirmou o diretor.
Embora o filme retrate a Guerra do Iraque, Lee falou que “nada tem a dizer a respeito” do conflito que causou tanta controvérsia. “Todos nós concordamos que a guerra é ruim, não tem como discordar disso”. Para Lee o que interessa é “a história humana”, que existe por trás desse conflito.
A Longa Jornada de Billy Lynn é o primeiro filme rodado originalmente em 120 quadros por segundo, em 3D, com resolução digital 4K, uma nova tecnologia que Lee se atreveu a explorar, porque queria tornar o filme uma “experiência mais real”.“É uma nova forma de arte, uma nova linguagem, que torna o filme mais atraente”, falou, para depois concluir que ficou “muito feliz com o resultado alcançado”.



  Kong: A Ilha da Caveira
Leia a minha crítica já publicada clicando aqui.


Nenhum comentário: