Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Estrelas Além do Tempo

Sinopse:Três mulheres negras se destacam no trabalho matemático. Elas são contratadas pela NASA durante a corrida espacial entre Estados Unidos e Rússia. A missão delas é criar um programa tecnológico para fazer do astronauta John Glenn ser o primeiro a entrar em órbita.



A guerra fria, por vezes, mais parecia uma disputa entre egos governamentais do que uma guerra silenciosa e da qual poderia explodir a qualquer momento. Quando os russos conseguiram colocar o seu primeiro homem em orbita, imediatamente nasceu uma corrida desenfreada do governo norte americano em conseguir obter tal feito e chegar à frente deles para a conquista da lua. O que muitos não sabem é que surgiram muitos gênios a frente daquele tempo, que ajudaram o país a conseguir tal feito e Estrelas Além do tempo explora algum desses personagens obscuros da história.
Dirigido por Theodore Melfi (Um Santo Vizinho) acompanhamos a trajetória de três grandes amigas que, por serem gênios da matemática, são contratadas para trabalharem na NASA. Ao chegarem lá, cada uma tem a tarefa de ajudar nos cálculos, nos trabalhos dos computadores e para assim o obter o melhor resultado para ajudar os astronautas dentro dos foguetes quando fossem lançados. Porém, por serem negras, acabam sofrendo um grande preconceito entre os seus colegas, numa época em que os EUA ainda eram divididos devido ao preconceito.
Mais do que uma reconstituição dos fatos ocorridos, o roteiristas aproveitaram ao máximo para explorar como era aquela sociedade dividida naquele período, onde bebedouros, banheiros, restaurantes, por exemplo, eram divididos para que os brancos ficassem de um lado e os negros do outro. Se muitos reclamam que ainda há muita intolerância hoje em dia, é porque desconhece um pouco da história e o filme, mesmo em menor grau, obtém um retrato preciso sobre certos absurdos que eram impostos naquele tempo. Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) são exemplos de muitas pessoas que sofreram preconceito na época, mas que lutaram a todo custo para obterem um lugar ao sol, mesmo quando as leis as faziam tomarem direções para contornar certos obstáculos. 
Uma vez as três em meio ao poderio branco, cada uma exerce uma função da qual faz com que os seus superiores prestem atenção em cada uma delas. Katherine Johnson (Taraji P. Henson), por exemplo, possuía uma mente muito a frente do seu tempo e não demoraria que os seus dons da matemática chamassem atenção do seu superior Al Harrison (Kevin Costner), sendo que esse último vive obcecado em poder ajudar o governo em conseguir enviar um americano ao espaço. É curioso observar que, por mais que seja talentoso, o ator Costner sempre interpreta o mesmo tipo de personagem desde o tempo de JFK, mas que nos fascina, mesmo numa atuação que soe mais do mesmo.
O ato final reserva momentos emocionantes, principalmente pelo fato que o grande feito da NASA ter conseguido enviar um homem ao espaço, não foi vindo de uma façanha feita por apenas um, mas por inúmeras pessoas que decidiram se unir, seguir em frente e que decidiram colocar de lado o preconceito tão atrasado e dispensável. Embora os momentos finais sejam um tanto que previsíveis, a sua mensagem positiva sobre a união das raças ecoa em nosso presente como aviso, para que não ajam muros, mas sim paz entre todos os povos.
Estrelas Além do Tempo é um retrato de eventos pouco divulgados para o grande público, mas que nunca é tarde para descobrirmos a verdadeira história que há muito tempo estava escondida. 



Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

2 comentários:

eu mesmo disse...

Boa resenha. Mas "raça" é humana, acho que existe um termo mais apropriado.

Marcelo Castro Moraes disse...

Bem observado e portanto decidi mudar esse ponto.