Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Cine Especial: AS 5 MELHORES FACES DO FANTASMA DA ÓPERA NO CINEMA



Drácula, Lobisomem, Frankenstein e tantos outros, foram personagens de origem literária que foram transportados inúmeras vezes para o cinema. O problema é justamente serem adaptadas inúmeras vezes para o cinema que, sua fonte original por vezes se torna esquecidas e personagens em si acabam caindo numa vala comum por algum tempo. Porém, nem todos caíram nessa armadilha e o Fantasma da Ópera pertence a essa minoria. 
O Fantasma da Ópera (no original em francês Le Fantôme de l'Opéra) é uma novela francesa, escrita por Gaston Leroux. Foi publicada pela primeira vez como uma serialização em Le Gaulois de 23 de setembro de 1909 a 8 de janeiro de 1910 e em forma de volume, em abril de 1910 por Pierre Lafitte. A novela é parcialmente inspirada em fatos históricos da Ópera de Paris durante o século XIX e um conto apócrifo relativo à utilização de esqueleto de um ex-aluno de balé, Hector Berlioz, na produção de Der Freischütz de 1841.1 Hoje em dia, é ofuscada pelo sucesso de suas várias adaptações de teatro e cinema, atingindo o seu auge ao ser adaptada para a Broadway, por Andrew Lloyd Webber. 
Até hoje o personagem faz imenso sucesso no show da Broadway, sendo que a peça já passou por inúmeros países, inclusive no Brasil. Já em termos de adaptação de cinema, foram poucas, mas falaram por si e se tornaram indispensáveis para os amantes da sétima arte. Abaixo, solto as cinco melhores adaptações para o cinema sobre esse rico personagem:

 

O FANTASMA DA ÓPERA (1925) 


Na adaptação de 1925, o filme se tornou imediatamente num fantástico clássico e isso graças ao teor gótico em uma super produção do mais puro requinte, talvez uma das maiores da época. Mas nada se compara a espetacular interpretação de Lon Chaney como o Fantasma, sendo que, sua primeira aparição sem mascara, continua arrepiante até hoje. Lon Chaney especializou-se em representar personagens monstruosos, atormentados, grotescos, extremamente bem caracterizados e tendo ele próprio inventado uma técnica de maquiagem.
O final desse filme é desde já um dos momentos mágicos do cinema.



O Fantasma da Ópera (1943)

 

 Embora não seja superior a versão de 1925, essa adaptação possui ares de clássico com C maiúsculo inesquecível para quem o vê, mas infelizmente esquecido nos dias de hoje. Tem como defeitos, juntamente com a maioria dos clássicos de Hollywood, uma veia moralista que exclui qualquer arrojo ou desafio e uma preservação dos bons valores americanos. Mesmo assim, O Fantasma Da Opera de 1943 é sempre um belo produto para quem ama o cinema classicista na sua pura forma.



O Fantasma da Ópera (1962)


Para os padrões da época, essa é sem duvida à maior produção já feita pelo estúdio inglês Hammer films. Tendo sido responsável pelas novas versões de Drácula, Lobisomem e Múmia naquele tempo, era mais do que lógico que fosse Terence Fisher em levar para o cinema a sua visão sobre o famoso fantasma. Diferente das outras produções, esse filme não se preocupa em nos apresentar cenas de horror a todo o momento, mas sim se preocupa na construção gradual de cada um de seus personagens, em especial, a do próprio fantasma. 
Herbert Lom foi à escolha perfeita para a encarnação do personagem, pois mesmo com mascara o tempo todo (mostrando somente o seu olho), o ator consegue transmitir tamanha dor e paixão pela arte da musica e de sua ambição em fazer a sua musa Christine Charles cantar a sua obra prima. Atenção para a peça de Joana d'Arc apresentada perto do final do filme que, desde já, é um dos grandes momentos dessa versão. 



O Fantasma do Paraíso (1974)



Tai uma obra de Brian de Palma, que por mais que possuam inúmeras referências cinematográficas e literárias, a meu ver, é o filme que tem menos a cara do diretor. Em O Fantasma do Paraíso, ele nos envolve numa atmosfera musical, com toques de terror e sátira, mas que não deixa de escancarar o fato de ser uma versão contemporânea do clássico O Fantasma da Ópera para a época. Revi recentemente na Usina do Gasômetro e posso adiantar que o filme é que nem um vinho que melhorou com o tempo, sendo que a sua trilha sonora é contagiante e que fica em nossas mentes por um bom tempo.

 

O Fantasma da Ópera  (2004)

 


Embora tenha sido feito por Joel Schumaker (do famigerado Batman e Robin), a produção (criada de forma independente) é a mais próxima da versão de sucesso da Broadway. Diferente dos seus antecessores, o filme deixa um pouco de lado o teor sombrio e dá espaço para um lado mais romântico e circense. Destaque para o ator que interpreta o fantasma, ninguém mesmo que  Gerard Butler que viria a se consagrar dois anos depois em 300.      


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: