Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Cine Clássico: MAIS PROXIMO DO TERROR

MERECIDAMENTE REDESCOBERTO
Sinopse: Na Austrália, jovem muda-se para uma casa de repouso para idosos que pertenceu à sua falecida mãe. Lá encontra o diário da mãe, e percebe que misteriosos acontecimentos mencionados por ela nas páginas do diário começam a se tornar realidade - inclusive bizarros assassinatos.
Conheci esse filme no Projeto “Raros Apresenta”, no cinema P.F Gastal da Usina do Gasômetro na ultima sexta. Lançado no inicio dos anos 80 e esquecido ao longo dos anos, o filme começou a ser redescoberto pelas pessoas cinéfilas antenadas em baixar filmes pela internet e por cineastas como Quentin Tarantino que o considera como um dos seus filmes favoritos.
O ritmo é um tanto que lento, mas satisfatório para construção dos personagens, assim como a apresentação gradual da casa em si, que aos poucos, demonstra ser um lugar hostil e cheia de mistério. Isso graças à direção engenhosa Tony Williams (uma pena que não seguiu a carreira cinematográfica) onde cria um clima angustiante que passa sempre a sensação de que algo ruim estará prestes a acontecer nos corredores da casa. Bom exemplo disso é uma cena em que a câmera segue um gato e o acompanhamos até aonde ele para, ou cenas em que não sabemos exatamente se é real ou sonho ou simplesmente alucinação da protagonista (Jackie Kerin). O ato final nos rende momentos inspirados e ao mesmo tempo elementos já vistos em filmes como O Iluminado e Psicose, mas de uma forma bem mais gótica e original. Falando no ato final, como Quentin Tarantino é fã do filme, eu acredito que ao criar o roteiro para o filme Um Drink No Inferno, ele tenha inserido uma espécie de pequena homenagem a esse filme, na cena inicial daquela obra de 1996, que foi dirigida pelo seu parceiro Robert Rodriguez.
Graças a sala P.F Gastal, tive o prazer de conhecer esse filme, para eu então, passar sobre ele para vocês. Portanto busquem-no por ai na rede, porque em DVD é muito difícil.


Curiosidade: Em uma cena, onde a protagonista visita um medico da trama, em determinado momento, a câmera foca uma pintura intitulada O Mundo de Cristina, pintado pelo artista Andrew Wyeth. Esse quadro eu conheci pela primeira vez pelos volumes de HQ Preacher: Rumo ao Sul e A Salvação.


Me Sigam no Facebook e Twitter:


Nenhum comentário: