Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

Cine Dica: Em Cartaz: 'Os Novos Mutantes'

Sinopse: A história de jovens super dotados e dos quais futuramente se tornam membros da escola do professor Xavier.  

Dentro da história do cinema há diversos filmes problemáticos, dos quais tiveram o milagre de obter a luz do dia, mas que a maioria fracassou no meio do seu percurso. O recente "Liga da Justiça" (2017), por exemplo, sofreu maus bocados durante as filmagens, tendo o seu diretor demitido e sua edição prejudicada por pessoas que não sabiam o que fazer com o material já filmado. "Os Novos Mutantes" é mais um caso de carreira problemática, desde refilmagens, adiamentos, troca de estúdios, pandemia, mas que enfim estreia em meio a tantas pedras.

Dirigido por Josh Boone, do filme "A Culpa é das Estrelas" (2014), o filme conta a história de cinco jovens mutantes (Maisie Williams, Blu Hunt, Anya Taylor-Joy, Charlie Heaton e Henry Zaga) que descobrem o alcance de seus poderes e lidam com traumas do passado. No entanto, eles são mantidos presos contra a vontade em uma instituição controlada pela Dr. Cecilia Reyes (Alice Braga). Enquanto a médica promete controlar as habilidades do grupo, nada é o que parece.  

Fui assistir ao filme filme com as expectativas bem baixas, pois acompanhei os altos e baixos dessa obra que nunca estreava. Curiosamente, o filme até que que me agradou, pois ele foge um pouco do convencional dentro do gênero e inserindo pinceladas de suspense e a questão psicológica de cada um dos personagens. Por conta disso, o lado da ação fica em segundo plano e dando tempo para a construção dos personagens de forma gradual e até mesmo convincente.  

Tudo o que acontece na trama envolve a personagem Dani, sendo que os seus poderes, aparentemente, são desconhecidos para ela e para as pessoas em sua volta. Porém, no momento em que ela chega na instituição, coisas estranhas começam acontecer, fazendo com que o tom do filme ganha contornos interessantes e obtendo a nossa atenção até o final da projeção. Rapidamente acabamos nos simpatizando com a personagem, principalmente quando ela começa a ter um forte laço de intimidade com Rahne e que com certeza irá arrancar suspiros do público LGBT.  

Claro que nem todos personagens tiveram a melhor sorte para obter bons momentos em cena. Se por um lado as personagens de Anya Taylor Joy e de Alice Braga obtém ótimos momentos em cena, por outro lado, Charlie Heaton e Henry Zaga não tem a mesma sorte, mas não pela falta de esforço de ambos, mas sim pela falta de inspiração dos roteiristas com relação a isso. Aliás, se nota uma mudança de tom do filme do segundo ao terceiro ato e fazendo a gente perceber que o roteiro foi reescrito a todo momento.  

O filme tranquilamente se sustentaria com a exploração do lado psicológico e humano dos personagens. Porém, estamos falando de Hollywood, onde os donos do dinheiro acreditam que um filme se vende bem se fizer dele um verdadeiro videogame e é aí que o filme se perde. Do final do segundo ato em diante o filme ganha efeitos visuais desnecessários, cujo o dilema dos protagonistas poderia ser facilmente resolvido de outro jeito, mas pelo visto os realizadores optaram pelo lado convencional e prejudicando o resultado final.  

É fácil imaginar como o filme seria se o mesmo não fosse tão modificado ao longo do tempo. Vale salientar que o filme foi lançado em meio a essa transição toda entre a Fox para a Disney e não me surpreenderia se foi justamente a casa do Mickey a principal peça problemática da obra como um todo. Uma pena, pois o filme é a despedida oficial dos heróis mutantes saindo da Fox e só o futuro irá dizer qual será os destino dos mesmos de volta a casa da Marvel, porém, tendo a Disney como a toda poderosa e cheia de regras.  

Resumindo, "Os Novos Mutantes" é um filme assistível após tantos problemas durante o seu percurso, mas que poderia ter se tornado melhor se não fosse pelas ambições e os erros de alguns poderosos do estúdio. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: