Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Cine Especial: Cinema Marginal Brasileiro: Parte 2



Na minha ultima participação desse ano, dentro dos cursos de cinema elaborados pelo Cena Um (dias 11 e 12 de dezembro), o assunto será sobre o Cinema Marginal Brasileiro, que será ministrado pelo jornalista Leonardo Bomfim. Enquanto a atividade não chega, estarei por aqui postando sobre os principais filmes desse movimento que bateu de frente com a censura da ditadura da época.

A Margem 


Sinopse: Inspirado em acontecimentos reais publicados em jornais popularescos, o filme aborda o dia-a-dia da população pobre que vive às margens do rio Tietê: prostitutas, cafetões, deficientes mentais, aleijados, tipos desesperados que aguardam a barca do inferno.

Em 1967, Ozualdo Candeias sacudiu o cinema nacional com A Margem. O filme foi fracasso de bilheteria, mas sucesso absoluto de crítica e, até hoje, só faz crescer em cada reavaliação. Ao focalizar sua história de excluídos às margens do rio Tietê, em São Paulo, o cineasta escalou Valéria Vidal, que não tinha experiência como atriz, para um dos personagens principais do filme. E a atriz marcou para sempre não só o filme, mas toda a cinematografia brasileira - como esquecer sua prostituta e seu sonho do casamento de véu e grinalda? Por sua interpretação, Valéria Vidal ganhou o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante pelo Instituto Nacional de Cinema de 1967, que também premiou o diretor e a música de Luiz Chaves. A atriz recebeu também menção honrosa no Festival de Brasília.



A Mulher de Todos 


Sinopse: Um fim-de-semana nas praias da Ilha dos Prazeres, para onde viajam Plirtz e sua esposa Ângela Carne e Osso, a mulher dos homens boçais, como ela mesma se define. Ela é casada com um milionário, arrogante, proprietário de inúmeras empresas, dentre elas uma que edita histórias em quadrinhos.


Sem estrutura definida e cheia de personagens tão malucos quanto bizarros do que a protagonista. Há o doutor nazista fã de quadrinhos (feito pelo Jô Soares!) e um toureiro que só se ferra na mão de Ângela  e com personagens disparando frases inacreditáveis de tão impensáveis do que dialogando propriamente, a estética que Sganzerla imprime a cada plano é algo incrível, filmando com a profundidade e noção de quadro de Orson Welles interiores dignos dos filmes mais toscos da era dourada do nosso cinema de sacanagem, uns exteriores anárquicos, e uma movimentação ininterrupta de dar dor de cabeça. Esse filme, particularmente, é um verdadeiro teco na cara tanto dos falsos moralistas quanto dos pseudo liberais, e uma verdadeira saraivada de deboche e sarcasmo impensável na época da ditadura, e mais impensável ainda agora que, mesmo sem a sombra da censura, vivemos numa sociedade politicamente correta demais hoje em dia para se pensar em fazer filme tão experimental em forma e conteúdo assim dentro do cinema de ficção.



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: