Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Cine Especial: Cinema Marginal Brasileiro: FINAL



Na minha ultima participação desse ano, dentro dos cursos de cinema elaborados pelo Cena Um (dias 11 e 12 de dezembro), o assunto será sobre o Cinema Marginal Brasileiro, que será ministrado pelo jornalista Leonardo Bomfim. Enquanto a atividade não chega, estarei por aqui postando sobre os principais filmes desse movimento que bateu de frente com a censura da ditadura da época.
Sem Essa, Aranha
Sinopse: Banqueiro vive perigosamente e dividido entre três mulheres: uma loira, uma morena e outra negra - essa a sua verdadeira paixão. O filme inspirou a música ''Qualquer Coisa'', de Caetano Veloso, que no refrão diz ''Sem essa, aranha/Nem a sanha arranha o carro/Nem o sarro arranha a Spaña''. Aranha é o personagem interpretado por Jorge Loredo, também conhecido por Zé Bonitinho.


O deboche parece mais escrachado do que O Bandido da Luz Vermelha (1968) e A Mulher de Todos (1969), filmes anteriores do diretor. José Louredo leva o Zé Bonitinho para um universo bêbado, reflexo da realidade versão chanchada. Ele é Aranha, homem casado com uma porção de mulheres-vedetes, cada uma em uma classe social, cada uma em seu castelo particular. O deboche é tamanho que o bigode dele ora cai, ora cola, não importa. Aliás, questões técnicas realmente não importam nesse cinema urgente, feito às pressas, no afã do momento.
Meteorango Kid: O Herói Intergalático
Sinopse: As aventuras de Lula, um estudante universitário, no dia de seu aniversário. De forma absolutamente despojada, anárquica e irreverente, mostra sem rodeios o perfil de um jovem desesperado, representante de uma geração oprimida pela ditadura militar e pela moral retrógrada de uma sociedade passiva e hipócrita. O anti-herói intergaláctico atravessa esse labirinto cotidiano através das suas fantasias e delírios libertários, deixando atrás de si um rastro de inconformismo e um convite à rebelião em todos os níveis.
Em termos de sintaxe cinematográfica, Meteorango encontra-se enquadrado na mesma estética de invenções geniais como O Bandido da Luz Vermelha (Rogério Sganzerla) ou Matou a Família e Foi ao Cinema (Júlio Bressane): a montagem é frenética, a ação descontínua, o som tratado como “puzzle” picotado ao bel-prazer do diretor. Aí, entretanto, é que sobressai a abordagem criativa de Oliveira. Do arcabouço aparentemente simples, traçado na juventude vazia do herói Lula, toda uma intensa eclosão de situações absurdas permeia sua trajetória pelas vielas e avenidas de Salvador. A sequencia de abertura já é antológica por si, ao mostrar Antônio Luiz Martins “trajado” de Cristo; mostrada em “rewind”, a cena culmina com a agonia do Messias, numa colagem de belíssimos closes superpostos em ângulos de câmera diferentes. No fecho, é mostrada em decorrer normal, equidistante à primeira.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: