Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 10 de julho de 2012

Cine Dicas: Em DVD e Blu-Ray (10/0712)


O Homem que Mudou o Jogo

Sinopse: Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de baseball Oakland Athletics. Com pouco dinheiro em caixa, ele desenvolveu um sofisticado programa de estatísticas para o clube, que fez com que ficasse entre as principais equipes do esporte nos anos 80.

Embora seja uma trama, que envolva um esporte que brasileiro nenhum entende ainda, o filme pode ser muito bem apreciado, pois ele vai mais para o lado da superação e reinvenção. Brat Pitt, embora já tenha visto em papeis melhores, está bem neste filme, mas prefiro-o, quando ele desaparece em seus personagens excêntricos, tipo visto em o Clube da Luta por exemplo. Mas a agradável surpresa fica por conta de Jonah Hill, conhecido pela sua veia cômica, em comedias como O Pior Trabalho do Mundo. Aqui, ele interpreta com maestria o discreto e inteligente Peter Brand, o que valeu uma indicação ao Oscar de ator coadjuvante.
É um típico filme que o cinema americano faz bem, para concorrer ao Oscar, sendo que o diretor Bennett Miller cumpre o seu dever de casa, mas nada que demonstre certa genialidade. Se os bons tempos da Sessão da Tarde voltassem, esse seria o filme correto para assistir naquele horário.   


Tão Forte e Tão Perto

Sinopse: Oskar Schell (Thomas Horn) é um garoto muito apegado ao pai, Thomas (Tom Hanks), que inventou que Nova York tinha um distrito hoje desaparecido para fazer com que o filho tivesse iniciativa e aprendesse a falar com todo tipo de pessoa. Thomas estava no World Trade Center no fatídico 11 de setembro de 2001, tendo falecido devido aos ataques terroristas. A perda foi um baque para Oskar e sua mãe, Linda (Sandra Bullock). Um ano depois, Oskar teme perder a lembrança do pai. Um dia, ao vasculhar o guarda-roupas dele, quebra acidentalmente um pequeno vaso azul. Dentre há um envelope onde aparece escrito Black e, dentro dele, uma misteriosa chave. Convencido que ela é um enigma deixado pelo pai para que pudesse desvendar, Oskar inicia uma expedição pela cidade de Nova York, em busca de todos os habitantes que tenham o sobrenome Black.

Neste drama baseado no romance de Jonathan Safran Foer, a tragédia de 11 de setembro funciona como pano de fundo, para a jornada do garoto paranóico (Thomas Horn, espetacular), na sua busca por pistas em que o seu pai (Ton Hanks) deixou, para encontrar um segredo escondido. Durante o filme, vemos o amadurecimento do jovem, perante o mundo que ele teme, após aquele dia fatídico, mas que de uma simples busca, se torna uma pequena aventura de auto descobrimento. Em meio à descobertas e reflexões dolorosas, o protagonista recebe o auxilio de um simpático idoso mudo, interpretado de uma forma magistral pelo veterano Max Von Sydow (O Sétimo Selo), que guarda em si, um segredo a muito guardado. É uma boa historia de superação, que poderia ter sido visto já alguns anos, mas como aquela data demorou á cicatrizar na alma dos americanos, demorou certo tempo para ser realizada. Com o tempo, não me surpreenderia que novos filmes comecem a chegar as telas, explorando aquela data, após a poeira ter jaz baixado a muito tempo.  

Curiosidade: A intenção do diretor Stephen Daldry era lançar o filme em setembro de 2011 para que coincidisse com o aniversário de 10 anos do atentado, mas não ficou pronto a tempo.


Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Nenhum comentário: