Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Cine Dica: Em Cartaz: Histórias que Só Existem Quando Lembradas


Sinopse: Jotuomba fica localizada no Vale do Paraíba, no estado do Rio de Janeiro. Nos anos 30 as até então ricas fazendas de café foram à falência, derrubando a economia local. Madalena (Sônia Guedes), uma velha padeira, continua vivendo na cidade. Ela é muito ligada à memória de seu marido morto, que está enterrado no único cemitério local, hoje trancado. Sua vida começa a mudar quando Rita (Lisa E. Fávaro), uma jovem fotógrafa, chega na cidade.

O mundo envelhece, doa o que doer! Esse foi o meu pensamento, ao assistir esse belo filme, da cineasta Julia Murat, sobre uma pequena comunidade, que ainda sobrevive com a união de quem vive por lá, mas que ao poucos, tanto o ambiente como as pessoas, vão envelhecendo e se tornando apenas imagens pálidas do que já foram  um dia. O filme começa retratando o dia a dia de todos, ao começar pela protagonista Madalena (Sônia Guedes, espetacular), que vive na rotina, fazendo pão na madrugada e entregando na padaria do seu melhor amigo. Aparentemente, todos que vivem nessa pequena cidade, se acostumaram com a rotina, sem perceber os anos que vão passando. Onde somente se dão conta do peso da idade, quando eles se vêem por dentro e por fora, quando sentem o peso da perda de seus entes queridos ou quando vêem a degradação do ambiente, que um dia foi mais colorido.
Neste lugar desolado, que beira há a uma cidade fantasma, Rita (Lisa E Fávaro, ótima), é uma jovem fotografa, que enxerga neste lugar, um universo cheio de significado, para ser estudado, destrinchado ao longo dos dias e que acabará desestabilizando a rotina do local. Gradualmente, faz amizade com Madalena, sendo que aos poucos, elas acabam enxergando uma na outra, uma imagem do passado e futuro de ambas. Rita, alias, pode não ser muito diferente do que Madalena foi um dia, já que a própria jovem se identifica mais com o universo da idosa e do lugar em que ela vive, do que na própria civilização de onde ela saiu e que não tem pressa em voltar.
O filme toca em assuntos delicados sobre o tempo, vida, morte e sobre lembranças boas (ou ruins) do passado. Tornando-se assim essas lembranças, ás únicas coisas que restam para essas pessoas do presente, que acabam guardando elas em suas mentes, ou em fotografias na parede, onde acaba se criando um pouco da vida de um tempo longínquo e se tornando presente no ambiente em que ainda se vive. Um filme em que todos se identificam, e que assim como a jovem Rita, acaba por se contagiar por esse universo desgastado, mas cheio de vida e de historias para se contar.  

Em Cartaz: CineBancários:Rua General Câmara, nº 424 - Centro Porto Alegre / RS. Sessões: 15h, 17h e 19horas.  



Me Sigam no Facebook e Twitter:  

2 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Desculpe-me pelo sumiço. Estava enrolado com o lançamento de dois livros.Mas já estou de volta! Valeu a dica do filme. Não conheço.

O Falcão Maltês

Marcelo C,M disse...

É sempre bem vindo meu amigo. Abração.