Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Cine Especial: HERÓI: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO?



Em um dos inúmeros documentários sobre Star Wars que eu assisti, Harrison Ford contou como havia se entusiasmado com o sucesso do primeiro filme da franquia, pois a partir daquele filme, na opinião dele, começaria a ganhar outros inúmeros convites para outros projetos. Não há como negar que as adaptações de HQ de super heróis, ou heróis criados especialmente para o cinema tenham alavancado a carreira de inúmeros atores e atrizes, que hoje são verdadeiros astros de cinema. Porém, nem sempre é assim, oscilando para o previsível e trágico esquecimento.
Recentemente o filme favorito para o Oscar, Birdman, de Alejandro González (Babel), apresenta a historia de um ator que, se encontra fracassado, tentando dar a volta por cima na carreira, mas vive sob a sombra de um dia ter sido um super herói no cinema e não consegue desvencilhar dessa imagem. Embora eu ainda não tenha assistido a obra, com certeza é uma corajosa critica sobre o cinemão americano atual que, lançam inúmeros filmes de super heróis a cada ano e, fazendo das obras na maioria dos casos, uma verdadeira fonte de consumismo.
Como fica o interprete? Isso depende de cada um, da forma que for administrar a carreira em meio a esse espetáculo de luz e cor! Uns se dão bem, mas outros caem num beco sem saída e levando para o ostracismo. Pensando nisso, me vieram à mente alguns nomes do passado e do presente que viveu e vivem na corda bamba após o seu momento de glória cinematográfica. Abaixo segue a lista:   


Johnny Weissmuller (1904 – 1984)

Antes de ingressar para o cinema, Weissmuller era desportista, tendo conquistado cinco medalhas de ouro nos jogos olímpicos de 1924 e 1928. Não demorou muito para os produtores de Hollywood ficar de olho nele e oferecendo um papel no qual ele ficaria mundialmente conhecido. Ao ser escalado para ser Tarzan em 1934, nascia ali um dos primeiros grandes heróis do início do cinema falado. Os primeiros quatro filmes são verdadeiras obras primas, mas os filmes seguintes foram caindo de qualidade, rendendo no total 12 filmes. Weissmuller ainda seria astro em outra franquia, atuando na série de filmes Jim das Selvas entre 1948 e 1955, num total de 16 filmes de média metragem.
A série foi transferida para a TV, mas não tendo mais o mesmo frescor e Weissmuller mostrando já sinais de velhice e obesidade. Nos anos 60, já aposentado, o ator vivia sendo convidado para promover os outros filmes do personagem e sendo interpretado por outros atores. Morreu em 1984 de edema pulmonar.      



Leonard Nimoy

Dispensa apresentações. Ator, cineasta, poeta, pintor e fotógrafo, Nimoy sempre será lembrado como Spock, talvez o personagem mais querido da franquia Star Trek. Embora talentoso, Nimoy nunca conseguiu fazer outro personagem que pudesse desvencilhar de sua imagem do personagem vulcano, mas não foi por falta de persistência. Quando a Paramount decidiu levar a série para o cinema, Nimoy não queria de forma alguma participar da produção, pois acreditava que não havia mais nada a explorar no personagem. No segundo (e melhor) filme da franquia para o cinema, Nimoy somente reprisou o seu personagem se caso ele morresse no final e foi o que aconteceu.
Mas já era tarde, pois os fãs queriam a ressurreição e Nimoy não somente retornou ao personagem nos dois filmes seguintes como também veio a dirigi-los. O ator voltaria a ser o personagem até o sexto filme para aí sim largar o personagem, Porém, eis que Nimoy retorna a esse universo no novo Star Trek numa participação importantíssima. Atualmente o interprete está aposentado e embora venha sempre ser lembrado por um único personagem, ele atualmente leva isso na esportiva.   

Mark Hamill

Mais do que um grande sucesso, Star Wars - Episódio IV - Uma Nova Esperança mudou a cara do cinema de entretenimento para sempre, gerando imitadores e fazendo com que os estúdios se voltassem para o lado mais aventureiro que pouco existia nos anos 70. De status a desconhecido, Mark Hamill viu seu rosto estampado em todos os lugares, desde as camisetas há figurinhas de chiclete. Infelizmente o destino lhe provocou uma peça: pouco antes das filmagens do episódio V, hamill sofreu um acidente de carro, o que lhe provocou sérios machucados no rosto.
Após o término da trilogia, Mark Hamill não obteve boa sorte no cinema e se limitou em apenas atuar nas peças da Broadway. No inicio dos anos noventa, ele veio a ser convidado pelos estúdios Warner para fazer a voz do Coringa na animação para TV de Batman que, para muitos fãs, é considerado a melhor encarnação do personagem na época. Mark Hamill voltará a ser Luke Skywalker novamente ainda esse ano na nova trilogia.      



Christopher Reeve (1952 – 2005)

Talvez um dos casos mais tristes. Reeve foi à escolha perfeita para ser Superman em 1978, mesmo quando os produtores queriam alguém mais famoso para a época. Porém, Richard Donner bateu o pé e manteve Reeve para o papel, criando não somente uma das melhores adaptações de HQ para o cinema, como também nos brindou com o melhor casamento entre interprete e personagem naquele tempo. Entre o segundo e terceiro filme, Reeve surpreenderia numa ótima atuação no maravilho Em Algum lugar do passado.
Infelizmente em 1995, Reeve sofreu uma queda do seu cavalo fazendo com que ficasse tetraplégico. Um ano depois, foi aclamado em pé na cerimônia do Oscar. A partir daí passou a lutar por pesquisas com células-tronco e criou a Christopher Reeve Paralysis Foundation, visando a melhorar a condição de vida de pessoas como ele, vítimas de algum tipo de paralisia. Em 27 de janeiro de 1996, foi condecorado com a Ordem Bernard O'Higgins, como reconhecimento à defesa pública que fez dos atores chilenos durante a ditadura de Pinochet. Em setembro de 2003, ganhou o Prêmio Lasker. 
Reeve viria a falecer em 10 de outubro de 2004 aos 52 anos de uma grave infecção, em virtude do seu estado de saúde.


Sam J. Jones

Somente pelo nome ninguém se lembra, mas Jones foi ninguém menos que  Flash Gordon na super produção de Dino de Laurence de 1980. Antes disso ele era apenas um jogador de futebol americano. Embora o filme seja cultuado até hoje, Jones jamais faria outra coisa mais significativa, a não ser interpretando ele mesmo na comédia TED.   

 

Michael Keaton

Antes do estrelato, Keaton atuava apenas em comédias mornas, até se consagrar em Os Fantasmas se Divertem de Tim Burton. Com o mesmo diretor, ele estrelaria o filme que marcaria o encerramento dos anos 80: Batman, super produção que deu início á inúmeras tentativas dos estúdios levarem super heróis de HQ para o cinema e gerando um enorme Marketing.
Mas nem tudo foram flores na época, pois Keaton nunca foi visto com bons olhos pelos fãs do personagem, gerando inúmeras cartas de protesto contra o estúdio, alegando que o ator não tinha nada haver com o herói. Ele viria atuar novamente no segundo filme, mas depois disso, vendo que os estúdios estavam mais pensando em dinheiro do que criar uma boa historia, tanto o ator como diretor caíram fora das produções seguintes. Durante toda a década de noventa, o ator foi tentando atuar em bons papeis, sendo a sua participação mais significativa foi no filme Jack Brown de Quentin Tarantino. 
Atualmente, Keaton deu a volta por cima, atuando em Birgman, cujo filme tem muito haver com a sua carreira do que se possa imaginar.     
           

Val Kilmer

Embora tenha atuado em alguns filmes conhecidos (vide Top Gun e Willow), Kilmer somente se destacou interpretando o lendário Jim Morrison, vocalista e compositor da banda The Doors, no filme "The Doors", de Oliver Stone, lançado em 1990. Quando a Warner queria mudar tudo na franquia de Batman a partir do terceiro filme, o estúdio escolheu o ator para interpretar o personagem, acreditando que ele tinha mais porte de herói. Batman Forever foi uma produção complicada nas mãos de Joel Schumaker e piorou ainda mais quando Kilmer começou a dar dor de cabeça durante as gravações.
Isso lhe custou à participação no quarto (e pior) filme da franquia. Embora tenha escapado de uma bomba, Kilmer passou a ser lembrado com o Batman mais sem sal dos filmes e de uma forma direta ou indireta, acabou lhe prejudicando ao longo dos anos. O ator pode ser visto no recente filme de Coppola, intitulado Virginia.    
        

Tobey Maguire

Antes do estrelado, Maguire já era meio conhecido, atuando em filmes mais autorais como Regras da Vida, A Vida em Preto e Branco e Garotos Incríveis. O ator era perfeito para atuar em Homem Aranha, filme que alavancou a onda de adaptações de HQ para o cinema e que dura até hoje. Em meio ao primeiro e segundo filme Maguire ainda atuaria em Alma de Herói. Infelizmente após o terceiro filme 2007, o estúdio decidiu não prosseguir mais com Maguire e tão pouco com o diretor Sam Raimi. 
Neste meio tempo, o ator só voltaria se destacar em 2013 no filme  O Grande Gatsby ao lado de Leonardo Dicaprio. O futuro do ator, por enquanto é ainda incerto.



Hayden Christensen

Embora tenha interpretado um dos personagens mais importantes da historia da ficção científica do cinema, Christensen jamais convenceu muito como o jovem herói Anakin Skywalker (futuro da Darth Vader) recebendo duras criticas dos fãs da saga até o ultimo filme de 2005. O ator até prosseguiria num outro filme intitulado Jumper, mas o universo criado por Jorge Lucas e a resposta negativas dos fãs, foram tão ruins para ele, que ele veio a decidir se afastar do mundo da fama. 

                                                             Brandon Routh

Após a morte de Christopher Reeve, a Warner decidiu de uma vez por todas retomar os filmes do herói para o cinema em 2006. Chamaram Brian Singer (X-Men) para direção e escolheram um completo desconhecido, mas que, segundo eles, tinha a cara do falecido astro. Brandon Routh até que tentou convencer como Superman, mas o seu problema foi à total falta de expressão e de um filme que não possuía identidade própria. Atualmente, Brandon Routh ganha uns trocos atuando na série de TV Arrow.



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

2 comentários:

LEO disse...

Pra mim foi uma grata surpresa saber q "Birdman" (filme pelo qual eu não esperava nada) tem sido bem cotado pra grandes premiações!

Vou assistir certo agora...

no mais, nem sempre é vantagem pra um ator ficar marcado demais por um papel (Sean Connery tbm amargou umas boas décadas no ostracismo após ser o melhor James Bond antes de ser "resgatado" pelo cinema)!

Abs!

Marcelo Castro Moraes disse...

Bem lembrado Leo