Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de julho de 2021

Cine Especial: Revisitando 'Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida'

Sinopse: O arqueólogo Indiana Jones precisa encontrar a Arca da Aliança, uma relíquia bíblica que contém os dez mandamentos. Como o portador do artefato se torna invencível, os nazistas também vão fazer de tudo para adquirir esse precioso objeto. 

George Lucas e Steven Spielberg cresceram assistindo filmes de aventura, cuja as tramas se passavam no espaço ou em terra e onde sempre o mocinho salvava o dia. Ambos construíram as suas carreiras se inspirando no que eles assistiram e nos brindando com inúmeros clássicos. Aliás, ambos foram os que inauguraram o termo "filme Blockbuster" e cujo os filmes "Tubarão" (1975) "Star Wars - Uma Nova Esperança" (1977) mudaram a cara do cinema para sempre.

Essa dupla dinâmica cinematográfica dominaria o cinema de entretenimento durante quase toda a década de oitenta, sendo que na maioria dos casos Lucas seria o produtor enquanto Spielberg comandaria na direção. Conta a lenda que ambos estavam tomando um banho de sol na praia quando Spielberg falou para o Lucas o seu desejo de dirigir um filme sobre 007 algum dia. Lucas disse ao amigo que tinha uma coisa melhor, sobre um caçador de tesouros antigos e que enfrenta os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

A trama seria inspirada nas matinés que ambos assistiram quando eram mais jovens, ao mesmo tempo pegando elementos de HQ da era de ouro dessa arte. Spielberg topou abraçar o projeto do amigo e ambos embarcariam nas filmagens do filme que, novamente, mudaria o cinema para sempre. Nascia assim "Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida" (1981).

A trama se passa em 1936, onde o arqueólogo Indiana Jones (Harrison Ford) é contratado para encontrar a Arca da Aliança, que segundo as escrituras bíblicas conteria "Os Dez Mandamentos" que Deus revelou a Moisés no Monte Horeb. Mas como a lenda diz que o exército que a possuir será invencível, Indiana Jones terá um adversário de peso na busca pela arca perdida: o próprio Adolf Hitler.

Olhando para trás fica muito difícil imaginar Indiana Jones não tendo o rosto de Harrison Ford, mas por pouco isso não ocorreu. Tom Selleck, conhecido na época pela série "Magnum" (1980), já estava participando das cenas testes para embarcar de cabeça no personagem. Porém, os produtores da série o proibiram e ele acabou deixando o projeto.

Coube a insistência de Spielberg em convencer Lucas em trazer novamente Harrison Ford. O diretor já havia dirigido o astro em "Star Wars" quando o mesmo deu vida ao personagem Han Solo. Depois de várias reuniões finalmente o trio fechou a aliança e Ford vestiu a jaqueta de couro e o chapéu que ficariam imortalizados para sempre na história do cinema. Abertura do filme é antológica, onde vemos o protagonista sempre de costas, mas quando Ford encara a câmera concluímos que ele nasceu para o personagem sem sombra de dúvida.

Tecnicamente o filme remete aos filmes de aventura de antigamente, onde tudo foi feito à mão, em uma época que nem se tinha a ideia da possibilidade de efeitos digitais. Isso deu mais verossimilhança para a trama, mesmo quando a magia do cinema extrapola quaisquer leis da física. Ford, aliás, é protagonista de muitas cenas perigosas, sendo que não me surpreenderia se ele não tenha ficado todo esfolado em determinadas tomadas.

Ação, por sua vez, é o carro chefe da obra como um todo, mas tudo feito de forma muito bem pensada e nada gratuita. Muitas cenas entraram para a história, desde o protagonista escapando de uma bola de pedra gigante ou tendo que resgatar a arca da aliança em uma cena espetacular de perseguição. Tudo moldado por momentos que transitam entre a tensão e várias pitadas de humor e que faz da sessão prazerosa e inesquecível.

Vale destacar os personagens coadjuvantes e que se tornam peças fundamentais para ação acontecer. Ao começar pela durona Marion, interpretada com intensidade pela atriz Karen Allen e se tornando o par perfeito do protagonista. E se por um lado temos o simpático aliado Sallah, interpretado por John Rhys-Davis, do outro, temos Mayor Toht: Membro da polícia secreta Nazista e interpretado de forma enigmática pelo ator Ronald Lacey.

É claro que de todas as partes técnicas do filme é na sua trilha sonora que se encontra no que é, talvez, o maior acerto da produção. Amigo de longa data de Spielberg, o compositor John Williams ganhou novamente a missão de criar uma trilha sonora que se tornaria sinônimo de aventura. Até mesmo a pessoa que jamais assistiu ao filme sabe que a trilha remete ao personagem Indiana Jones e somente Williams teve a capacidade de criar essa proeza.

O filme acabou recebendo várias indicações a prêmios, incluindo nove indicações ao Oscar e faturando quatro prêmios da academia. Logicamente, o filme obteve três continuações sendo elas "Indiana Jones e o Templo da Perdição"(1984), "Indiana Jones e a Última Cruzada"(1989) e "Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal" (2008). Curiosamente havia sido criado uma série retratando a juventude do personagem e intitulado "O Jovem Indiana Jones" (1992).

Enfim, quarenta anos já se passaram, mas "Indiana Jones - E os Caçadores da Arca Perdida" continua sendo um dos melhores filmes de aventura de todos os tempos.

Onde Assistir: Em DVD, Blu-ray e no Telecine. 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: