Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Cine Dica : “Central”, um filme indispensável


Este domingo, tive o privilégio de assistir à segunda exibição pública do documentário brasileiro “Central”, em competição na secção de documentários do FESTIN. Realizado por Tatiana Sager, o filme leva-nos para dentro do Presídio Central de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, com imagens gravadas pelos próprios presos e alguns depoimentos vivos que nos dão uma exímia descrição do funcionamento do sistema penitenciário no Brasil. Apesar de sairmos da sessão com o estômago do avesso, reina em nós uma profunda sensação de esclarecimento e de que acabamos de ver uma verdadeira obra prima do cinema documental brasileiro.
“Central” é baseado no livro “Falange Gaúcha”, do jornalista Renato Dornelles e conta a história daquele que foi, em tempos, considerado o pior presídio da América. As imagens mostram a degradação do edifício, projectado para receber um número máximo de 1600 pessoas, mas que já chegou a albergar mais de 5 mil. As consequências estão à vista: uma gritante superlotação, esgotos a céu aberto, falta de saneamento básico, de energia eléctrica e de água potável. Uma verdadeira bomba relógio, que incumpre violentamente com as regras mínimas estabelecidas pela Declaração Universal dos Direitos Humanos.
No entanto, para além de visibilizar a falta de conservação da prisão e o estado indigno em que vivem os detentos, o documentário dá-nos uma visão mais ampla e crítica sobre o sistema penitenciário em si. Vemos como cai pelo chão o afã teórico de “correcção”, face a uma taxa de reincidência da ordem dos 70%. A ideia de que se consegue diminuir o crime aumentando o número de detenções nas ruas não passa de um engano. Um jovem de 18 anos entra na Central por vender de drogas, cumpre a sua pena numa autêntica universidade do crime, sai em liberdade e dá-se conta de que poucas opções lhe restam para além de voltar ao crime – ou por dívidas e compromissos contraídos na prisão, ou simplesmente por não conseguir um trabalho. A prisão transforma-se numa dívida eterna paga por toda a sociedade.
“Quanto pior estiver a situação na prisão, melhor para o crime”, repetia um dos entrevistados.
O filme desmonta a teoria da ressocialização, mostrando as complexas dinâmicas internas do presídio, os jogos de poder e o equilíbrio alcançado entre as autoridades e os presos, mediante constantes negociações com os líderes das facções criminosas, que se auto-organizam quase que partilhando a gestão da Central com os guardas. Grande parte das decisões precisa da aprovação tácita ou explícita dos chamados Plantões, os porta-vozes, líderes dos vários grupos, que chegam ao poder de forma autocrática na maior parte das vezes.
Negociar é a palavra de ordem. Essa foi a forma de minimizar as rebeliões, diminuir o número de mortes dentro do presídio e acalmar o fogo mediático à volta da imagem da instituição. Mas quais as consequências desse empoderamento dos presos? Com o decorrer do filme vamos entendendo porque é que esse estado de permanente negociação beneficia tanto o Estado como o próprio crime organizado dentro e fora do presídio.
Os muros, as grades e o arame farpado não separam realmente o mundo de dentro e o de fora, pois o crime organizado tem a possibilidade de se fortalecer ainda mais dentro da Central, aproveitando-se das fraquezas do sistema. Como o Estado investe pouquíssimo dinheiro naquele presídio (20 mil reais mensais, de acordo com o filme), a enorme escassez de tudo, desde alimentos a produtos de higiene básicos, é colmatada pelo mercado clandestino. Este comércio paralelo é uma enorme fonte de rendimento para os bandos. 

Nenhum comentário: