Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Cine Clássicos: A Ultima Gargalhada

O MELHOR E MAIS SILENCIOSO DO
 EXPRESSIONISMO ALEMÃO

Sinopse: Um velho porteiro de um hotel de classe se vê sendo substituído por um empregado mais jovem, e posto para trabalhar como ajudante de lavatório. Sendo seu emprego de porteiro o maior orgulho de sua vida, e agora ridicularizado por seus vizinhos e amigos, o velho homem volta ao hotel à noite, em busca de seu antigo uniforme, símbolo de sua glória passada.

Tragicomédia na qual se explora até que ponto uma pessoa pode acreditar que será feliz através do serviço que se vive, ou até mesmo pelo que se veste, acreditando friamente que pela aparência irá se ganhar o respeito que merece. Uma bela critica a uma sociedade que se esconde através das mascaras e com isso, acaba sobrando para pessoas que se tornam vitimas, que acreditam que para se viver em meio a essa sociedade, precisa acima de tudo transmitir poder e respeito por onde passa.
Através do seu protagonista, Murnau mostra a real decida do personagem ao inferno astral quando percebe que perdeu o respeito perante as pessoas próximas, contudo o filme pode ser visto através de dois ângulos na sua reta final. Na época, os produtores pediram um final digno para o personagem e assim foi feito, mas se assistirmos agora, percebemos que tudo soa bom demais no ato final e tudo aquilo pode ser interpretado como um bom sonho que poderíamos ter para o personagem. Com isso, não considero que o diretor foi covarde em não ter dado um final pessimista ao protagonista e sim assistir o final de duas formas diferentes, do que realmente aconteceu e o que poderia acontecer e com isso Murnau foi abiu na construção final da narrativa. Mesmo assim, somente por isso, o filme é considerado inferior se comparado a outra obra do diretor que é Nosferatu, mas é um filme corajoso e talvez o mais silencioso da época, já que raramente aparece os letreiros que diz o que eles estão falando, tudo é narrado através dos gestos dos personagens, principalmente do protagonista, interpretado magistralmente por Emil Jennings


Curiosidades: Refilmado por Harald Braun na Alemanha em 1955, tendo recebido o título Der Letzte Mann

Nenhum comentário: