Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Cine Dica: Em Cartaz: O Homem das Multidões



Sinopse: Juvenal é um maquinista de metrô em Belo Horizonte Margô controla o fluxo dos trens. Ambos vivem em um estado de profunda solidão cada um à sua maneira. Esse filme é uma reflexão sobre diferentes formas de solidão e amizade no universo urbano brasileiro.



Exibido pela primeira aqui no RS no ultimo festival da Panda filmes, Cao Guimarães conclui a sua trilogia particular, onde o foco principal é a solidão do mundo contemporâneo atual, com O Homem das Multidões, depois de A Alma do Osso (2004) e Andarilho (2006). Contudo, ele decidiu pegar carona com a “nova onda” do cinema Pernambucano (liderado pelo Som ao Redor) e decidiu fazer parceria com Marcelo Gomes (Era uma Vez Eu, Verônica) e para a surpresa de todos, criarem uma trama baseada num conto de Edgar Allan Poe (O Corvo). A narrativa é de um silencio arrebatador, onde a fotografia sintetiza um universo frio e as emoções dos personagens são travadas numa espécie de freio vindo do inconsciente.
Pelo menos, isso é muito bem representado pelos dois protagonistas principais, interpretados por Paulo André e Silvia Lourenço. Ele, um maquinista de metrô em Belo Horizonte e ela contra o fluxo dos trens. Embora aparentem serem diferentes um do outro, ambos tem algo em comum por serem solitários.
Curiosamente ele gosta de conviver em meio a inúmeras pessoas, mas não sabe interagir com elas. Já ela é comunicativa, mas somente através dos seus amigos virtuais que mal os vê pessoalmente. Afinal quem está em pior situação?  Ele pela falta de contato social ou ela por manter relações virtuais?
É um filme que facilmente as pessoas de hoje irão se identificar com ele, pois há pessoas atualmente tão dispostas a se isolarem cada vez mais uma da outra, como também aquelas que somente conseguem se interagirem através dos seus celulares e Tablets. Em meio esse mundo pessimista o filme nos prende por um possível fio de esperança através de uma inusitada historia de amor, que embora o futuro dela seja um tanto que indefinida não custa acreditar que as pessoas de hoje possam retornar, a saber, interagir como era antigamente.



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: