Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Cine Dicas: Em DVD e Blu-Ray (15 04 11)

ENROLADOS
sinopse: Adaptação da clássica história da Rapunzel princesa que vive presa numa torre e tem longos cabelos. Um atrapalhado ladrão entra acidentalmente na torre e decide ajudá-la a fugir de lá.
Para muitos, Enrolados é mais uma produção Disney que apresenta a mais nova princesa na área, Rapunzel, mas o filme é mais do que isso. Para começar, essa 50ª animação estúdio apresenta algo de novo no qual o estúdio demorou a acrescentar neste gênero de contos de fadas que é ação e humor na medida certa e é isso que o filme tem de melhor. A produção continua com seu estilo musical que muitos criticam, mas sinceramente gosto bastante e o filme possui inúmeros números musicais maravilhosos como o engraçadíssimo “Um Sonho Tenho Sim” mas as cenas de ação e humor pastelão cartunesco é o que da vida genuína a produção.
Com relação a dupla de protagonistas, eles são diferentes do que estamos acostumados ao assistir um conto de fadas Disney. Para começar, Rapunzel não é nenhuma princesa indefesa e inocente, ela tem claro sua ternura e doçura, mas é sonhadora, aventureira e sabe se defender bem com uma frigideira. Já Flynn é o típico anti-herói que se importa somente consigo mesmo e se mete em varias enrascadas para se dar bem e pelo visual, o personagem é uma clara referencia ao ator Errol Flynn que se tornou famoso nos anos trinta ao atuar em filmes de aventura como Robin Hood.
Visualmente, o filme é de uma beleza sem tamanho com inúmeras cenas maravilhosas nas quais elas aumentam ainda mais sua grandiosidade graças ao 3D muito bem empregado na trama e um dos melhores momentos em que essa ferramenta da um show aos olhos é na parte do lançamento de balões iluminados ao céu, onde a tecnologia e o romantismo da trama se casam de uma maneira jamais vista até então.
Com produção de John Lasseter (criador de Toy Story) que agora comanda as rédeas das idéias criativas do estúdio, parece que agora finalmente a Disney se encontrou para o caminho do sucesso depois de muito tempo. Resta torcer que as aventuras de Rapunzel sirvam de exemplo para as próximas produções seguintes do estúdio.

Nota: Não posso deixar de comentar a polemica escolha de Luciano Hulk para dublar o personagem Flynn. Para começar, Hulk não é ator e muito menos dublador e com essa infeliz escolha do estúdio de dublagem daqui é que por pouco não arruína as melhores partes do filme. Mas eu sou um de muitos que criticaram essa escolha errônea e por causa disso isso não passou batido. Contudo que isso sirva de exemplo para não brincar com a inteligência do espectador, eles sabem muito bem o que estão escutando na tela. Estamos de olho e ouvindo.

MEGAMENTE
Sinopse: Megamente é um vilão magro usa roupas nas cores azul e preta e sua cabeça é careca e grande devido ao cérebro privilegiado. Ele deseja conquistar a cidade de Metro City e faz diversas tentativas muitas delas são frustradas. O vilão precisa ter oponentes para que sua vida tenha sentido e após a morte de Metro Man (Brad Pitt) Megamente cria Titan um herói para ter com quem rivalizar.
Afinal, nascemos bons ou maus ou nos tornamos bons ou maus ao longo da vida? Essa é a questão levantada na mais nova animação da DreamWorks, em uma aventura que satiriza o mundo dos super heróis e ao mesmo tempo desconstrói o mito do herói. Aqui o herói é na verdade o vilão, mas que de vilão tornasse herói, confuso? Não é pra ser. O filme apresenta os dois lados da mesma moeda, o herói Metro Man (voz de Bratt Pitt) e de Megamente (voz Will Ferrell), ambos vindos de planetas diferentes prestes a serem destruídos (já viu essa historia né) e que acabam caindo na terra, só que cada um de um lado. Metro Man numa casa de classe media alta com pais carinhosos que dão a melhor educação, já Megamente teve o azar de cair num presídio e ser adotado pelos piores bandidos que acabaram lhe ensinando o mundo da maldade.
Crescidos, ambos se tornaram herói e vilão e brigavam a todo custo pelo domínio da cidade, até que um dia, Megamente (meio que sem querer) mata MetroMan e assim conquista a cidade que tanto queria. Mas é ai que o filme se torna bem original, pois Megamente se da conta que a vida não faz mais sentido sem um desafio e de que adianta ser vilão se não tem ninguém para enfrentá-lo? E é então, que ele decide criar outro super herói através do DNA de Metro Man para então assim as coisas voltarem nos eixos.
É neste momento que o filme soube bem explorar a personalidade de Megamente, pois, apesar de tudo, ele é vilão unicamente porque achava que era o seu destino, mas ira descobrir com o tempo (e da aparição de alguém inesperado) que não é bem assim que a coisa funciona.
O legal do filme são as inúmeras referencias que faz ao mundo dos super heróis, ao começar pelo visual bem cartunesco e cheio de luz, fazendo uma referência a era de ouro das HQ, isso sem contar uma porções de referencias ao Superman. Nem mesmo uma versão descarada de Jo-El (meio poderoso Chefão) fica atrás em um momento muito engraçado que só lamento que nem todos irão entender a piada.
Alias, essa é a aposta mais certeira da casa de Sherk em sempre manter o humor de primeira em suas animações e com pitadas de lição de moral aqui e ali. Nada que rivalize com a campeã Pixar, mas pelo menos a DreamWorks fala por si,


Harry Potter: E as Relíquias da Morte: Parte 1
Sinopse: Começa com Harry Ron e Hermione em uma perigosa missão para encontrar e destruir o segredo da imortalidade e destruição de Voldemort as Horcruxes.Sozinhos sem seus mentores ou a proteção de Dumbledore os três amigos agora dependem um dos outros mais do que nunca. Mas no caminho estão Forças das Trevas que ameaçam acabar com eles.Paralelamente o mundo da magia se tornou um local perigoso para todos os inimigos do Lorde das Trevas. A guerra aguardada com temor há muito tempo já começou e os Comensais da Morte de Voldemort tomaram o controle do Ministério da Magia e até mesmo de Hogwarts assustando e capturando qualquer um que se oponha a eles. Mas eles ainda buscam o prêmio de maior valor para Voldemort: Harry Potter. O Escolhido se tornou o caçado quando os Comensais da Morte saem em sua busca com ordens de levá-lo para Voldemort vivo.A única esperança de Harry é achar as Horcruxes antes de ser encontrado por Voldemort. Mas à medida que procura por pistas ele descobre uma lenda antiga e quase esquecida: a lenda das Relíquias da Morte. E se a lenda for verdadeira isso poderia dar a Voldemort o imenso poder que ele tanto busca.Harry nem imagina que seu futuro já foi decidido pelo seu passado quando naquele dia fatídico ele se tornou o Menino Sobrevivente . Não mais só um menino Harry Potter está cada vez mais próximo da tarefa para a qual está se preparando desde o primeiro dia em que pisou em Hogwarts: a batalha final com Voldemort.
E lá se vão quase dez anos desde que a saga Harry Potter começou no cinema. De La pra cá, a saga do pequeno bruxo que começou em um mundo colorido e cheio de fantasia, foi transformado aos poucos em um ambiente sombrio e opressivo. A transformação foi gradual, começando a ser sentida apartir do terceiro filme e atualmente, qualquer imagem que lembre um tempo mais tranqüilo na vida do jovem bruxo, não passa de uma pálida e boa lembrança.
David Yates que começou a comandar a saga apartir de A Ordem de Fênix, soube dosar esse clima sombrio na medida certa e ao mesmo tempo, soube tirar melhor proveito de cada um dos atores com seus respectivos personagens. Em um mundo cada vez mais perigoso, devido as forças sombrias, nosso trio de heróis troca a escola de magia que ao longo dos anos era o cenário de todas as aventuras, para inúmeras partes do globo, na chance de encontrar as relíquias da morte e destrui las para sim, se livrarem de Voldemort. Talvez esse seja um dos pontos mais positivos desse novo capitulo, onde se foca somente o trio em sua cruzada e com isso, é bem explorada as características dos três e a amizade, amor, traição e união foram postos a prova ao longo da projeção. Mas nada disso funcionaria se o trio de atores não se empenhasse bem, mas para os fãs, fica o alivio que em cada filme eles foram amadurecendo nas interpretações, principalmente Emma Watson a grande estrela desse capitulo que rouba a cena em cada momento, mas o mesmo pode se dizer de Daniel Radcliffe e Rupert Grint, esse ultimo que continua como alivio cômico mas surpreende nos momentos de tensão em que o grupo começa a ter desavenças um com outro.
Não posso deixar de destacar a origem das Relíquias da morte, sublime, feita tanto com desenho tradicional como também em computação gráfica, um pequeno e sombrio conto que por um momento me lembrou os fantásticos contos do escritor e desenhista inglês Neil Gaiman.
Com um inicio trágico em que três personagens morrem (um de uma forma chocante) e um final que termina com mais um personagem partindo em sacrifício para um bem maior, Harry Potter: E as Relíquias da Morte: Parte 1 termina com um belo gancho para o grande final que será lançado daqui a seis meses, até lá, se aprontem para despedida pois não haverá mais volta para a saga do jovem bruxo (por enquanto).


Segredos de um Funeral
Sinopse: Em “Segredos de um Funeral”, Robert Duvall vive homem que organiza seu próprio funeral.Excelente como um ermitão bravo, mal humorado, e depois emociona até insensíveis com suas razões escondidas a sete chaves.Começa como uma comédia leve: a morte discutida com muito humor negro, avança para um mistério: que diabos aquele ermitão esconde? E depois penetra no terreno do drama.
Em sua estréia como diretor, Aareon Shneider cria uma curiosa história de um homem que deseja morrer mas que quer participar do funeral ainda vivo e a pergunta que paira no ar é, mas porque ele quer dessa maneira? A revelação vem nos momentos finais da trama e talvez esse seja o único ponto negativo, já que a revelação não se compara ao tamanho da expectativa em tentar descobrir o porquê disso tudo. Pelo menos a produção guarda inúmeros momentos primorosos como ótima atuação de Robert Duvall e a sempre impecável atuação de Bill Murray como o trambiqueiro dono da funerária


O Garoto de Liverpool
Sinopse John Lennon (Aaron Johnson) é um jovem que não aceita bem as regras impostas na escola e dentro de casa. Abandonado pela mãe quando tinha cinco anos, ele vive com seus tios George (David Threfall) e Mimi (Kristin Scott Thomas). Quando George morre, Lennon é obrigado a viver com Mimi, extremamente austera e sisuda. No funeral do tio ele vê sua mãe (Anne-Marie Duff), que se mantém afastada. Seu primo consegue o endereço dela, o que faz com que Lennon resolva visitá-la. O reencontro com o filho é a realização de um sonho para Julia, que passa cada vez mais seu tempo com ele. Animada e um tanto quanto inconsequente, ela apresenta ao filho o rock'n'roll. Logo, desperta nele a vontade de montar uma banda de rock
Como todo critico que se preze que repetiu a mesma coisa que outros críticos falaram, direi aqui a mesma coisa, Aeron Johnson (Kiss Kass) não tem nada haver com John Lennon fisicamente mas isso é o que menos importa, devido ao fato que nos simpatizamos com ele nos primeiros minutos em cena e devido a isso, ser parecido ou não é um mero detalhe
O diretor Sam Taylor-Wood cria um belo retrato de uma época ate então meio obscura sobre o passado do cantor e de suas mães que o moldaram e fizeram dele o que é hoje. Falando nelas, não há como negar que ambas as atrizes Kristin Scott Thomas e Anne-Marie Duff dão um show de interpretação quando aparecem, principalmente a ultima que rende momentos inusitados devido o seu comportamento incomum.
Com bela fotografia de cor pastel e uma ótima trilha sonora que resgata inúmeras musicas clássicas do grupo, O Garoto de Liverpool é um pequeno belo filme que conta somente um pouquinho desse grande cantor que pode muito bem render inúmeras tramas para o cinema.

Demônio
Sinopse: Cinco pessoas que nunca se viram ficam presas num elevador de um arranha céu comercial. Enquanto rumavam para seus respectivos andares, algo acontece e ele para no meio do caminho. E o que para muitos já seria motivo de tensão, piora ainda mais porque estranhos e violentos acontecimentos começam a surgir dentro do pequeno espaço. Alguém ali dentro não é quem aparenta ser. O medo e a maldade tomam conta do local e do lado de fora, ninguém conseguie arranjar um jeito de ajudá-los. (RC).
Demônio é o primeiro conto de M. Night Shyamalan (O Sexto Sentido) que ele adapta para o cinema na série de filmes baseado em suas histórias que ele batizou de The Night Chronicles e que serão realizados por jovens talentos do cinema.
Uma boa idéia vindo de um diretor (autor) que de uns anos para cá andou saindo dos trilhos, só resta saber se isso gerara frutos.
Pelo menos, esse primeiro filme rende momentos de muita tensão na medida certa, principalmente pelo fato de que a trama se passa dentro de um elevador e a pergunta que fica é, qual deles é o demônio?
Embora a revelação seja de espanto, o filme talvez decepcione um pouco alguns com sua lição de moral em meio a uma situação inusitada. Resta saber como será nos capítulos seguintes.

Nenhum comentário: