Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Cine Clássico: Frankenstein de Mary Shelley

Com a chegada de THOR nos cinemas agora nesta sexta, relembro aqui com vocês o primeiro contato que eu tive de um filme dirigido pelo diretor e ator  Kenneth Branagh  

Sinopse: Em 1794, um explorador no Ártico ao tentar abrir caminho através do gelo encontra Victor Frankenstein (Kenneth Branagh). Logo depois os cães decidem atacar uma criatura (Robert De Niro), que os mata rapidamente. Assim, Victor decide contar-lhe, como tudo começou, quando ele foi estudar medicina em Ingolstadt, deixando para trás sua noiva e levando consigo uma única obsessão: vencer a morte. Na faculdade, ao discordar de um renomado mestre, acaba chamando a atenção de outro, que revela seus experimentos em reanimar tecidos mortos. No entanto, este pesquisador assassinado e o culpado pelo crime enforcado, então Victor decide colocar o genial cérebro do mestre no vigoroso corpo do assassino, mas as conseqüências de tal ato seriam inimagináveis.
Superprodução ambiciosa e caprichada. Apesar da versão de 1931 ainda hoje ser a mais lembrada, essa versão de 1994 é a mais próxima do livro que deu origem a inúmeras adaptações e talvez a mais fiel de todas. Com um belo visual, Branagh ainda aproveita para criar um incrível jogo de câmera que por muitas vezes gira 360º graus em volta dos personagens enquanto a trama prossegue. Não faltam cenas impactantes como o nascimento da criatura (Robert De Niro diferente de tudo que já fez na carreira) e do fantástico desempenho de Helena Bonham Carter na cena em que ela encara o horror em que seu amado a meteu tudo por amor, talvez seu melhor momento de toda a sua carreira.
Seguido do sucesso de Drácula: De Bram Stoker na época, Frankenstein de Mary Shelley foi subestimado na época, mas é um filme para ser descoberto e lembrado pela sua ousadia e por injetar novo sangue a uma trama tantas vezes contada.


Curiosidade: O fluido amniótico em que a Criatura nasce na verdade era uma espécie de geléia borbulhante. Durante as filmagens, Robert De Niro entrou e saiu tanto do tanque com este líquido que a geléia criou um grande rasgo no terno utilizado pela Criatura.

Nenhum comentário: