Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e comunicador do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Cine Dica: Streaming: 'King Richard: Criando Campeãs'

Sinopse: Richard Williams é um pai dedicado e determinado a tornar suas filhas, Venus e Serena, em lendas do esporte. Com métodos pouco tradicionais, ele cria duas das maiores atletas de todos os tempos. 

A cinebiografias do universo esportivo tende a ir para algo bem feito como também para fórmulas muito manjadas e das quais os cinéfilos já imaginam como termina. Porém, há casos de filmes que vão além do convencional, onde esporte é o cenário, mas o seu elenco escolhido a dedo é o que torna a peça indispensável. "King Richard: Criando Campeãs" (2021) é um desses casos em que bons desempenhos fazem de a obra não ser dispensável para os nossos olhos.

Dirigido por Reinaldo Marcus Green "King Richard: Criando Campeãs" é um filme biográfico inspirado em Richard Williams, pai das famosas tenistas Serena Williams e Venus Williams. Obstinado em fazer de suas filhas futuras campeãs de tênis, Richard (Will Smith) usa métodos próprios e nada convencionais, seguindo a visão clara de futuro que construiu para as filhas Serena (Demi Singleton) e Venus (Saniyya Sidney). Determinado, o pai das garotas vai fazer de tudo para que elas saiam das ruas de Compton para as quadras do mundo todo. Armado com plano ousado, Richard Williams trabalha para escrever suas filhas na história.

A trama soa familiar, já que a temática sobre superação através do esporte já foi algo muito usado pelo cinema, pois basta pegar como exemplo "Rocky: Um Lutador" (1976) para termos uma ideia. Porém, os realizadores se comprometeram a mostrar algo além do obvio, ao retratar uma família unida em meio as adversidades, desde a violência de gangues de rua como também o preconceito racial que perdura até nos dias de hoje. O filme não deixa de tocar na ferida o fato que o tênis é um esporte sempre moldado por pessoas brancas e ricas e que quase nunca investiu em talentos que começaram lá de baixo, mas que tinham muito a oferecer para esse mundo.

Nesta questão Richard sabe muito bem do que o mundo é formado e por conta disso tenta ensinar a todo custo as filhas em nunca se rebaixarem perante aqueles que os intimidaram, mas sim mantendo os seus lados virtuosos intactos. Através de Richard enxergamos uma vida sofrida, da qual ouviu inúmeros "nãos" ao longo dessa jornada, mas não desistindo do projeto principal em favor das suas filhas. Se sentimos esse peso de responsabilidade muito se deve ao incrível desempenho de Will Smith.

Deixando o seu ego de lado e do qual o mesmo lhe prejudicou um pouco ao longo da carreira, Smith entrega o seu melhor desempenho em anos, onde constrói para si um Richard Williams cheio de cicatriz, tanto físicas como emocionais e das quais as suas origens acabam sendo reveladas nos melhores momentos da trama. Ao mesmo tempo, seu personagem não esconde um ser humano falho em suas ações, das quais ele coloca em prática para proteger as suas filhas, mas correndo um sério risco das demais pessoas em volta nunca compreende-las.

Curiosamente, o filme explora o jogo das aparências dentro deste esporte, dos quais alguns vivem somente de números, mas nunca dando o verdadeiro valor dos talentos envolvidos. Por conta disso as filhas Serena (Demi Singleton) e Venus (Saniyya Sidney) aprenderam por duras penas que este esporte pertence sim há um grande sistema cheio de valores nas entrelinhas, mas que não pode se vender facilmente a ele, mas sim valorizar o potencial que obtiveram até aquele ponto. As duas jovens atrizes superaram as minhas expectativas e podendo serem uma futura promessa.

O ato final desliza pelo previsível e o lado emocional, pois quando chegamos a esse ponto já temos uma noção como será o encerramento. Porém, as vezes quando se perde se ganha e as cenas reais em que mostra a família Williams durante os créditos finais nos diz que valeu a pena participar dessa jornada pessoal e cinematográfica. "King Richard: Criando Campeãs" é um filme sobre superação e que nos ensina em nunca recuar mesmo quando o mundo sempre lhe dá um grande não.  

Onde Assistir: HBO Max 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: